0 texto

A banda Cidadão Instigado – formada por Fernando Catatau (voz e guitarra), Regis Damasceno (baixo, guitarra e voz), Clayton Martin (bateria e sampler), Dustan Gallas (teclados, guitarra e voz), Rian Batista (violão, baixo, teclado e voz) e Yuri Kalil (efeitos e P.A.) – sobe ao palco, acompanhada por William Sprocati Tocalino (trombone e percussão), para apresentar o espetáculo Cidadão Instigado 20 Anos.

Dirigido por Felipe Hirsch, o show é parte da turnê comemorativa de duas décadas de carreira do grupo e faz um apanhado de sua trajetória, que será contada, em ordem cronológica, não apenas pelas canções que compõem o repertório – formado por músicas do EP e dos quatro álbuns lançados –, mas também por meio de projeções que contextualizam a história do Cidadão Instigado ao longo destes 20 anos.

“O critério para a escolha do repertório foi selecionar aquelas músicas que, de alguma forma, falam da trajetória da banda, permeando a história do Fernando Catatau, que saiu do Ceará para vir para São Paulo [em 1994], das impressões dele sobre a vida longe de sua terra natal e das situações que deram início ao Cidadão Instigado como grupo”, explica Clayton Martin. “E, é claro, incluir canções que as pessoas pedem e querem ouvir.”

A banda cearense, que nasceu das reuniões em uma garagem na Varjota (bairro de Fortaleza) ao redor das canções de Catatau, está lançando ainda toda a sua discografia – Cidadão Instigado EP (2000), O Ciclo da Dê.Cadência (2002), Cidadão Instigado e o Método Tufo de Experiências (2005), Uhuuu! (2009) e Fortaleza (2015) – em formato vinil.

“Trata-se de uma parceria com o selo EAEO, do João Noronha, um cara que aposta na música independente e faz acontecer essas coisas maravilhosas”, conta o baterista. “Dois dos álbuns [O Ciclo da Dê.Cadência e Fortaleza] são duplos e coloridos. No box, junto com os discos, vêm ainda souvenirs da banda, pôsteres, um pen drive com todos os discos em alta definição e uma fita cassete com o nosso primeiro EP”, diz. “Lançar os discos em vinil era um sonho do grupo”, acrescenta Regis Damasceno. “Gostamos de ouvir o som que sai do contato da agulha com o vinil.”

A respeito das mudanças pelas quais o cenário musical brasileiro passou ao longo destes 20 anos, o baixista e o baterista dizem que muitas coisas boas surgiram nesse período, musicalmente falando. “É um bom recorte histórico. Muitas bandas e artistas apareceram. Alguns sumiram, outros ficaram”, fala Regis. “Ainda existe o mesmo ‘mainstream velho’ e sem substância de sempre, mas tem muitos artistas novos fazendo coisas realmente boas”, acrescenta Clayton. “E ainda tem muita coisa para ser descoberta. Tentamos sempre manter o ‘radar ligado’ ”, complementa Regis.

Sobre o que a banda pretende fazer nos próximos 20 anos, os músicos consideram que é difícil afirmar, apesar de terem uma certeza. “Esperamos ser amigos nos próximos 20 anos e fazer mais discos e shows”, diz Regis Damasceno. “O Cidadão Instigado conseguiu permanecer esse tempo todo porque, para nós, é divertido tocar entre amigos, fazer música, participar de shows, gravar discos”, diz. “O que nos conduz é, de fato, a nossa amizade. Cada vez mais forte.”

Cidadão Instigado 20 Anos
domingo 12 de novembro de 2017
às 19h
[duração aproximada: 90 minutos]

ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia-entrada)

[livre para todos os públicos]

Os ingressos podem ser adquiridos pelo site Ingresso Rápido, em seus pontos de venda e pelo telefone 11 4003 1212. Também estão à venda na bilheteria do Auditório Ibirapuera, nos seguintes horários:
sexta e sábado das 13h às 22h
domingo das 13h às 20h

Veja também