testeiras_blog-rumos_960x80

Rumos 2013-2014: Cineasta se Questiona sobre como É o Lugar em que Queremos Viver

1 de setembro de 2014

obra: Caleidoscópio
selecionado: Natanael Portela de Souza

“Aqui é uma serra linda, verde, exuberante. Quando estamos em algum mirante, vemos que somos um oásis no meio do vasto sertão cearense.” É assim que Natanael Portela de Souza, 37 anos, descreve a cidade em que nasceu, cresceu, mora e que escolheu como cenário e, mais que isso, como personagem de seu próximo trabalho, o curta-metragem Caleidoscópio.

Tianguá é um pequeno munícipio de 70 mil habitantes localizado na Chapada Ibiapaba, norte do Ceará, distante apenas 40 minutos do sertão nordestino. Ao observar as mudanças que vêm acontecendo no local na última década, em razão de um processo de urbanização descontrolado, Natal, como é mais conhecido, sentiu necessidade de pensar e discutir o tema. “Considero esse filme como um gesto, um convite à reflexão sobre o lugar que queremos e que estamos inventando para viver”, explica.

Embora fale de uma cidade específica, o filme tem uma temática maior. Caleidoscópio quer abordar também o sentido metafórico de lugar, como sendo a família e o lar. E faz isso ao mostrar uma família não convencional, formada por um menino, seu pai e o companheiro dele.

A história começa quando Diego, de 12 anos, sai de casa, numa comunidade rural do sertão, com o objetivo de comprar material na cidade [Tianguá] para confeccionar um caleidoscópio. Ele aproveita a viagem para entregar uma carta ao companheiro de seu pai, na tentativa de convencê-lo a voltar para casa. “No percurso, o filme reflete, sutilmente, sobre como a paisagem e suas transformações se relacionam com os personagens e seus conflitos: por que estar? Por que ficar? Por que partir?”, indaga.

Natal frisa que Caleidoscópio não tem tom panfletário. É tudo tratado de forma sutil. “É apenas nosso desejo de liberdade metaforizado na intensidade com que o menino Diego vive sua infância, inventando seus próprios brinquedos, brincando livremente nos terreiros, campos e ruas de chão, entre árvores, barragens e lagos”, pontua.

Trajetória

Ao personagem Diego, Natal empresta um talento que lapida desde a infância: desenhar imagens que, quando folheadas em sequência, dão a impressão de movimento. “Quando era criança, fazia pequenas animações [flip books] em todos os meus livros”, revela.

Natal também já gostava de música e artes visuais. Na adolescência, trabalhou em uma videolocadora e passou a se interessar pela sétima arte. Mas se Tianguá é a cidade de natureza exuberante como descrita acima, é também um lugar em que não há acesso à formação na área de cinema. “Aqui, a gente aprende fazendo”, salienta.

Depois de fazer um curso técnico em audiovisual na vizinha Sobral, Natal desenvolveu, em 2006, um projeto em uma escola de Tianguá que resultou no curta Marróia. “Uma comédia ingênua, à la Mazzaropi”, acrescenta.

No ano seguinte, ao lado de outros artistas, conseguiu aprovar o projeto Garatuja em Movimento como Ponto de Cultura, programa do governo federal que incentiva ações culturais. “O projeto viabilizou o aprendizado e a possibilidade de produzir com baixo orçamento. As oficinas resultaram em um curta bem bonito chamado Deixa o Menino Gingar, que fala sobre infância e trabalho”, conta. Em 2011, Natal dirigiu o curta Fca Carla, que fala sobre uma santa popular bastante cultuada na região.

Nos últimos dois anos, porém, por questões burocráticas, o Garatuja está parado. Neste meio-tempo, Natal tem desenvolvido projetos com os amigos, como os curtas de animação As Aventuras de Chaga da Onça e O Voo Nupcial, ambos do diretor George Alex, e que destacam personagens ou costumes típicos da região.

Viver de cinema é ainda não é uma realidade em Tianguá. Natal também trabalha como designer gráfico freelancer para poder sobreviver. Ao ser questionado sobre a possibilidade de se mudar, ele deixa transparecer que as dúvidas mostradas em Caleidoscópio também são as suas. “Sinceramente, numa me senti tão deslocado e estranho aqui nessa cidade como de uns tempos pra cá. Eu me sinto meio que um estranho na própria casa, sabe? Tenho, sim, um desejo, ainda que tardio, de sair um pouco daqui, dar uma sacudida, ver e viver outras paisagens e experiências […] Acho que ainda não levei essa ideia a sério mesmo, porque tenho ‘esticado’ meus vínculos com esse lugar, trabalhos e histórias que não encerrei, sabe?”, reflete.

Comentários