Por Cassiano Viana

Em um período histórico delicado como o que o Brasil vive hoje, não poderia ser mais oportuna a realização do workshop Arquivo e Memória, que será ministrado pelos fotógrafos João Pina e Felipe Nepomuceno durante o IV Fórum Latino-Americano de Fotografia de São Paulo. "A proposta é fazer um mergulho em um arquivo brasileiro que precisa ser tocado: os registros fotográficos das violações dos direitos humanos e das liberdades políticas e de expressão", explica Pina.

Santiago, Chile, 2008:  entrada de ex-centro de detenção clandestino no centro da capital chilenaAvião usado pelas forças armadas da Argentina para jogar militantes de esquerda ainda vivos no rio La Plata e Oceano Atlântico durante a ditadura militar é agora usado como um objeto de publicidade para uma loja de materiais de construção na periferia de Buenos AiresBuenos Aires, Argentina, novembro de 2007: sala de tortura conhecida como Olimpo, usada para interrogatórios durante a ditadura militar naquele país

"É fundamental que se aborde de forma séria outros momentos históricos do Brasil, para que possamos refletir e tirar algumas conclusões sobre períodos com tensões idênticas e nos quais claramente houve um enorme retrocesso do país em todos os seus campos, liberdades e garantias", lembra o fotógrafo português.

Pina é autor de Condor, livro-tributo à memória das vítimas da Operação Condor – plano militar secreto, instituído em 1975 por seis países latino-americanos governados por ditaduras militares de extrema direita, para eliminar a oposição política. A operação resultou na morte de cerca de 60 mil pessoas. Durante aproximadamente uma década, o fotógrafo viajou de forma extensiva pela Argentina, pelo Brasil, pela Bolívia, pelo Chile, pelo Paraguai e pelo Uruguai para documentar o que restou dessa época.

"De forma cronológica, o recorte do workshop estará entre as décadas de 1960, 1970 e 1980. Mas o nosso foco terá mais a ver com episódios específicos que fomos encontrando nos arquivos", explica Pina. "Achamos que são histórias que merecem ser trabalhadas do ponto de vista histórico e visual, e por isso queremos nos concentrar nisso."

Fotografia como evidência visual

Outro workshop que promete ser bastante concorrido é Experiência Broomberg e Chanarin, com Adam Broomberg e Oliver Chanarin, artistas radicados no Reino Unido. A ideia é explorar a noção de evidência visual e de que maneira a fotografia pode ser usada como poderosa ferramenta legal, utilizando como objeto de estudo um acontecimento recente. Na atividade, os participantes serão desafiados a encontrar novos meios de criar imagens e a trabalhar de forma colaborativa.

Vencedores dos prêmios Deutsche Börse em 2013 e Infinity Awards – do The International Center of Photography (ICP) – em 2014, Broomberg e Chanarin são autores dos fotolivros The Holy Bible e Chicago. Seus trabalhos podem ser encontrados nas principais coleções e galerias mundiais de arte, incluindo Tate, em Londres (Inglaterra), The Museum of Modern Art – MoMA, em Nova York (Estados Unidos), e Musée de l'Élysée, em Lausanne (Suíça).

Os workshops Arquivo e Memória e Experiência Broomberg e Chanarin acontecem durante o IV Fórum Latino-Americano de Fotografia de São Paulo, entre os dias 16 e 19 de junho, na Sala Vermelha (piso 3) e no piso -2 do Itaú Cultural. As inscrições estão abertas até o dia 3 de abril, pelo site www.itaucultural.org.br/forumfoto2016.

 

Workshops Arquivo e Memória e Experiência Broomberg e Chanarin – IV Fórum Latino-Americano de Fotografia de São Paulo
quinta 16 a domingo 19 de junho de 2016
9h30 às 12h30 e 14h às 17h (16 a 18 de junho) | 10h às 13h (19 de junho)
Sala Vermelha (piso 3) e piso -2

Entrada gratuita – inscrições pelo site www.itaucultural.org.br/forumfoto2016, até o dia 3 de abril