Samara Ferreira e Carlos Costa respondem as dúvidas do público

 

Nova Olinda é uma cidade do sertão cearense com cerca de 13 mil habitantes e localizada na região do Cariri. Na última sexta-feira (11) esse foi o destino da Caminhada Rumos. Carlos Costa, coordenador de Comunicação do Itaú Cultural, e Samara Ferreira, coordenadora do Núcleo de Educação e Relacionamento do instituto, apresentaram as novidades do novo programa Rumos e responderam as dúvidas do público presente no teatro da Fundação Casa Grande.

Entre as questões feitas por cerca de 30 pessoas, chamou atenção uma relacionada ao cambuí, produto local. A fruta, semelhante a uma jabuticaba, é cultivada na região e a partir dela podem ser elaborados diversos produtos, como geleias e vinhos. Um dos participantes questionou se seu projeto poderia ter como foco principal a produção do fruto. Samara Ferreira foi enfática ao responder que não existe problema algum, mas o objetivo não deve ser comercial e sim cultural. Como é possível revitalizar a cultura relacionada ao cambuí? As histórias relacionadas a ele e a herança de como deve ser produzido? Esses por exemplo seriam pontos importantes a ser explorados no projeto.

A seguir você confere mais algumas perguntas que surgiram durante o encontro em Nova Olinda e que podem ajudar você a esclarecer questões sobre seu projeto.


Perguntas

P: Sou músico e representante de uma instituição. Posso me inscrever duas vezes?
R: Você pode se inscrever uma vez com um CNPJ e uma vez com um CPF. Desse modo, você pode fazer esse cadastro duas vezes, como músico e como produtor.

P: Se quero fazer uma residência, é necessário anexar ao projeto uma carta-convite da instituição que irá me receber?
R: Não. A carta-convite não é necessária, mas a possibilidade ou não de fazer o curso em determinada instituição faz parte da viabilidade técnica da proposta. A instituição recebe estrangeiros? Quantas vagas estão disponíveis? Existe um processo seletivo? Essas são as questões a que seu projeto deve responder.

P: O projeto pode ser a reforma de um espaço? Um teatro, por exemplo?
R: Sim. A proposta deve ser analisada, mas a princípio não há empecilhos.