lista alfabética
  busca
Enciclopédia Itaú Cultural de Artes Visuais
 
       
 
obras
biografia
histórico
textos críticos
fontes de pesquisa



  Exposições
individuais
coletivas
póstumas



  sugestões

  Graz, Regina (1897 - 1973)    

Biografia
Regina Gomide Graz (Itapetininga SP 1897 - São Paulo SP 1973). Pintora, decoradora. Entre 1913 e 1920 estuda na Escola de Belas Artes e de Artes Decorativas de Genebra, Suíça, ao lado de seu irmão Antonio Gomide (1895 - 1967) e de John Graz (1891 - 1980), com quem se casa em 1920. Nesse ano volta ao Brasil. Em 1923, no Rio de Janeiro, realiza pesquisa sobre tecelagem indígena do Alto Amazonas, sendo, ao lado de Vicente do Rego Monteiro (1899 - 1970), pioneira no interesse pela tradição indígena brasileira. Dedica-se à tapeçaria e confecciona paneaux, colchas, almofadas, tecidos e abajures em estilo cubista e art deco. Em 1930, participa com seu marido da decoração da Casa Modernista, projetada por Gregori Warchavchik (1896 - 1972) em São Paulo. De 1932 a 1934 faz parte da Sociedade Pró-Arte Moderna - Spam e entre 1934 e 1940 participa do Grupo 7 com Victor Brecheret (1894 - 1955), Elisabeth Nobiling (1902 - 1975), Yolanda Mohalyi (1909 - 1978), Rino Levi (1901 - 1965), John Graz e Antonio Gomide. Cria em 1941 a Indústria de Tapetes Regina Ltda.

Comentário crítico
Regina Graz volta ao Brasil em 1920, após estudar em Genebra, e passa a desenvolver, com Antonio Gomide (1895 - 1967) e John Graz (1891 - 1980), pinturas e objetos decorativos ligados ao estilo art deco.

De sua produção da década de 1920, poucas obras foram preservadas. Regina Graz dedica-se principalmente à decoração de interiores, trabalhando com tapeçarias em veludo, panneaux e almofadas, criando motivos que se aproximam da abstração geométrica, derivada das experiências cubistas. Na tapeçaria Diana Caçadora, déc.1920, as figuras de cunho linear enfatizam a leveza da forma; a paisagem de fundo é apenas indicada e tende à abstração. Já em Coqueiros, ca.1930, predominam a geometrização e a simplificação formal.

A artista dedica-se ao estudo da arte têxtil indígena, no Museu do Índio, no Rio de Janeiro. Passa a confeccionar tapetes, tapeçarias, cúpulas de abajur, almofadas e colchas, utilizando-se de padrões desenhados por ela mesma ou por John Graz.



Atualizado em 15/10/2013