lista alfabética
  busca
Enciclopédia Itaú Cultural de Artes Visuais
assista o vídeo
 
       
 
obras
biografia
histórico
acervos
textos críticos
depoimentos
fontes de pesquisa



  Exposições
individuais
coletivas



  sugestões

  Weissmann, Franz (1911-2005)        

Biografia
Franz Joseph Weissmann (Knittelfeld, Áustria 1911 - Rio de Janeiro RJ 2005). Escultor, desenhista, pintor e professor. Vem para o Brasil em 1921. No Rio de Janeiro, entre 1939 e 1941, frequenta cursos de arquitetura, escultura, pintura e desenho na Escola Nacional de Belas Artes (Enba). De 1942 a 1944, estuda desenho, escultura, modelagem e fundição com August Zamoyski (1893-1970). Em 1945, transfere-se para Belo Horizonte, onde ministra aulas particulares de desenho e escultura. Três anos depois, Guignard (1896-1962) convida-o a lecionar escultura na Escola do Parque, que mais tarde recebe o nome de Escola Guignard. Inicialmente, desenvolve uma obra pautada no figurativismo. A partir da década de 1950, gradualmente elabora um trabalho de cunho construtivista, com valorização das formas geométricas, submetendo-as a recortes e dobraduras, utilizando chapas de ferro, fios de aço, alumínio em verga ou folha. Integra o Grupo Frente, em 1955. No ano seguinte, volta a residir no Rio de Janeiro e participa da Exposição Nacional de Arte Concreta, em 1957. É um dos fundadores do Grupo Neoconcreto, em 1959. Nesse ano viaja para a Europa e o Extremo Oriente, retornando ao Brasil em 1965. Na década de 1960, expõe a série Amassados, elaborada na Europa com chapas de zinco ou alumínio trabalhadas a martelo, porrete e instrumentos cortantes, alinhando-se temporariamente ao informalismo. Posteriormente volta a aproximar-se das vertentes construtivas. Nos anos de 1970 recebe o prêmio de melhor escultor da Associação Paulista de Críticos de Artes (APCA), participa da Bienal Internacional de Escultura ao Ar Livre, em Antuérpia, Bélgica, e da Bienal de Veneza. Realiza esculturas monumentais para espaços públicos de diversas cidades brasileiras, como na Praça da Sé, em São Paulo; no Parque da Catacumba, no Rio de Janeiro; e no Palácio das Artes, em Belo Horizonte.

Comentário Crítico
Em 1921, Franz Weissmann chega ao Brasil com a família, e se estabelece no interior de São Paulo. Em 1927 muda-se para a capital, onde ele leciona português a estrangeiros e entra em contato com as artes plásticas em visitas a exposições. Em 1929 a família transfere-se para o Rio de Janeiro. Apesar de frequentar o curso preparatório para a Escola Politécnica, seguindo sua vocação de criança, decide ingressar na Escola Nacional de Belas Artes (Enba), no Rio de Janeiro, em 1939. Durante dois anos passa pelos cursos de arquitetura, pintura, desenho e escultura, não se adaptando ao ensino acadêmico. Abandona a Escola em 1941 e passa a estudar no ateliê livre do escultor polonês August Zamoyski (1893-1970) entre 1942 e 1943, com quem aprende as técnicas tradicionais da escultura.

Entre fim de 1944 e início de 1945, como forma de "retiro voluntário" para se libertar "do peso acadêmico", Weissmann transfere-se para Belo Horizonte, cidade onde seu irmão Karl reside desde 1932. Continua trabalhando com esculturas e desenhos figurativos, que tendem a uma crescente simplificação. Em 1946 é convidado a realizar uma exposição, que seria sua primeira individual, no diretório dos estudantes da Enba, no Rio de Janeiro. Em 1948, a convite de Guignard (1896-1962), começa a dar aulas de modelo vivo, modelagem e escultura na primeira escola de arte moderna da capital mineira, a Escola do Parque, onde permanece até 1956. Entre seus alunos, contam-se Amilcar de Castro (1920-2002), Farnese de Andrade (1926 - 1996) e Mary Vieira (1927-2001).

