0 texto

Na sexta-feira 3 de novembro, às 20h, o Auditório Ibirapuera será palco para a exibição da cópia restaurada do filme O Homem Mosca (Safety Last, 1923), de Fred C. Newmeyer e Sam Taylor. A sessão ao ar livre, que acontece para a plateia externa da casa, faz parte da programação da 41a Mostra Internacional de Cinema em São Paulo e conta com acompanhamento musical executado ao vivo pela Orquestra Jazz Sinfônica, sob a regência do maestro João Maurício Galindo.

A comédia romântica silenciosa fala sobre um homem do interior, simples e otimista (Harold Lloyd), que se muda para a cidade grande com a esperança de ganhar dinheiro suficiente para buscar a namorada (Mildred Davis) e se casar com ela. Ao conseguir um emprego de vendedor em uma loja de departamento, ele começa a enviar presentes para convencê-la de que é bem-sucedido. Quando a garota aparece, o rapaz finge ser o gerente-geral do lugar e realiza uma perigosa ação para promover o estabelecimento e ganhar dinheiro para concretizar seus planos.

O Homem Mosca conta com uma das cenas mais icônicas da era do cinema mudo, na qual Harold Lloyd (considerado um dos grandes nomes da comédia, ao lado de Charles Chaplin e Buster Keaton) fica pendurado nos ponteiros de um enorme relógio de um prédio. O personagem que caracterizaria a carreira desse comediante norte-americano – o rapaz de óculos que, às vezes, tinha o nome do próprio ator e, em outras ocasiões, era conhecido apenas como “The Boy”– foi encarnado por Lloyd pela primeira vez há cem anos, no filme Over the Fence (1917).

Sobre Fred C. Newmeyer

Nasceu nos Estados Unidos em 1888. Foi jogador de beisebol profissional antes de começar a carreira como ator e diretor. Sua estreia na direção foi com o filme A Sailor-Made Man (1921), estrelado por Harold Lloyd, com quem trabalhou em diversos longas, entre eles O Maricas (1924) e O Calouro (1925). Dirigiu ainda títulos como Fechado a Sete Chaves (1925) e O Presente de Núpcias (1927). Morreu em Los Angeles em 1967, aos 78 anos de idade.

Sobre Sam Taylor

Nasceu nos Estados Unidos em 1895. Começou a carreira como roteirista e estreou na direção com o longa-metragem The Mohican’s Daughter (1922). Com Harold Lloyd, fez vários filmes, entre eles O Maricas (1924) e O Milionário Gaiato(1926). Também é conhecido pela parceria com a atriz Mary Pickford, a quem dirigiu em Meu Único Amor (1927, 39a Mostra) e A Mulher Domada (1929). Morreu em 1958 em Santa Mônica, na Califórnia, aos 62 anos de idade.

41a Mostra Internacional de Cinema em São Paulo
sexta 3 de novembro de 2017
às 20h
[duração aproximada: 70 minutos]

Entrada gratuita [plateia externa]

[livre para todos os públicos]

 

Veja também
Highlight large captura de tela 2017 10 02 a%cc%80s 11.49.57

"O Menino e o Mundo", de Alê Abreu

Mesmo um leigo em cinema de animação, como eu, percebe já ao primeiro contato com O Menino e o Mundo que está diante de um filme extraordinário, que leva a um ponto extremo as possibilidades expressivas e poéticas desse gênero.