lista alfabética
busca

 
       
 
 
  biografia
cronologia
trabalhos públicados
fontes de pesquisa

    espetáculos

    sugestões

 

 
Enciclopédia Itaú Cultural de Teatro
Conrado, Aldomar (1936)

Biografia
Aldomar D'Almeida Conrado da Costa (Recife PE 1936). Autor, professor e tradutor. Descendente direto de dramaturgos como Hermilo Borba Filho e Ariano Suassuna, sua obra se caracteriza pelo diálogo com os cânones da dramaturgia ocidental, aclimatando-os ao universo telúrico do Nordeste, e pela abordagem de temáticas de cunho existencialista, em que contrapõe o amor e a sexualidade aos dogmas da religião e da sociedade.

Entusiasmado com o ambiente teatral recifense, ainda estudante secundarista, funda com Clênio Wanderley e Luiz Mendonça, entre outros, o Teatro do Estudante Secundário de Pernambuco - TESP, no qual assume a função de secretário-geral. O espetáculo de estreia do TESP é Cana Brava, de Aristóteles Soares, com direção de Clênio Wanderley.

Conrado estuda direito e filosofia entre 1954 e 1958. Em 1954, escreve sua primeira peça, O Livro de Davi, que é premiada num concurso instituído pelo governo do Estado de Pernambuco, em 1957, e publicada no ano seguinte. Nessa peça, o dramaturgo acompanha a vida de Davi por meio de uma estrutura narrativa que torna a ação dramática descontínua. Para o dramaturgo Ariano Suassuna, O Livro de Davi lembra, em alguns momentos, "o sopro juvenil e o ardor que perpassam pela Ester, de Racine. Principalmente nas falas do coro, nas quais o autor consegue momentos de grande beleza, com uma linguagem à altura da dignidade do tema".1

Aproximadamente em 1956, Aldomar Conrado escreve sua segunda peça, A Grade Solene. Integrando a realidade social brasileira, particularmente a nordestina, Conrado transpõe o mito de Édipo Rei para os engenhos de açúcar, evidenciando seu desprezo pela moral social, ao mesmo tempo que a liberdade do amor é poetizada a ponto de não aceitar nenhuma lei, seja ela da sociedade, seja ela dos deuses. A Grade Solene estreia em janeiro de 1959, com direção de José Pimentel, montado pelo Teatro Adolescente do Recife - TAR. Nesse ano, uma nova versão da obra, dirigida por Clênio Wanderley, participa do 2º Festival Nacional de Teatro de Estudantes, em Santos, São Paulo, e ganha o prêmio de melhor peça.

Em avaliação dos espetáculos apresentados, o crítico Sábato Magaldi, integrante do júri do evento, afirma que A Incubadeira, de José Celso Martinez Corrêa, e A Grade Solene são as grandes revelações do festival: "Duas promessas, dois nomes a figurar, talvez, no futuro, entre os poucos dramaturgos de mérito com que contamos".2 Em seguida faz uma análise minuciosa dos aspectos positivos e negativos da peça: "Aldomar Conrado ainda sobrecarrega o texto de inusual fraseado literário, mas, no reconhecimento do amor verdadeiro pelos protagonistas, mostra como um arcabouço mítico pode se justapor à audácia intelectual moderna. Liberto da formação literária e mais fiel à experiência pessoal, Aldomar Conrado poderá escrever outras peças de qualidade".3

Paralelamente aos estudos de filosofia e direito e às atividades teatrais, Aldomar Conrado se engaja na militância estudantil como membro da União da Juventude Comunista. Em 1958, escreve o Auto de João Evangelista. Um ano depois, ingressa no Curso de Arte Dramática da Escola de Belas Artes da Universidade do Recife, atual Universidade Federal de Pernambuco - UFPE, e se diploma em dramaturgia, em 1961. Torna-se sócio-fundador do Teatro Popular do Nordeste - TPN, em 1960. Mas, no ano seguinte, quando o TPN passa a receber patrocínio do Governo do Estado, sob administração de centro-direita, Aldomar Conrado é afastado do grupo por divergências ideológicas. Muda-se para o Rio de Janeiro, com o objetivo de viver exclusivamente de teatro.

Escreve Os Peregrinos e A Grande Noite de Olívia, em 1961. A Grande Noite de Olívia é ambientada em uma casa-grande de engenho de Pernambuco, e nela percebe-se o choque de dois universos distintos: o rural e o urbano. O campo como um lugar de opressão e de preservação de tradições que aprisionam e aniquilam o ser humano, enquanto a cidade aparece como um ponto de fuga, exílio, onde a liberdade e a individualidade podem ser exercidas para além dos deveres familiares. A sexualidade e as relações entre pais e filhos são os temas centrais desse drama psicológico de feições trágicas.

