A atriz, dramaturga e diretora de teatro Grace Passô é a convidada do Camarim em Cena do dia 21 de junho, às 16h. A conversa com o público, centrada em formação e processos criativos, também serve de convite para as três apresentações de Vaga Carne, peça que a artista traz ao instituto nos dias 22, 23 e 24 de junho. O evento é mediado pela crítica de artes cênicas Beth Néspoli e ocorre no Itaú Cultural, em São Paulo.

>> Veja também:

Camarim em Cena com Cleide Queiroz

Grace Passô tem obras no teatro e no cinema. Nos palcos, dirigiu Contrações, do Grupo 3 de Teatro, Os Bem Intencionados, do Lume Teatro, e Amores Surdos, Congresso Internacional do Medo e Por Elise, com o grupo Espanca!. Como dramaturga, escreveu o texto dos dois últimos espetáculos citados e de Marcha para Zenturo, com o grupo XIX de Teatro. Vaga Carne também é escrita e dirigida por ela.

No campo da sétima arte, atuou nos filmes Elon Não Acredita na Morte, de Ricardo Alves Júnior, Praça Paris, de Lúcia Murat, No Coração do Mundo, de Gabriel Martins e Maurílio Martins, e Temporada, de André de Novais Oliveira.

Passô foi destacada com o Prêmio Shell, com o Grande Prêmio da Crítica da Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA), com o Prêmio Questão de Crítica, com o Prêmio APTR, da Associação de Produtores de Teatro, com o Prêmio Cesgranrio de Teatro e com a Medalha da Inconfidência, honraria concedida pelo governo de Minas Gerais.

Camarim em Cena com Grace Passô [com interpretação em Libras]
com mediação de Beth Néspoli
quinta 21 de junho
às 16h

Sala Multiúso (piso 2) – 40 lugares
[duração aproximada: 90 minutos]

distribuição de ingressos
público preferencial:
 uma hora antes do evento, com direito a um acompanhante – ingressos liberados apenas na presença do preferencial e do acompanhante | público não preferencial: uma hora antes do evento, um ingresso por pessoa

Veja também
Highlight large cia dos comuns candaces 01 foto ier c3 8a ferreira

A cena negra em foco

O chamado teatro negro brasileiro nasceu da conscientização de que a ausência de negros e negras nos palcos não era uma questão individual, pessoal, de incapacidade, mas estrutural e coletiva. Para problemas coletivos, soluções coletivas