José Teixeira Coelho, professor emérito da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP), recebe dois convidados e propõe um debate sobre as culturas computacionais ou digitais:

Marcos Cuzziol, pesquisador e programador de games, gerente do Inovação|Observatório do Itaú Cultural, resgata a história do matemático inglês Alan Turing e da sua máquina computadora universal, na década de 1930. Ele aborda como alguns softwares já são capazes de interpretar textos e apresentar soluções e afirma que a cultura e os bens culturais estão amplamente absorvidos pela cultura computacional, embora as ferramentas ainda não estejam de acordo com os conceitos existentes.

Marcus Bastos, professor convidado da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e da ECA/USP, questiona o antropocentrismo, sugere um futuro no qual pode existir apenas máquinas ou ciborgues. Observa o impacto da cultura digital na democratização e difusão da arte e cultura e fala sobre a necessidade de rediscutir o conceito de autoria e originalidade.

A conversa trata da necessidade de gestões e políticas culturais para apoiar tecnologias relacionadas à educação e às artes para evitar, por exemplo, que os games sejam pensados apenas para a indústria do entretenimento, convergindo forças institucionais e sociais.

Gravado em outubro de 2016 no Auditório do Ibirapuera, São Paulo/SP, durante a oitava edição do Curso de Especialização em Gestão e Políticas Culturais, realizado pelo Itaú Cultural em parceria com a Universidade de Girona.

Presidente: Milú Villela
Diretor-superintendente: Eduardo Saron
Superintendente administrativo: Sérgio Miyazaki
Núcleo de Inovação|Observatório
Gerente: Marcos Cuzziol
Coordenadora do Observatório: Luciana Modé
Núcleo de Audiovisual e Literatura
Gerente: Claudiney Ferreira
Coordenadora de conteúdo audiovisual: Kety Fernandes Nassar
Produção audiovisual: Camila Fink
Captação e edição: Queima Filmes