lista alfabética
busca

 
       
 
 
  biografia
cronologia
fontes de pesquisa

    espetáculos

    sugestões

 

 
Enciclopédia Itaú Cultural de Teatro
Fernandes, Millôr (1923 - 2012)

Biografia
Milton Viola Fernandes (Rio de Janeiro RJ 19231- Idem 2012). Autor e tradutor. De humor singular, humanista e moderno, com visão cética do mundo, Millôr Fernandes é uma figura de proa no panorama cultural brasileiro: jornalista, escritor, artista plástico, humorista, pensador, destaca-se em todas essas atividades. No teatro, empreende uma transformação no campo da tradução, tal a quantidade e a diversidade de peças que traduz e a pessoalidade com que o faz. Escreve, com Flávio Rangel, Liberdade, Liberdade, uma das peças pioneiras do teatro de resistência à ditadura militar, encenada em 1965.

Quando estréia em teatro, já é nacionalmente conhecido por meio da coluna humorística semanal em O Cruzeiro, assinada com o pseudônimo Vão Gogo. Suas primeiras peças são ainda imaturas: Uma Mulher em Três Atos, levada no Teatro das Segundas-Feiras do Teatro Brasileiro de Comédia (TBC), paulista em 1953, filia-se à tradição de fantasiosa comédia do cotidiano carioca, então cristalizada por Silveira Sampaio; Do Tamanho de um Defunto e Bonito como um Deus, no Teatro de Bolso do Rio em 1955, se inscrevem no mesmo gênero e apresentam traços semelhantes aos do texto de estréia; A Gaivota, explora o terreno do drama lírico.

Seu primeiro sucesso de público é Pigmaleoa. Escrita em 1955, mas só montada em 1962 pelo Teatro do Rio, com direção de Adolfo Celi, aborda humoristicamente o cotidiano de Copacabana. Bem maior, porém, é o êxito de Um Elefante no Caos, montada pelo Teatro da Praça, no Rio de Janeiro, em 1960, com premiada direção de João Bethencourt, e em São Paulo, em 1961, com direção de Egídio Eccio. Em torno de uma situação de puro teatro do absurdo - um incêndio que consome um imóvel durante seis meses, porque na hora em que os bombeiros quase conseguem apagá-lo falta água para terminar o trabalho -, Millôr compõe um hino de amor ao irresponsável jeito carioca de viver. Flávia, Cabeça, Tronco e Membros, escrita em 1963, foi durante muito tempo considerada pelo autor como a obra de maior peso e alcance.

A realidade instalada no Brasil a partir do golpe de 1964 dá um novo rumo ao teatro de Millôr Fernandes: defensor do livre arbítrio, ele se torna, desde o início, um ferino questionador do esquema repressor que domina o país. O primeiro fruto desta atitude é Liberdade, Liberdade. Escrita com Flávio Rangel, que dirige o espetáculo montado no Grupo Opinião em 1965, está entre as obras pioneiras do teatro de resistência. Os autores conseguem obter uma coerente estrutura dramatúrgica com pequenos textos da literatura universal dedicados ao tema da liberdade, costurados com canções sobre o mesmo assunto, e com corrosivas piadas de Millôr e Rangel, aproximando as tomadas de posição de autores de outros tempos e países, da situação brasileira de 1965. Embora bastante questionado na época, por ser mais um show do que propriamente uma peça de teatro, Liberdade, Liberdade revela-se uma iniciativa seminal, que influencia fortemente a dramaturgia da década. O espetáculo faz enorme sucesso no Rio de Janeiro e em longa turnê pelo país, tendo tido desde então muitas novas montagens no Brasil e no exterior. Na mesma linha de coletânea, Millôr volta a alcançar sucesso com O Homem do Princípio ao Fim, com direção de Fernando Torres, 1966. A seleção de textos tem como denominador comum o ser humano diante de si mesmo e do universo, e é valorizada pela notável interpretação de Fernanda Montenegro. Computa, Computador, Computa, 1972, é uma compilação de anedotas e piadas da qual se desprende a visão do mundo de um humorista amargo e rebelde, também com Fernanda em cena. Voltando à estrutura dramatúrgica convencional, já sem a fórmula da coletânea, Millôr cria É..., 1977, a sua comédia mais amadurecida e bem construída, na qual retrata criticamente as repercussões da recente revolução de costumes na vida dos casais de meia-idade representativos da intelectualidade progressista. O espetáculo dirigido por Paulo José, com outro ótimo desempenho de Fernanda Montenegro, faz uma carreira recorde de três anos, entre Rio de Janeiro, São Paulo e visitas a outras capitais. Em 1980, outra obra de Millôr, mais polêmica e ousada, alcança êxito: em Os Órfãos de Jânio ele se inspira na fórmula dramatúrgica criada pelo americano Robert Patrick para Os Filhos de Kennedy, reunindo num bar personagens marcados, cada um a seu modo, pela evolução da sociedade brasileira nos últimos vinte anos, que monologam sobre as suas trajetórias e destinos, compondo um dramático, contundente e polêmico miniuniverso da realidade nacional.

Outra vertente significativa da criação teatral de Millôr Fernandes é o seu trabalho como tradutor, certamente o melhor e mais importante que o nosso teatro já teve; e também o mais prolífico, a ponto de ter transformado essa atividade num quase monopólio pessoal, no setor da produção teatral. O acervo de muitas dezenas de traduções, que vai do clássico - Rei Lear, de William Shakespeare - ao moderno - As Lágrimas Amargas de Petra von Kant, de Fassbinder, passando pelo musical - Chorus Line, de James Kirkwood e Nicholas Dante. Revela virtuosismo verbal e criatividade no ato de tornar autênticas e teatrais, no vernáculo, as falas criadas a partir de outras tradições e convenções idiomáticas. Às vezes ele interfere na escrita original, tornando-se quase um recriador; outras vezes, a sua tradução opta por um caminho mais discreto.

Ao apreciar sua contribuição ao teatro brasileiro, o crítico Yan Michalski observa que todas as atividades que Millôr Fernandes realiza têm "... uma matéria-prima comum de coerência, feita de um humanismo que paira por cima de todas as ideologias, e que se mostra cético quanto à capacidade do ser humano de superar a mediocridade da sua condição, mas ao mesmo tempo aposta na sua grandeza intrínseca, e se dispõe a lutar pelos seus direitos à preservação dessa grandeza. Seu teatro, plenamente coerente com essa visão do mundo, talvez não seja, isoladamente, o elemento que mais se destaque nesse espantoso conjunto de talentos, não obstante a autêntica revolução que ele operou no terreno da tradução. Mas sem a sua contribuição ao teatro, atividade por excelência integradora de todas as artes, a polivalência desse artista completo perderia muito da sua admirável abrangência".2

Notas
1 Millôr Fernandes nasce em 16 de agosto de 1923, contudo é registrado em 27 de maio de 1924. Por isso, em diversos lugares, o ano de nascimento aparece como 1924.

2. MICHALSKI, Yan. Millôr Fernandes. In: ___________. PEQUENA Enciclopédia do Teatro Brasileiro Contemporâneo. Material inédito, elaborado em projeto para o CNPq. Rio de Janeiro, 1989.



Atualizado em 28/03/2012
 
 
Veja nas
Enciclopédias
 
  artes visuais - artistas
  Fernandes, Millôr (1923 - 2012)

 
  literatura - nomes
  Fernandes, Millôr (1923 - 2012)
Rangel, Flávio (1934 - 1988)

 

 
Veja na Web
 
  Millôr On-Line

Millôr Fernandes