lista alfabética
busca

 
       
 
 
  biografia
cronologia
fontes de pesquisa

    espetáculos

    sugestões

 

 
Enciclopédia Itaú Cultural de Teatro
Corrêa, Rubens (1931 - 1996)

Biografia
Rubens Alves Corrêa (Aquidauana MS 1931 - Rio de Janeiro RJ 1996). Ator e diretor.  Sua interpretação traz elementos peculiares aos princípios enunciados por Antonin Artaud, privilegiando personagens de alta densidade dramática, fora das convenções realistas ou das comédias ligeiras. Constrói o Teatro Ipanema onde, tendo Ivan de Albuquerque como parceiro e sócio, desempenha a maior parte dos papéis de sua carreira e procura refletir as questões da arte e da sociedade contemporâneas.

Forma-se como ator n'O Tablado em 1958, cursando, também, direção na Escola de Dulcina de Moraes, na Fundação Brasileira de Teatro (FBT), ao lado de Ivan de Albuquerque, Yan Michalski e Cláudio Corrêa e Castro. Associa-se a Ivan, com quem funda o Teatro do Rio onde, em 1959, estréia profissionalmente como ator e diretor e realiza em média três espetáculos por ano. É dirigido por Ziembinski em Espectros, de Henrik Ibsen, e O Círculo Vicioso, de Somerset Maugham, ambos de 1961. Tem a primeira consagração em A Escada, de Jorge Andrade, que lhe rende Prêmio Moliére de melhor ator, em 1963. No ano seguinte, seu desempenho no monólogo Diário de um Louco, de Nikolai Gogol, salva a companhia de uma iminente falência - sendo reprisado sempre que há crise financeira. Entre 1964 e 1968, Rubens e Ivan se dedicam à construção de sua sede própria. Em 1967, atua em São Paulo, em Marat-Sade, de Peter Weiss, direção de Ademar Guerra, como o Marquês de Sade, Prêmio Governador do Estado, melhor ator. Já no Teatro Ipanema, em O Assalto, de José Vicente, dirigido por Fauzi Arap, destaca-se como ator, em 1969, recebendo os prêmios Estácio de Sá e Golfinho de Ouro de melhor ator. Em O Arquiteto e o Imperador da Assíria, de Fernando Arrabal, em 1970, direção de Ivan, traz uma dimensão libertária, em que o primitivo e o ritual se expressam na visceralidade das ações do corpo do ator, preparado por Klauss Vianna. Hoje É Dia de Rock, também de José Vicente, lhe permite criar o maior sucesso da companhia, além de render-lhe o Prêmio Molière de melhor diretor de 1971. Suas elogiadas encenações do início da década de 1970, A China é Azul, de José Wilker, em 1972, e Ensaio Selvagem, de José Vicente, em 1974, se caracterizam pela sofisticação plástica da linguagem e colocam em cena uma sucessão de imagens - não só visuais, como também sonoras - de apelo sensorial. A partir de 1977, passa a trabalhar exclusivamente como ator, protagonizando todas as peças da companhia. É premiado com o Molière de melhor ator, como Molina, em O Beijo da Mulher Aranha, de Manuel Puig, em 1981. Em Artaud, coleta de textos de Antonin Artaud, para uma platéia de 50 lugares, direção de Ivan de Albuquerque, 1986, faz um monólogo marcado pela entrega, ficando em cartaz por mais de três anos. Em 1993, com O Futuro Dura Muito Tempo, de Louis Althusser, adaptação e direção de Márcio Vianna, tem sua última representativa atuação, ganhando o Prêmio Shell de melhor ator. Em 2011, é lançado o livro Rubens Corrêa: um salto para dentro da luz, de Sérgio Fonta, pela Imprensa Oficial de São Paulo (Coleção Aplauso).

Estudioso em particular da obra de Jung (colabora, durante anos, com a doutora Nise da Silveira, no Museu do Inconsciente), extrai desse conhecimento parte da peculiaridade de seu estilo de interpretação. As personagens levam à cena o temperamento do ator expresso na sonoridade das palavras e no desenho dos gestos, imprimindo uma performance ao mesmo tempo estilizada e emotiva. O crítico Yan Michalski, estabelecendo o perfil artístico do ator, analisa: "Figura singular, e uma das mais unanimemente admiradas dos palcos brasileiros, Rubens Corrêa é um ator diferente: talvez o último - e o único da sua geração - remanescente da estirpe dos monstros sagrados, em função da aura de magia e de sagrado que cerca a sua presença cênica e o seu conceito do ofício de ator. Mas um monstro sagrado visceralmente moderno, familiarizado com todos os desdobramentos da arte teatral na atualidade, e sempre pronto a transformar cada trabalho novo num mergulho no desconhecido. Por outro lado, um trabalhador fanático, que até hoje não passa um dia sem afiar o seu instrumental de voz e de corpo e aprofundar o seu estudo do teatro e do mundo. [...] Seu forte são as personagens de estatura acima da média dos homens comuns: os grandes loucos, os grandes desesperados, os grandes lúcidos ou místicos".1 Embora reconhecido como diretor pela qualidade de alguns espetáculos, é como ator que deixa sua marca no teatro.

Notas
1. MICHALSKI, Yan. Rubens Corrêa. In:______. Pequena enciclopédia do teatro brasileiro contemporâneo. Rio de Janeiro, 1989. Material inédito e inconcluso, elaborada em projeto para o CNPq.



Atualizado em 18/07/2011