0 texto

O Coro da Vila, formado por 55 coralistas, se apresenta no foyer do Auditório Ibirapuera, sob a regência de César Cerasomma, com o espetáculo Esquinas Geraes. O projeto, uma homenagem ao Clube da Esquina e a Milton Nascimento, procura destacar não só a obra desse cantor e compositor, mas também a de outros integrantes do Clube – como Lô Borges, Fernando Brant, Toninho Horta e Beto Guedes –, por meio das canções e da história desse movimento musical tão singular na música popular brasileira. O pianista Piero Damiani acompanha o coro.

“Nós vamos mostrar no Auditório a parte musical do espetáculo [que estreia, na íntegra, no dia 20 de maio, no Teatro São Pedro]”, explica Eloisa Pires, coordenadora do coro. “A apresentação é focada em algumas canções desse movimento, mas não só naquelas dos dois discos do Clube [Clube da Esquina (1972) e Clube da Esquina 2 (1978)]. O coro também vai interpretar obras dos compositores que fizeram parte dele, sendo algumas já consagradas e outras menos conhecidas”.

Esquinas Geraes, que contou com trabalho de pesquisa de quase um ano do maestro César Cerasomma e consultoria do professor Ivan Vilela, musicista e especialista em Clube da Esquina, retoma um projeto de 2010 do Coro da Vila, intitulado Milton e Geraes, que ganha agora um novo enfoque.

“Resolvemos retomar o projeto, mas de forma mais intimista e englobando o movimento do Clube da Esquina”, fala Eloisa Pires. “O maestro sempre foi muito apaixonado pela obra do Milton e o Ivan Vilela nos ajudou apontando o que seria interessante incluir no programa”, explica. “Em termos musicais, esse movimento é único. Nenhum especialista consegue definir muito bem o que ele é. Ele tem uma sonoridade universal muito rica e singular que mistura, entre outras coisas, jazz, música africana, bossa nova, bolero e música latina”.

A coordenadora do coro acrescenta que a escolha do título da apresentação se deu com o intuito de misturar a essência daqueles encontros dos integrantes do Clube com a ideia de que esse tipo de reunião pode ocorrer em qualquer esquina, de qualquer lugar, não se limitando a um estado ou cidade apenas.

“O Clube da Esquina nasceu em Belo Horizonte, perto da casa da família Borges, que morava no edifício Levy. Os jovens músicos e compositores se reuniam sempre numa esquina perto dali para tocar e cantar e aquele acabou virando um local de observação”, fala Eloisa. “Nós quisemos, então, juntar essa coisa da esquina com o ‘Geraes’, de Minas Gerais, e dar a ideia de que pode ser qualquer esquina, qualquer local de encontro, qualquer lugar de amizade e de reunião.”

Sobre o Coro da Vila

Antigo Coral Fundap, o Coro da Vila surgiu em 1993 como iniciativa dos funcionários da Fundação do Desenvolvimento Administrativo e hoje é um grupo independente. O coral vem se apresentando em São Paulo e outros estados do país com um amplo repertório, que inclui música erudita, folclórica e popular do Brasil e de outras culturas. Desde 1998 está sob a regência de César Cerasomma.

Música no Foyer | Coro da Vila [com interpretação em Libras]
sexta 13 de abril de 2018
às 21h
[duração aproximada: 50 minutos]

Entrada gratuita [a apresentação será no foyer do Auditório Ibirapuera]

[livre para todos os públicos]

 

Veja também
Highlight large dsc 0018

Direto do Arquivo - A arte ecoativista de Frans Krajcberg

Em 1998, o Itaú Cultural promoveu o evento multidisciplinar Amazônicas, que contou com painéis fotográficos que mostravam as imagens de queimadas capturadas por Krajcberg e também com um conjunto de obras tridimensionais feitas de madeira retirada das queimadas da região.