por Um Por Todos - Glauco Mattoso

As theorias reencarnacionistas nunca sahiram de moda. Tampouco as
explicações mysticas para questões physicas. Agorinha mesmo ouço o radio
fallar de gente que se tem na compta de reencarnação do conde Dracula,
do Frankenstein, da Jumenta Sem Cabeça, e até de Getulio ou Juscelino.
Eu mesmo, cegado por Zeus, sou considerado um Tiresias ou Homero
redivivo. Politicamente poeta, não confirmo nem desminto. Tambem estão
na moda os philosophos que se appresentam como commentaristas politicos.
Vou adherindo e quero metter a colher torta nesse angu, ja que esta
columna m'o permitte. Vamos divagar, mas devagar.

Philologo que sou e adepto da orthographia etymologica, costumo partir
da origem das palavras para especular sobre a escatologia e a
eschatologia, ja que tanto a merda como a metaphysica estão no mesmo
balaio quantico. Pela escripta classica, palavras como SCENA não perdem
o "S" em ENSCENAÇÃO ou OBSCENIDADE. Um dos motivos pelos quaes sou
contra a reforma orthographica é o facto de ter sido imposta pela
dictadura fascista de Getulio, a mesma que censurava até marchinha
carnavalesca. Typicamente incoherente, ella tirou o "S" de SCENA e de
CONTRASCENAR, mas não de OBSCENO. Si tiraram de SCIENCIA, os reformistas
deviam graphar CONCIENCIA, só com "C", mas paresce que a burrice tambem
attinge os immortaes. Fiquemos com o adjectivo OBSCENO que, pela logica,
seria uma imagem immoral ou prohibida.

Aqui entra o ceguinho propheta e levanta a bolla. Será que as imagens
são mais pornographicas que os sons? Será que o palavrão escripto
offende mais que o fallado? E o tacto, o olfacto, o paladar? Tambem
haveria pornographia OBOLFACTIVA e OBGUSTATIVA, alem da OBAUDITIVA?
Poderia qualquer coisa ser OBSENSITIVA? Uma creança cega appalpando uma
esculptura de pau duro seria algo attemptatorio? Ou educativo? Seria
corrupção de menores? Ou aula de historia da arte? E si um ceguinho, no
museu, tacteasse um pé descalço? Seria pornographia ou mera substituição
do SCENICO pelo SENSORIAL? E si, em logar do pé nu, fosse um cothurno?
Ah, mas si o ceguinho fosse fetichista do pé (como eu fui desde a
infancia), ahi seria pornographia, né? Ora, vamos combinar:
quanticamente fallando, a nudez artistica no facebook é mais censuravel
que a do bebê estuprado pelos pedophilos na deep web. Tudo se pode
flexibilizar, como diriam os attingidos pela lei da ficha limpa, ou pela
theoria da relatividade.

Va la que eu seja obsceno desde quando ainda enxergava e depois tenha me
tornado OBMENTAL, ja que a memoria visual é indelevel e sobrevive no
texto do computador fallante. Mas mesmo um normovisual pode concordar
commigo que, sem a visão, as noções de immoralidade, ja frageis de
persi, ficam ainda mais relativizadas, no sentido quantico do termo, ou
seja, si dependem de poncto de vista, taes conceitos e preconceitos
simplesmente desapparescem de scena quando a vista deixa de ser
parametro.

Ja existem museus "quanticos", como aquelle MONA australiano (Museum of
Old and New Art) que, alem da imagem, disponibilizam o cheiro da merda e
até (Por que não?) o sabor. Affinal, merda degustada numa galleria é
mais philosophica que a nossa quando practicamos sexo anilingual ou
quando cheiramos o papel hygienico usado, assim como um chulé em
exposição incommoda mais que o aroma do gorgonzola servido num
restaurante francez. Tudo questão de hora e de logar. Não nos
exquesçamos de que o papel da arte (que não é hygienico) está mais na
funcção de incommodar que na de accommodar as consciencias (com "SC").

Voltando à questão do tempo chronologico na vida espiritual, posso
imitar os politicos que se julgam messianicos e assumo a seguinte
reencarnação onomastica: tiro o prenome do Lampeão (que era glaucomatoso
e sadomasochista, alem de gay) e fico com seu/meu sobrenome, Ferreira da
Sylva. Tiro o sobrenome Constancio daquelle poeta fescennino, confundido
com Bocage e muito doidão a poncto de sahir pellado, e fico com seu/meu
prenome, Pedro José. Acho que a imagem do cego cantador combina bem com
a figura do cangaceiro cruel e do sonnettista desboccado. A partir de
agora, eu não sou eu e cada cellula cega do meu nervo optico estará nos
neuronios de todos vocês! Mez que vem, exercitaremos essa communhão
carnal analysando algum producto do apparelho digestivo ou da massa
encephalica. Em tempo: quando digo "digestivo" é porque sou indigesto e
não admitto reformas que mudem tambem a anatomia. Nada de "digestorio"!

///

Veja também

Nem dez mandos, nem desmandos

Em seu segundo texto para a coluna Um Por Todos, Glauco Mattoso comenta, através da sua escrita ímpar, sobre autoritarismo no meio médico e científico

Indiferença, essa utopia

Uma vez dirigi uma peça adaptada de um romance e um jornalista me perguntou: “Como uma mulher com...