lista alfabética
busca

 
       
 
 
  biografia
cronologia
fontes de pesquisa

    espetáculos

    sugestões

 

 
Enciclopédia Itaú Cultural de Teatro
Souza, Ruth de (1930)

Biografia
Ruth Pinto de Souza (Rio de Janeiro RJ 1930). Atriz. Funda e integra o Teatro Experimental do Negro e participa dos elencos de Os Comediantes.

Ainda adolescente, entra para o Teatro Experimental do Negro - TEN, companhia de Abdias do Nascimento, onde atua no espetáculo de estreia, O Imperador Jones, de Eugene O'Neill, 1945. No ano seguinte, se apresenta em Todos os Filhos de Deus Têm Asas, novamente de O'Neill, e do Festival do Segundo Aniversário do TEN, que apresenta, entre outras peças, O Moleque Sonhador, de O'Neill. Em 1947, Ruth de Souza é convidada a participar de Terras do Sem Fim, de Jorge Amado, realizada por Os Comediantes, com direção de Zigmunt Turkov. A atriz interpreta a personagem Joana, a quem ela retorna anos depois na versão cinematográfica do romance. Permanece no TEN enquanto duram suas atividades, sempre interpretando as principais personagens femininas. Em 1947, recebe o prêmio revelação pelo desempenho em O Filho Pródigo, de Lucio Cardoso, direção de Abdias do Nascimento.

Em 1959, é convidada a protagonizar, na Companhia Nydia Licia-Sergio Cardoso, Oração para uma Negra, de William Faulkner, e recebe os prêmios Saci e Governador do Estado de melhor atriz.

Na década de 1960, atua, entre outros, em Quarto de Despejo, adaptação de Edi Lima para o livro de Carolina de Jesus, com direção de Amir Haddad, 1961; em Vereda da Salvação, de Jorge Andrade, com direção de Antunes Filho, 1964; na montagem de Sergio Cardoso para Vestido de Noiva, de Nelson Rodrigues, no Teatro Brasileiro de Comédia - TBC, 1965. Com bolsa da Fundação Rockfeller, estuda cinema em Cleveland, nos Estados Unidos, onde trabalha como atriz e faz assistência de direção de filmes.

De volta ao Brasil, começa a fazer seguidas participações na televisão. No cinema, atua em cerca de 40 filmes e recebe prêmios da crítica. Entre seus principais trabalhos destacam-se Terra Violenta, direção de Alberto Cavalcanti, baseado no roteiro de Graça Mello para Terras do Sem Fim, de Jorge Amado, 1948; Sinhá Moça, direção de Tom Payne, filme em que concorreu ao prêmio de melhor atriz no Festival de Veneza em 1951; Assalto ao Trem Pagador, direção de Roberto Farias; Jubiabá, direção de Nelson Pereira dos Santos.

Em 1983, sob a direção de Luiz Carlos Maciel, protagoniza, mais uma vez, Réquiem para uma Negra, de William Faulkner.

O cronista Artur da Távola descreve sua personalidade e seu estilo: "Consegue condensar no tipo físico, maneira de ser em cena, falar, olhar, postar-se, as densidades e dores dos oprimidos. Se na órbita pessoal é tímida, discreta, ser de nenhuma bulha, em cena alardeia megatons de eletricidade, magnetismo e comoção inexplicáveis [...]. O rosto é expressionista e doloroso; consegue, porém, as iluminações da comédia, embora vocacionada para o sofrimento. A voz de Ruth contrasta com o rosto intenso. É de melopéias; é suave, possui timbre de pessoa equilibrada e doçuras de carícia. Voz para palavras de consolação, traz calmas ancestrais, de quem sofreu antes; traduz não o conformismo, porém a compreensão".1

Notas
1. TÁVOLA, Artur da. Ruth de Souza sacerdotisa da dramaturgia, O Globo, Rio de Janeiro, 28 de janeiro de 1986.



Atualizado em 28/05/2010
 
 
Veja nas
Enciclopédias
 
  literatura - nomes
  Cardoso, Lucio (1912 - 1968)