0 texto

O que significa vivermos juntos hoje? O mesmo hoje que presenciou o desabamento de uma ocupação habitacional no centro paulistano. O mesmo hoje que vê o individualismo se fortalecer, postura, por vezes, segregacionista, concretizada em grandes condomínios, prisões, shoppings. O mesmo hoje que parece ter perdido o caráter de convivência coletiva no âmbito urbano. Para debater a questão, Raquel Rolnik, arquiteta, urbanista e professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU / USP), e Gabriel Mascaro, cineasta e artista visual, encontram-se no dia 24 de maio, às 20h, no Itaú Cultural. A mediação da conversa, como em outras edições do projeto, continua a cargo da jornalista Nathalia Garcia.

Tanto a docente quanto o profissional do vídeo trabalham, há muito, com a pergunta que suscita a discussão. Ela envolve-se com políticas de moradias e se preocupa com a construção de cidades acolhedoras, as quais devem se voltar para as necessidades de seus habitantes.

O diretor do filme Boi Neon (2015), por seu turno, já produziu documentários que investigam universos, lugares, modos de ser em uma metrópole brasileira: Doméstica (2012) traz o olhar das protagonistas, as formas como o entorno é compreendido (do patrão à rua própria); Um Lugar ao Sol (2009), diferentemente, apresenta donos de coberturas em prédios do Recife, do Rio de Janeiro e de São Paulo, indivíduos privilegiados na engrenagem citadina.

O analisar a cidade é, portanto, matéria comum de ambos – bem como recortes de classe, ferramenta que possibilita expor contradições e efeitos das desigualdades de âmbitos urbanos.

Assista ao Brechas Urbanas de março:

Brechas Urbanas – O que Significa Vivermos Juntos Hoje? 
quinta 24 de maio de 2018
às 20h
[duração aproximada: 120 minutos]
Sala Itaú Cultural – 224 lugares

Entrada gratuita

distribuição de ingressos
público preferencial: duas horas antes do espetáculo | com direito a um acompanhante – ingressos liberados apenas na presença do preferencial e do acompanhante
público não preferencial: uma hora antes do espetáculo | um ingresso por pessoa

Clique aqui para saber mais sobre a distribuição de ingressos.

Veja também