Na primeira quinzena de dezembro, a Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) anunciou as suas definições das melhores realizações de 2017 em arte no Brasil. Confira abaixo o conteúdo que produzimos sobre alguns dos ganhadores desse ano:

Espetáculo /Não Estreia: Kuarup ou A Questão do Índio, do Ballet Stagium

A companhia de dança Ballet Stagium foi o foco da Ocupação Itaú Cultural em 2011. Em 2017, levaram ao palco uma de suas grandes coreografias, que completava 40 anos: Kuarup. Convidamos o cineasta Carlos Papá para acompanhar um ensaio da peça.

Artista do ano: Rincon Sapiência

O rapper se apresentou no Auditório Ibirapuera em novembro. Veja trechos do show:

Prêmio Especial: Teatro de Contêiner Mungunzá

O Observatório Itaú Cultural conversou com o ator, jornalista e educador Marcos Felipe, responsável pela produção-geral da companhia. Ele falou sobre a gestão e os critérios sociais e políticos do Mungunzá. Leia a entrevista.

Exposição Nacional: Anita Malfatti – 100 Anos de Arte Moderna (MAM)

Conheça a artista no verbete da Enciclopédia Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. A curadora da exposição premiada, Regina Teixeira de Barros, também trabalhou com o Itaú Cultural, sendo parte da curadoria da Ocupação Aracy Amaral.

Urbanidade: Paulo Mendes da Rocha, projeto do Sesc 24 de Maio

O arquiteto participou de alguns eventos do instituto: foi debatedor em uma das mesas de Oscar Niemeyer: um Seminário, e cedeu entrevista para as mostras Oscar Niemeyer: Clássicos e Inéditos e Ocupação Vilanova Artigas, a qual conta com dois vídeos: um sobre a arquitetura de Artigas e outro com a leitura de um texto clássico do homenageado:

Ademais, Paulo Mendes da Rocha será tema de uma Ocupação em 2018.

Veja também
Highlight large frente do teatro de cont%c3%aainer mungunz%c3%a1  foto  victor iemini

Entre arte e vida, a rua | Cia. Mungunzá de Teatro

Conversamos com Marcos Felipe, ator e produtor da Cia. Mungunzá de Teatro, sobre a gestão do grupo e de sua sede Teatro de Contêiner, as relações com o público e com o espaço urbano e a necessidade de desburocratizar a arte