lista alfabética
  busca
Enciclopédia Itaú Cultural de Artes Visuais
 
       
 
obras
biografia
histórico
textos críticos
fontes de pesquisa



  Exposições
coletivas
póstumas



  sugestões

  Acquarone, Francisco (1898 - 1954)      

Biografia
Francisco Acquarone (Rio de Janeiro RJ 1898 - idem 1954). Historiador, pintor, desenhista, caricaturista, ilustrador, professor, crítico, escritor, jornalista. Cursa a Escola Nacional de Belas Artes - Enba, onde é aluno dos pintores Baptista da Costa, Modesto Brocos, Rodolfo Chambelland e Rodolfo Amoedo. Dedica-se à pintura, desenho, caricatura e ilustração. Trabalha como jornalista e ilustrador do periódico Dom Quixote, a partir de 1918. Posteriormente, colabora com retratos e ilustrações a bico-de-pena e crayon para periódicos como O Jornal, A Noite e Dom Casmurro, revista de cultura voltada para a divulgação das artes plásticas. Participa dos Salões de Belas Artes, entre 1926 e 1941, com paisagens, retratos, pinturas históricas e de gênero. Torna-se conhecido principalmente por sua atuação como historiador da arte e publica títulos como Mestres da Pintura no Brasil, s.d., em parceria com Queirós Vieira; História da Arte no Brasil, em 1939; Obras-Primas de Rodolfo Amoedo, Mestre da Pintura Brasileira, em 1941; e Primores da Pintura no Brasil (1942), entre outros.

Comentário Crítico
Como pintor, Francisco Acquarone interessa-se por paisagens e cenas populares e históricas, e participa dos Salões de Belas Artes, entre 1926 e 1941. Torna-se conhecido principalmente por sua atuação como historiador da arte, publicando vários títulos, como História da Arte no Brasil, 1939, Mestres da Pintura no Brasil, s.d., e Primores da Pintura no Brasil, 1942, entre outros. Suas publicações revelam o objetivo de tornar o conhecimento da arte acessível ao grande público, em edições com ilustrações coloridas, de página inteira, com biografias breves e comentários sobre obras escolhidas. No livro Primores da Pintura no Brasil, pode-se perceber a sensibilidade do autor em relação à pintura brasileira do século XIX: ele recupera os escritos do crítico Gonzaga Duque e valoriza a produção de artistas como Arthur Timótheo da Costa e Rodolfo Amoedo, a quem dedica uma publicação em especial (Obras-Primas de Rodolfo Amoedo, Mestre da Pintura Brasileira, 1941), com elogios a seu desenho impecável e colorido harmonioso.



Atualizado em 19/07/2011
 
 
Veja nas
Enciclopédias
 
  artes visuais - termos e conceitos
  Academicismo
Pintura de Gênero
Pintura Histórica