Numa busca incessante pela essência da figura, o artista realiza esculturas de formas cada vez mais geometrizantes, nas quais o espaço vazado já aparece como um elemento definidor. No decorrer da carreira, o "vazio ativo" - como o artista costuma chamar tais espaços -, tornar-se uma obsessão. É do jogo entre o plano e suas articulações com o elemento vazado que nasce a tridimensionalidade aberta para o mundo das esculturas de Weissmann. Em 1951, realiza as primeiras experiências construtivas, que culminam na obra Cubo Vazado (1951). O trabalho, uma das primeiras esculturas construtivas brasileiras, é rejeitado pelo júri da 1ª Bienal Internacional de São Paulo, mesma edição em que Unidade Tripartida (1948/1949) de Max Bill (1908-1994), é premiada, incentivando o desenvolvimento do construtivismo entre nós.

Abandona de vez a figuração por volta de 1954, ano em que vence diversos concursos de projetos para esculturas públicas. Destes, apenas o Monumento à Liberdade de Expressão do Pensamento, encomendado pela Associação das Emissoras de São Paulo com patrocínio da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), é edificado na Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro. O monumento é destruído em 1962, em virtude de "reformas urbanísticas" no local onde se encontrava. Em mais de 50 anos de produção, Weissmann consolida-se como um dos principais criadores de esculturas públicas no Brasil. Sobre essa vertente de seu trabalho, declara: "Quando me pedem para fazer uma escultura pública para ser colocada num determinado lugar, estudo o local para que minha obra funcione em relação ao meio ambiente. [...] Meu trabalho é comunicar com o público, com o povo, e a melhor maneira de me comunicar e também de educar o povo é colocar a arte nas ruas".

Ainda nos anos 1950, de volta ao Rio de Janeiro, participa das exposições do Grupo Frente e das Bienais e assina o Manifesto Neoconcreto (1959). Realiza experiências com fios de aço na série de "esculturas lineares" e com as formas modulares, eliminando qualquer tipo de base para escultura. Em 1957 a polícia mineira resolve transformar em cadeia o ateliê que mantinha no subsolo da Escola do Parque Municipal, jogando fora sem a presença do artista todos os estudos feitos durante os anos em Belo Horizonte. Com isso, quase todo o trabalho de Weissmann das décadas de 1940 e 1950 foi destruído.

Em 1958, o artista recebe o prêmio de viagem ao exterior com a obra Torre no 8º Salão Nacional de Arte Moderna (SNAM). No ano seguinte parte com a família para a Europa, onde permanece até o fim de 1964. Nesse período volta apenas uma vez ao Brasil e realiza viagem ao Oriente a fim de conhecer melhor a filosofia oriental. Apesar de visitar diversos países europeus, estabelece-se a maior parte do tempo na Espanha. Por algum tempo Weissmann mora em Irún, uma aldeia de pescadores onde vive o amigo escultor basco Jorge Oteiza (1908-2003). Os trabalhos realizados nesse período, conhecidos como amassados, abandonam momentaneamente a construção geométrica, sendo apontados pelos críticos como um "interregno expressivo" em sua pesquisa, na qual a preocupação com a materialidade toma o primeiro plano.

Volta ao Brasil em 1965 e no ano seguinte retorna às suas experimentações com formas geométricas e modulares. Em 1967 apresenta Arapuca na 9ª Bienal Internacional de São Paulo, peça na qual a cor, como elemento determinante do espaço da escultura, se faz presente pela primeira vez. A partir de então, serão raras as esculturas sem aplicação de cor. Ao longo do tempo, Franz Weissmann mantém-se fiel ao seu processo de criação: nunca desenha a peça a ser construída, prefere trabalhar diretamente no material, cortando e dobrando com as mãos seus pequenos modelos, posteriormente ampliados numa metalúrgica.



Atualizado em 01/10/2013
 
 
Veja na Web
 
  Weismann, Franz - site oficial do artista