960x80_falacomarte

“É um grande tema este, o da morte escolhida” – primeiro romance de Micheliny Verunschk tem como tema o suicídio

9 de dezembro de 2015

Por Amanda Rigamonti

Micheliny Verunschk, poeta pernambucana, marcou sua estreia no gênero romance com Nossa Teresa –Vida e Morte de uma Santa Suicida. A obra, que gira em torno de temas como suicídio, herança familiar e crenças populares, rendeu à escritora o Prêmio São Paulo de Literatura 2015 na categoria Autor Estreante com Mais de 40 Anos.

Conhecida por Geografia Íntima do Deserto, com o qual concorreu ao Prêmio Portugal Telecom em 2004, Micheliny tem trabalhos publicados em diferentes países, como França, Portugal, Espanha, Canadá e Estados Unidos. A escritora foi também colaboradora do Itaú Cultural de 2004 a 2007 e ainda hoje produz textos para o instituto.

Em conversa com o Fala com Arte, Micheliny conta um pouco de seu novo trabalho, da experiência de ser escritora mulher acima dos 40 anos e do Prêmio São Paulo de Literatura.

Micheliny Verunschk

Você pode falar um pouco sobre Nossa Teresa – Vida e Morte de uma Santa Suicida e sobre o Prêmio São Paulo de Literatura?

Escrevi Nossa Teresa pensando em alguns suicídios próximos – de amigos, de conhecidos. Para além do tabu. É um grande tema este, o da morte escolhida. A ideia central surgiu quando uma amiga me contou que a tia dela, suicida, havia sido enterrada vestida de santa. Pensei nessa imagem como forte o suficiente para contar uma história. Ao escolher um velho como narrador, imaginei aquele pessimismo do Saramago e a arrogância de Dom Casmurro narrando Capitu. Então brinco que, arrogantemente, quis compor esse narrador como alguém que em certa medida se acha maior que Deus ou o próprio Deus.

Não esperava ganhar o Prêmio São Paulo, embora por estar entre os finalistas houvesse uma chance em sete. Não esperava porque não costumo criar expectativa em torno de premiações – tenho um trabalho de anos como poeta e sei como é árduo o caminho do tal “reconhecimento”. E o que é reconhecimento? Estar nas páginas de cultura e receber prêmios? Também, mas não apenas. Nem isso é o mais importante. Reconhecimento é ser lido, e isso eu acredito que sou – tanto no meu trabalho poético como no recém-inaugurado trabalho em prosa. Nossa Teresa teve e tem um retorno de resenhas e de leitores muito bacana.

Você sente dificuldade na área por causa da sua idade?

Acho que a idade não é um fator de dificuldade nessa senda. Em 2004, quando meu primeiro livro de poesia foi finalista do Portugal Telecom junto com nomes como Manoel de Barros e [Décio] Pignatari, senti-me bastante honrada e vitoriosa por ser tão jovem e estar entre monstros sagrados. Acredito que é mais difícil ser jovem em literatura, porque, ao que parece, você está o tempo todo sendo posto à prova. No fim tudo é uma grande bobagem, [Arthur] Rimbaud que o diga.

E quanto a ser mulher? No Portugal Telecom, você foi a única mulher finalista. Isso pesou de alguma maneira?

Sim, sempre pesa. As mulheres sempre foram preteridas em mesas, premiações e outros eventos. Ter uma única mulher numa mesa, numa programação de literatura ou numa premiação é uma exceção ruim a meu ver. Deve ser motivo de reflexão. Mas, veja bem, não estou pedindo “cotas”. Quero mais mulheres nesses cenários como reconhecimento de um bom trabalho, e não por serem mulheres apenas.

Você foi colaboradora do Itaú Cultural. Pode falar um pouco do seu trabalho no instituto?

Fui funcionária da casa de 2004 a 2007. O Itaú Cultural é um lugar pelo qual tenho grande carinho, que me acolheu quando cheguei a São Paulo e com o qual mantenho importantes vínculos de afeto e mesmo de trabalho. Ali trabalhei com o A(u)tores em Cena, o Encontros de Interrogação e outras ações.

Veja alguns dos trabalhos de Micheliny no instituto:

 

 

 

A escritora contribuiu ainda com textos para o site da Ocupação Elomar.

 

Comentários


veja também

Vídeo

80 anos de Ignácio de Loyola Brandão – AuTORES EM CENA (2016)

Em uma versão compacta do show Solidão no Fundo da Agulha, a cantora Rita Gullo sobe ao palco ao lado [+]

Vídeo

Daniel Tubau – Encontros de Cinema (2015)

O escritor e professor de roteiro Daniel Tubau fala sobre suas primeiras experiências com o texto e o cinema. Uma [+]

Visita

Educação, Cultura e Arte / Literatura / Cultura / Formação / Libras

6/5 a 18/6

Ocupação Conceição Evaristo – Visitas com educador