lista alfabética
busca

 
       
 
 
  histórico
  ficha técnica
  fontes de pesquisa

    sugestões

 

 
Enciclopédia Itaú Cultural de Teatro
Viúva, porém Honesta
14/ 7/ 1983 - Rio de Janeiro/RJ
Teatro 1 do Sesc Tijuca

Montagem de Eduardo Tolentino de Araújo para o Grupo TAPA, espetáculo que marca a incursão do grupo no profissionalismo, segundo seu diretor.

Fiel a seu espírito de respeito ao texto e aprendizado para enfrentar grandes desafios, a encenação do TAPA desta "farsa irresponsável", revela-se uma das montagens mais representativas, considerada uma das menos bem sucedidas de Nelson Rodrigues.

A trama coloca em cena uma jovem viúva, filha de um rico proprietário de jornal, acometida por súbita e desconhecida doença: ela não pode sentar-se. O pai, para contornar o problema, recorre a um psiquiatra e a uma cortesã, com o intuito de resolver a situação. Diabo da Fonseca, encarnação do demo, intervém e sugere um casamento às pressas para salvar a pobre viuvinha, expediente concretizado com um noivo encontrado na própria redação: o crítico teatral.

A cenografia despojada de Ricardo Ferreira centraliza os diversos ambientes requeridos pela trama. Os sintéticos e criativos figurinos de Lola Tolentino situam com argúcia as personagens e o diretor extrai de seus intérpretes alta carga de irreverência, inventividade e ritmo para narrar essa fábula simples mas sarcástica, nascida da indignação do dramaturgo para com a crítica de sua época.

Os destaques ficam por conta de Clarisse Derzié, como a viúva, Ernani Moraes, como o Dr. JB, e Cláudio Gaya, como Diabo da Fonseca, à frente de um conjunto coeso, brilhante e muito afinado.

Na remontagem paulista, escreve o crítico Edelcio Mostaço: "Utilizando poucas cores e uma feliz cenografia de Ricardo Ferreira, a encenação de Eduardo Tolentino de Araújo explora a agilidade típica da farsa e a leveza própria ao tema. Efeitos expressionistas a nível da narração e recursos de linguagem do cinema ajudam o espetáculo a fluir. Clarisse Derzié interpreta Ivonete, a viúva, com energia. Denise Weinberg compõe uma tia com apropriados requintes de perversão; Celso Lemos um grotesco Dr. Lambreta e Ernani Moraes um superlativo Dr. JB, alcançando todo o elenco um homogêneo jogo de cena. Os figurinos de Lola Tolentino, centrados no branco, preto e vermelho, ajudam a compor a atmosfera de baile carnavalesco do Mengo com que a encenação chega ao fim, paródia bem lograda deste modo de ser brasileiro cuja civilidade depende ainda do poder econômico".1

Notas

1. MOSTAÇO, Edelcio. Um espetáculo onde o autor optou pelo riso. Folha de S.Paulo, São Paulo, p. 36, 10 jun. 1987.



Atualizado em 04/10/2005