De 1961 a 1967, Conrado trabalha intensamente no Rio de Janeiro, a antiga capital federal. Ingressa no Centro Popular de Cultura da UNE - CPC, entra para o Partido Comunista Brasileiro - PCB, e integra o Grupo Decisão, sendo assistente de direção de Antônio Ghigonetto, em O Patinho Torto, de Coelho Neto. Com Érico de Freitas e Thais Moniz Portinho, funda o Grupo 3, que encena, nesse período, O Triciclo, de Fernando Arrabal, direção de Álvaro Guimarães; As Criadas, de Jean Genet, direção de Martim Gonçalves; e A Filosofia da Libertinagem, de Sade, com adaptação do próprio Conrado e direção de Amir Haddad. Volta a trabalhar com Haddad na roteirização do espetáculo Verde que Te Quero Verde, com base na obra de Federico García Lorca, com Maria Fernanda no elenco e na produção do espetáculo. Escreve A Imensa Janela do Mundo, em 1963. Colabora com a Revista Civilização Brasileira e passa a trabalhar como tradutor para a editora da revista, vertendo para o português capítulos do livro Teatro Dialético, de Bertolt Brecht, em 1967; O Teatro de Meyerhold, em 1969; e Em Busca do Teatro Pobre, de Jerzy Grotowski, em 1971.

Por causa da perseguição do governo militar, Aldomar Conrado volta ao Recife, onde fica por quatro meses entre o fim de 1967 e o início de 1968. Nesse período, redige a peça O Apocalipse ou o Capeta de Caruaru, cuja trama é inspirada nas três bruxas de Macbeth e nas duas duplas de gêmeos de A Comédia dos Erros, de Shakespeare, além de aludir à própria situação política e social brasileira. De volta ao Rio de Janeiro, recebe, com esse texto, menção honrosa no concurso de dramaturgia do Serviço Nacional de Teatro - SNT, e o Grupo 3 o encena, em 1968, com direção de Amir Haddad. Em crítica ao espetáculo, Yan Michalski diz: "A vocação teatral de Aldomar Conrado me parece indiscutível, se é que esse tipo de julgamento pode ser feito baseando-se em apenas uma peça. Além da riqueza de imaginação e do caráter eminentemente popular dos seus meios de comunicação, o que agrada sobremaneira em O Capeta de Caruaru é a noção de espetáculo presente por trás de cada ideia: nada de verbosismo inútil - cada trecho do diálogo contém a sugestão de uma expressão visual, dinâmica e comunicativa".4

Conrado substitui Rubem Rocha Filho no Conservatório Nacional de Teatro, atual Uni-Rio, em 1968, como o responsável pela disciplina de literatura dramática, e, ainda no fim dos anos 1960, ingressa nos quadros do então SNT, atual Fundação Nacional de Arte - Funarte, permanecendo nas duas instituições até completar o tempo para as respectivas aposentadorias.

Em 1970, recebe o Prêmio Opinião pela peça A Ponte sobre o Pântano, encenada pelo Grupo Opinião no ano seguinte. O texto apresenta personagens anônimas em um mundo terrível. Maria, P e K encontram-se perdidos em um lugar qualquer, à procura de algo que não sabem o que é. Ao mesmo tempo que buscam se analisar, tentam se destruir num embate sem sentido e sem um fim aparente que parece refletir o próprio estado interior das personagens. Com direção de João das Neves, A Ponte sobre o Pântano é o último espetáculo da atriz Glauce Rocha. Esse texto inicia uma trilogia, denominada "três peças de encontro", composta ainda por Era uma Vez um Domingo Azul e O Voo dos Pássaros Selvagens, encenada em 1975, com direção de Aderbal Freire-Filho. Essa montagem alcança expressiva repercussão na imprensa graças à encenação de Freire-Filho e à cenografia de Martingil Egypto.

Para Yan Michalski, há "algo de tocante na trajetória dos dois pássaros selvagens, os amantes Mário e Maria, em angustiada busca de um amor total que, ao mesmo tempo em que os atrai irresistivelmente, também os amedronta, pelo que significa de envolvimento completo de dois seres, e consequente diluição das suas respectivas individualidades. Esta é uma paixão exaltadamente alegre, mas claramente trágica, que pesa sobre o casal como uma fatalidade, e cujo dilacerante processo conduz, no desfecho, a uma nova e mais harmoniosa visão do mundo, como acontece nas tragédias gregas. Uma paixão de um tipo que não se fabrica mais no teatro: uma paixão-destino, em nome da qual se torna doce, para cada um dos parceiros, abrir mão até mesmo do seu livre-arbítrio".5

Notas
1. SUASSUNA, Ariano. Apreciação sobre O livro de Davi. In: CONRADO, Aldomar. O livro de Davi. Recife: Secretaria de Educação e Cultura de Pernambuco, 1958. p. 9.

2. MAGALDI, Sábato. Espetáculos de Santos. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 8 ago. 1959. Apud: ANDRADE, Rose Mary Souza de. A trajetória do Teatro dos Estudantes Israelitas de Pernambuco (TEIP). 82 f. Monografia (Especialização em Jornalismo Cultural) - Universidade Católica de Pernambuco, Recife, 2008.

3. Idem.

4. MICHALSKI, Yan. O risonho apocalipse de Caruaru. In: ______. Reflexões sobre o teatro brasileiro no século XX. Fernando Peixoto (Org.). Rio de Janeiro: Funarte, 2004. p. 118.

5. ___________. Pássaros passionais. In: ______. Reflexões sobre o teatro brasileiro no século XX. Fernando Peixoto (Org.). Rio de Janeiro: Funarte, 2004. p. 222.



Atualizado em 16/11/2009
 
 
Veja nas
Enciclopédias
 
  literatura - nomes
  Suassuna, Ariano (1927 - 2014)