por Nayra Lays

Quem atravessa busca algo.

Na infância, seguramos em mãos adultas para cruzar ruas e avenidas que pareciam ter muitos perigos. Desconhecidas. Movimentadas demais. Gigantes. Depois, aprendemos a atravessar sozinhxs, e o que nos dava medo se tornou um hábito.

Se engana quem acredita que só o novo, o não descoberto, merece cuidado. O que já existe é tão parte do caminho quanto o que está para chegar, e até alguns hábitos exigem cautela. É por isso que continuamos olhando o farol antes de atravessar a rua.

Quando falamos sobre vida, travessias se tornam ainda mais desafiadoras. Vida me lembra o mar, imenso, com seu movimento e ginga próprios. Quem ousa se aprofundar precisa lidar com o pouco controle sobre o que acontece. Ter humildade. Nem mesmo o mais experiente mergulhador pode anular o fato de ainda saber pouco sobre o mar. Por isso, na vida, travessias também envolvem os encontros com quem escolhemos nos aprofundar lado a lado.

Foi pensando em alguns desses encontros que transformaram meu caminho que pari a coluna Travessias. Durante o ano, partilharei – através de textos, fotos e vídeos – conversas com pessoas que me fazem enxergar beleza, não só perigo, no desejo de ir mais fundo, ver os corais e o que sobra dos naufrágios. A cada mês, seguraremos na mão de alguém que inspira outros olhares sobre o vai e vem da vida e mergulharemos em histórias, falas, amores, vivências e, claro, monstros. Neste ano de correntezas e ondas fortes, não nos manteremos ilhados pela falsa sensação de segurança.

Mergulharemos. Nos manteremos protegidxs por saber o que buscamos ao juntar coragem para atravessar, e seguiremos. Continuaremos a nadar, sim, como incentiva a personagem Dori, de Procurando Nemo. Mas em hipótese alguma nos esqueceremos do percurso já feito.

Boa viagem.

Veja também

Agradecer por ter nascido pobre

Cada um tem sua experiência, sua vivência, seu sentido. Eu, no meio desta guerra em que vivemos, encontrei minha tática bélica na súplica: “Obrigado, vida, por eu ter nascido pobre”