lista alfabética
  busca
Enciclopédia Itaú Cultural de Artes Visuais
 
       
 
obras
biografia
histórico
acervos
textos críticos
fontes de pesquisa



  Exposições
póstumas



  sugestões

  Athaide, Manoel da Costa (1762 - 1830)        

Biografia
Manoel da Costa Athaide (Mariana MG 1762 - idem 1830). Pintor, dourador, encarnador, entalhador. É considerado importante artista do barroco mineiro. Em sua obra observam-se referências aos modelos das bíblias e catecismos europeus, como as gravuras de Jean-Louis Demarne (ca.1752 - 1829) e Francesco Bartolozzi (1727 - 1815). Forma com os pintores Bernardo Pires da Silva (17-- - 17--), Antônio Martins da Silveira (17-- - 17--), João Batista de Figueiredo (17-- - 17--), entre outros, a chamada Escola de Mariana. Suas obras mais destacadas são as pinturas na Igreja da Ordem Terceira de São Francisco de Assis de Ouro Preto, realizadas entre 1801 e 1812; e as do forro da capela-mor da Igreja Matriz de Santo Antônio na cidade de Santa Bárbara, de 1806; o painel A Última Ceia, no Colégio do Caraça, executado em 1828; a pintura do forro da capela-mor da Igreja Matriz de Santo Antônio, na cidade de Itaverava, de 1811, e a do forro da capela-mor da Igreja de Nossa Senhora do Rosário de Mariana, de 1823. No período de 1781 a 1818, encarna e doura as imagens de Aleijadinho (1730 - 1814) para o Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas do Campo. Segundo a crítica Lélia Coelho Frota, o artista teria utilizado seus quatro filhos como modelos para a confecção dos anjos que adornam os diversos forros e painéis por ele executados e sua esposa para a execução da madona mulata, retratada no forro da Igreja da Ordem Terceira de São Francisco de Assis de Ouro Preto.

Comentário Crítico
Manoel da Costa Athaide destaca-se como um dos principais nomes da pintura rococó mineira do início do século XIX. A exemplo dos artistas da época, sua atividade como pintor abarca o exercício de douramento e encarnação de imagens e elementos decorativos em talha, pinturas parietais e sobre painel, mas fundamentalmente pintura decorativa de forros e tetos de igrejas. As mais antigas notícias sobre seu trabalho como artista datam de 1781 e referem-se a obras de pintura e douramento de retábulos. Contudo é já adentrando o século XIX que realiza trabalhos de vulto como, a encarnação das estátuas em madeira dos Passos da Paixão, esculpidas por Aleijadinho e seu ateliê, o retoque da pintura do teto da nave e a pintura das Capelas dos Passos do Horto e da Prisão no Santuário do Bom Jesus dos Matosinhos, em Congonhas do Campo, entre 1799 e 1819. Seu mais bem-sucedido trabalho é novamente realizado com Aleijadinho, na Igreja de São Francisco de Assis, em Ouro Preto: entre 1801 e 1812, Athaide pinta o teto da nave da capela representando como tema central a Assunção da Virgem, legando-nos um dos exemplares mais perfeitos da pintura de perspectiva do período colonial brasileiro.

Filho de portugueses, não se sabe ao certo como se dá a formação artística de Athaide. Seu pai, Luiz da Costa Athaide, aparece eventualmente nos livros de registros de Ordens Religiosas como prestador de serviços não especificados, sendo provável que tenha contribuído para a formação do filho. Segundo o historiador Carlos Del Negro, a semelhança entre as pinturas de forro de João Batista de Figueiredo e Athaide indicam que o primeiro teria sido mestre do segundo. Entretanto outros nomes aparecem associados ao pintor, como o de João Nepomuceno Correia e Castro (17-- - 1795), autor, entre outras, da pintura da nave do referido santuário (1777-1784) e de Antônio Martins da Silveira, autor da decoração pictórica do teto da capela-mor do Seminário Menor de Mariana (1782). Ambos figuram como introdutores do estilo rococó em Minas Gerais, cuja primeira fase na pintura abrange o período entre os anos de 1770 e 1800. Não se sabe ao certo quem foram os mestres do pintor mineiro, tem-se conhecimento, entretanto, da figura de Athaide como mestre. Em 1818 recebe do Senado da Câmara de Mariana atestado de professor das "Artes de Arquitetura e Pintura". Com ele, dirige-se a Dom João VI (1767 - 1826) a fim de pleitear, sem sucesso, a criação oficial da "Aula de Desenho de Arquitetura Civil e Militar e da Arte da Pintura" em sua cidade natal.

Como os artistas-artesãos da época, Athaide segue cânones importados de Portugal. Em geral, as cenas a serem executadas eram copiadas de gravuras e estampas de missais e livros sagrados, sendo o artista responsável apenas pela adaptação da imagem ao espaço e aos recursos técnicos disponíveis. Por exemplo, no caso dos seis painéis imitando azulejo (executados entre 1803 e 1804), que representam cenas da vida de Abraão e decoram a capela-mor da Igreja de São Francisco de Assis, em Ouro Preto, Athaide copia seis gravuras de uma edição francesa da Bíblia ilustrada por Demarne. Tal fato não representa demérito nenhum ao artista colonial, pois seu talento se revela exatamente na sabedoria com que faz tal transposição, simplificando as composições originais a fim de adaptá-las ao reduzido espaço. Em comparação com elas, percebe-se um caráter intimista no tratamento das cenas e uma maior expressividade do desenho, que elimina o aspecto solene presente no modelo. Essa linha expressiva que tende a criar corpos volumosos e lânguidos, que quase não conhece ângulos retos e transforma a anatomia dos corpos em traços curvos, é uma das características mais marcantes da obra de Athaide.

No que diz respeito à pintura de perspectiva de forro, o artista mineiro segue esquema de inspiração rococó elaborado em meados da segunda metade do século XVIII, em Minas Gerais: medalhão em forma de "quadro recolocado" emoldurado de rocalhas e colocado no centro do teto, sendo sustentado por maciços elementos arquitetônicos (pilastra, coluna, arco e frontão curvilíneo), que assentam na parte média das paredes reais da igreja. O espaço arquitetônico ilusório tende a ser recheado de anjos, figuras bíblicas, concheados, laçarias, ramalhetes de flores e outros motivos delicados que se prendem uns aos outros por curvas e contracurvas, dando leveza e ritmo à totalidade da composição. Do mesmo modo, a paleta do artista, rica em tons de vermelho, azul, branco, amarelo, sépia e marrom, deve ser compreendida segundo os padrões do período. O alto valor artístico de Manoel da Costa Athaide encontra-se na superioridade técnica de suas realizações, marcadas pelo perfeito desenho de perspectiva e corpos em escorço, pela harmonia cromática e pelo já citado desenho altamente expressivo. No entanto, o artista também ficou conhecido por seus anjos e virgens mulatos, cuja inspiração teria encontrado em sua companheira e seus filhos.



Atualizado em 24/09/2013