960x80_falacomarte

“Colhemos os frutos deixados pelo Teatro Experimental do Negro”, diz Coletivo Negro

26 de dezembro de 2016

por Duanne Ribeiro

O legado de Abdias Nascimento é forte e ecoa. Para muitos, ele é visto como a personificação da luta antirracista no século XX no Brasil. A seguir, entenda como grupos que pensam questões raciais nos dias de hoje reverberam as principais ideias de Abdias sobre essa luta constante. Nesta entrevista, fala Jé Oliveira, fundador do Coletivo Negro.

Veja também:

>> Até 15 de janeiro: Ocupação Abdias Nascimento

Cena de ‘Farinha com Açúcar ou Sobre a Sustança de Meninos e Homens’, com o Coletivo Negro | imagem: Ivson Miranda

Como você vê a luta atual contra o racismo e pela afirmação da identidade negra? O que tem mudado, o que ainda precisa mudar?

A luta está avançando aos poucos. Precisamos fazer a lei ser cumprida. Racismo é crime, e isso ainda precisa ser efetivado. É de se estranhar que em um país racista como nosso não haja casos de prisões por racismo, o que demonstra certo entendimento permissivo e despreocupado por parte das autoridades do país.

Hoje temos um pouco mais de representatividade em áreas que contribuem para a formação de um novo imaginário, o nosso teatro está forte, a presença de negros e de questões negras nesses ambientes vem trazendo novas possibilidades de pluralização e invenção de mundos. Há 15 anos, isso não existia na cidade de São Paulo. Não temos público, temos irmãos e irmãs que compartilham proposições, dores, saberes e sonhos. Mas, de toda forma, ainda precisamos ocupar alguns lugares que nos são caros: lugares onde acontecem as tomadas de decisões.

Como as atividades do Coletivo Negro se encaixam nessa luta? O que vocês conseguiram transformar com seu trabalho?

 As obras do Coletivo Negro atuam na instância do simbólico, na intenção de transbordar para o concreto. Nossa presença nos palcos da cidade contribui efetivamente para a democratização das possibilidades de representação e destitui um pouco o monopólio sobre a subjetividade e as representações teatrais. Isso é mudança efetiva feita com muito empenho coletivo por grupos como: Os Crespos, Capulanas Cia. de Arte Negra, Bando de Teatro Olodum, Grupo Quizumba, Caixa Preta, etc. Fazemos parte disso e estamos todos aliançados com esse avanço.

Como lutar contra o racismo, seja na cultura, seja na política, seja no cotidiano? O que cada um de nós pode fazer?

Lutar contra o racismo é algo cotidiano, é se impor na rua, não tolerar algumas ações, não achar natural ser seguido no mercado, por exemplo. É lutarmos pela efetivação da Lei nº 10.639/03, que versa sobre a obrigatoriedade do ensino de questões sobre a história e a cultura afro-brasileira. É efetivarmos e ampliarmos o direito a cotas. Existem muitos modos, desde os mais amplos e coletivos até os mais ligados às subjetividades. O racismo devastou todos os campos da nossa vida social e afetiva, então, descolonizar o olhar sobre si mesmo, sobre as suas características físicas, por exemplo, é combater o racismo assim que se olha no espelho, antes de se olhar no e pelo olho de alguém. É tudo muito complexo e profundo.

Como veem o legado de Abdias Nascimento? Conhecem seu trabalho, ele os influenciou de alguma maneira, traz algo que lhes interessa?

Sim, o Abdias foi e é importante para nós. Por meio do Teatro Experimental do Negro foi possível começar a pensar sobre a necessidade de se arquitetar um discurso em primeira pessoa, que nos tirasse da condição de objeto e da superficialidade com que o negro era representado em cena até a primeira metade do século XX. Estamos todos colhendo os frutos dessas pegadas deixadas por eles. As nossas preocupações iniciais ainda são muito próximas às do TEN.

Comentários