A Abacaxepa – formada por Bruna Alimonda (vocal), Carol Cavesso (vocal), Fernando Sheila (baixo), Ivan Santarém (guitarra), Juliano Veríssimo (bateria), Rodrigo Mancusi (vocal) e Vinícius Furquim (teclado e vocal) – sobe ao palco do Auditório Ibirapuera para mostrar as composições de seu EP de estreia, além de algumas surpresas, num espetáculo único tanto no repertório quanto na cenografia e nos figurinos, e que conta com a participação especial de Juliana Strassacapa e Mateo Piracés-Ugarte (francisco, el hombre), de Lucas Coimbra (Samuca e a Selva) e das instrumentistas Larissa Eva (trompete) e Angela Coltri (saxofone).

“O show será 95% autoral, mas também vamos apresentar canções dos nossos convidados”, conta Rodrigo Mancusi. “A Juliana e o Mateo vão tocar, separadamente, uma música da Abacaxepa; nós vamos fazer duas da francisco, el hombre com a nossa banda, no nosso formato; e o Lucas Coimbra vai tocar uma composição nossa na sanfona. Haverá ainda uma performance de Luaa Gabaninni.”

O grupo – que exibe traços tropicalistas na performance e na sonoridade e tem influências que vão do rock ao samba, mas valorizando a música brasileira – surgiu em 2016 no curso de teatro da Escola Superior de Artes Célia Helena (ESACH), em São Paulo, de forma despretensiosa. Segundo Rodrigo, os integrantes não tinham a intenção de formar uma banda profissional.

“Nós nos conhecemos no curso de teatro, mas todos tinham uma vontade grande de fazer música juntos, já que existia entre nós uma grande afinidade musical. Resolvemos nos apresentar em um evento da faculdade chamado EPA (Encontro de Propostas Artísticas), mas interpretando músicas ‘na brincadeira’. Naquele momento, o objetivo não era ser uma banda séria, profissional. Só que o público se interessou pelo nosso trabalho e passamos a ser convidados para tocar também fora do campus, como no Espaço Parlapatões, em São Paulo”, conta. “Depois de seis meses, nos apresentamos em Recife. Lá decidimos que queríamos seguir como profissionais e escrevemos nossa primeira música.”

Com um discurso de desconstrução e quebra da normatividade das questões estéticas e comportamentais, a Abacaxepa traz para os seus shows linguagens artísticas diversas – como música, dança, teatro, performance e artes visuais –, sempre valorizando o trabalho do grupo, do coletivo acima do individual.

“Fomos entendendo juntos esse lugar do ser profissional, do ser artista, do que queremos e podemos fazer. Usamos muito disso nas nossas apresentações, que são muito teatrais e trazem essas linguagens diversas. Bebemos de todas as fontes”, fala Rodrigo. “O modo como nos vestimos, os movimentos que propomos nas músicas e as nossas próprias letras nos aproximam desse discurso”, complementa Carol Cavesso. “Prezar essa coisa da banda como grupo – sem querer enfatizar um ou outro, uma ou outra função – é muito importante. Na Abacaxepa, cada um tem o seu momento de brilhar.”

Abacaxepa
domingo 1 de julho de 2018 [com interpretação em Libras]
às 19h
[duração aproximada: 80 minutos]

ingressos: R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada)

[classificação indicativa: 10 anos]

abertura da casa: 90 minutos antes do espetáculo 

Os ingressos podem ser adquiridos pelo site Ingresso Rápido, em seus pontos de venda e pelo telefone 11 4003 1212. Também estão à venda na bilheteria do Auditório Ibirapuera, nos seguintes horários:
sexta e sábado das 13h às 22h
domingo das 13h às 20h

Veja também

A cena negra em foco

O chamado teatro negro brasileiro nasceu da conscientização de que a ausência de negros e negras nos palcos não era uma questão individual, pessoal, de incapacidade, mas estrutural e coletiva. Para problemas coletivos, soluções coletivas