A exposição Fotonovela: Sociedade/Classes/Fotografia esteve em cartaz de outubro a dezembro no Itaú Cultural e durante o período da mostra aconteceram visitas educativas nas quais, por meio de propostas lúdicas, lançamos questionamentos que tratavam de temas como o ato fotográfico, a criação de histórias e a construção de fotos.

Em uma das propostas de busca orientada, os visitantes eram subdivididos em grupos de quatro pessoas. Cada um deles deveria escolher uma foto e, a partir dela, escrever histórias baseadas na imagem ou na série selecionada, observando com atenção os detalhes que evidenciavam o que podia ter acontecido.

O próximo passo consistia na troca de histórias para que as fotos fossem encontradas por um grupo a partir da narrativa contada pelo outro. Depois de encontrada a suposta foto, cada história era lida para todo o grupo ‒ momento de desvendar a imagem correspondente e conversar sobre as noções de ser e parecer. Nessa ocasião surgiam também informações sobre o artista, o contexto das imagens ou os possíveis fatos relacionados a ela.

Outra atividade que discutia o ser e parecer foi chamada de “edita cena”. Para a realização da proposta, os visitantes foram divididos em dois grupos: cada um deles deveria escolher um tema, ou uma ação, e em seguida se posicionar no espaço, como se o outro grupo estivesse vendo uma foto. O recorte e o ângulo de vista eram sugeridos e esse grupo que observava a foto teria de reconhecer o tema escolhido. Após os palpites, a resposta era dada, mas o grupo que observava e tinha de reconhecer a cena teria a possibilidade de editar aquela foto deixando mais evidentes os detalhes daquilo que originalmente gostaria que fosse percebido.

Este foi um breve recorte de propostas para conversar sobre fotografia.

Você participou de alguma visita educativa na exposição Fotonovela: Sociedade/Classes/Fotografia? Conte-nos o que achou.