lista alfabética
busca

 
       
 
 
  histórico
  ficha técnica
  fontes de pesquisa

    sugestões

 

 
Enciclopédia Itaú Cultural de Teatro
Bella Ciao
9/ 11/ 1982 - São Paulo/SP
Teatro de Arte Israelita Brasileiro

Montagem do texto de Luís Alberto de Abreu, que enfoca a vida de uma família de anarquistas italianos, suas lutas políticas e o passado histórico brasileiro. Espetáculo representante do teatro político do início da década de 80.

Em cena estão mais de quarenta anos de história, iniciada desde a imigração italiana até a queda de Getúlio Vargas no Brasil. Os Barachetta, núcleo familiar de anarquistas, acabam erigindo uma saga em torno das lutas sindicais e políticas do período.

O texto de Luís Alberto de Abreu nasce de pesquisas realizadas com o Grupo de Teatro Mambembe, mas a montagem é efetivada por um coletivo de artistas com outras orientações. Roberto Vignati dirige a montagem com ritmo, elegância e simplicidade. Tira partido do belo espaço cênico criado por Irineu Chamiso Júnior, todo estruturado em tons de vinho, como uma homenagem à alegria de viver.

Teatro político de alta qualidade, a peça evita maniqueísmos e simplificações. Tanto as personagens de esquerda como as de direita são mostradas como detentoras de gestos e atitudes distantes do heroísmo simplório.

A canção Bella Ciao, uma das mais executadas pelos anarquistas, pontua a narração do enredo, bem como outros hinos e marchas célebres, conferindo à realização o tom de um grande painel sociopolítico.

Destacam-se Mário César Camargo e Gabriela Rabelo, soberbos na encarnação do casal central.

O crítico João Cândido Galvão não esconde seu entusiasmo diante da realização: "É com Bella Ciao que Luís Alberto de Abreu alcança a depuração máxima. A realidade é transfigurada e ampliada. O diálogo fluente e ágil, sem nunca esquecer suas referências, é ouvido como boa música. (...) De início falado em italiano, o texto passa para um português com sotaque, onde as palavras vão sendo substituídas com espantosa veracidade. Esse domínio técnico, porém, não impede a emoção, que se transmite com força total ao espectador. (...) Vignati percebeu as qualidades do texto e criou um espetáculo cinematográfico".1

Notas

1. GALVÃO, João Cândido. Equilíbrio político. Veja, São Paulo, p. 88-89, 22 dez. 1982.



Atualizado em 04/10/2005