lista alfabética
  busca
Enciclopédia Itaú Cultural de Artes Visuais
 
       
 
obras
biografia
histórico
textos críticos
fontes de pesquisa



  Exposições
individuais
coletivas
póstumas



  sugestões

  Agostini, Angelo (1843 - 1910)        

Nascimento/Morte

1843 - Vercelli (Itália) - 8 de abril. Obtém cidadania brasileira em 1888

1910 - Rio de Janeiro RJ - 23 de janeiro

Vida Familiar

Pai da pintora Angelina Agostini (1888 - 1973)

Cronologia

Caricaturista, ilustrador, desenhista, crítico, pintor, gravador

ca.1858 - Conclui os seus estudos em Paris e se dedica a pintura

1860 - Passa a viver na capital paulista

1864 - Funda juntamente com Luís Gonzaga Pinto da Gama (1830 - 1882) e Sizenando Barreto Nabuco de Araújo (1842 - 1892) o jornal Diabo Coxo. A última edição da publicação ocorre em 31/12/1865

1866 - Funda juntamente com Américo de Campos e Antônio Manuel Reis, o jornal ilustrado semanal O Cabrião, publicado ininterruptamente entre 30/09/1866 e 29/09/1867, totalizando 51 números

1867 - Muda-se para o Rio de Janeiro e trabalha como colaborador na revista O Arlequim

1868 - Trabalha como colaborador na revista Vida Fluminense (publicação que substitui o efêmero O Arlequim), nesta revista publica ainda a história infantil Nhô Quim ou Impressões de uma Viagem à Corte. Nessa revista o artista também publica uma série de desenhos onde ilustra as notícias sobre a Guerra do Paraguai

1869/1875 - Trabalha como colaborador no jornal O Mosquito

1872 - Publica na revista O Mosquito, edição de 6 de julho, uma caricatura satirizando o quadro Passagem de Humaitá (1868), de Victor Meirelles (1832 - 1903)

1872 - Executa uma litografia retratando Pedro Américo (1843 - 1905). O trabalho ilustra a capa da revista Vida Fluminense, publicada em 24 de fevereiro

1873 - Cria a nova logomarca para a revista O Mosquito

1876 - Funda em 1º de janeiro a Revista Ilustrada, onde no ano seguinte publica um retrato em homenagem a José de Alencar (1829 - 1877)

1879 - Executa charge intitulada Oferecida ao Eminente Pintor Victor Meirelles, publicada na Revista Ilustrada em 25 de abril, e ainda nesse mesmo periódico, publica uma crítica ilustrada por uma caricatura onde satiriza e desmerece a tela Batalha dos Guararapes (1875/1879), do mesmo pintor

1879 - Publica na Revista Ilustrada uma caricatura intitulada A Batalha do Avaí do Dr. Pedro Américo. A caricatura foi publicada em 10 de maio

1883 - Publica na Revista Ilustrada uma caricatura satirizando o quadro A Batalha Naval de Riachuelo de Victor Meirelles. Na caricatura os navios foram substituídos por sapatos e botinas flutuantes. Nas duas edições seguintes da revista são publicadas novas críticas e caricaturas que satirizam o trabalho apresentado no Salon de Paris, realizado neste mesmo ano

1884 - Publica na Revista Ilustrada a história infantil intitulada As Aventuras de Zé Caipora, considerada a primeira história em quadrinhos brasileira

1884 - Publica na Revista Ilustrada alguns artigos contra os professores e artistas ligados à Aiba e, também publica, uma série de charges ilustrando suas críticas aos trabalhos apresentados por Pedro Américo e outros artistas, na 26ª Exposição Geral de Belas Artes, realizada neste mesmo ano

1888 - É homenageado pela Confederação Abolicionista em um banquete realizado em 26 de agosto

1889 - Publica na Revista Ilustrada a as últimas caricaturas que satirizam o Imperador Pedro II, durante a fala do trono

1889 - Viaja para Paris fugindo do escândalo provocado por uma relação fora do casamento

1895 - Volta a residir na capital carioca 

1895 - Funda a revista Dom Quixote, onde, em 1901, publica As Aventuras de Zé Caipora

1904 - Trabalha no jornal Gazeta de Notícias

1904 - Trabalha na revista O Malho, dando continuidade a publicação das Aventuras de Nhô Quim

1905 - Integra juntamente com Luís Bartolomeu de Souza e Silva a equipe responsável pela fundação da revista Tico-Tico. Cria o logotipo da revista e nos anos seguinte publica nesta mesma revista as histórias infantis Histórias do Pai João e As Aventuras do Zé Caipora

1910 - Em 10 de agosto integra o grupo fundador do Centro Artístico Juventus, que quase uma década depois de sua morte, em 1919, transforma-se em Sociedade Brasileira de Belas Artes. O Centro realiza sete salões na Escola Nacional de Belas Artes - Enba, Associação Brasileira de Imprensa - ABI, Associação dos Empregados do Comércio e Liceu de Artes e Ofícios



Atualizado em 29/06/2012
 
 
Veja nas
Enciclopédias
 
  artes visuais - termos e conceitos
  Academicismo
Pintura de Paisagem
Retrato

 
  literatura - nomes
  Alencar, José de (1829 - 1877)