>>A exposição foi prorrogada até o dia 28 de junho<<

O Itaú Cultural abre alas e chama Dona Ivone Lara para o meio da roda da 23a Ocupação. Reafirmando a importância da música popular e das manifestações afro-brasileiras na constituição da nossa cultura, a exposição conta a história da primeira-dama do samba, de 16 de maio a 28 de junho. No dia da abertura, às 12h e às 17h, o grupo Samba Virado toca repertório da homenageada no andar do espaço expositivo (Piso Paulista).

Veja também:
>>Dona Ivone Lara no site O Mundo de Bartô

Convidando o público a conhecer a vida e a obra desse ícone musical brasileiro de forma mais sensorial (por meio de suas composições) que linear (seguindo uma cronologia), esta Ocupação, uma parceria com a Musickeria, tem curadoria da equipe do Itaú Cultural e do músico Tiganá Santana e consultoria do jornalista Lucas Nobile. O projeto expográfico é de Vânia Medeiros e Grissel Piguillem.

Dona Ivone Lara é a homenageada da 23ª Ocupação do Itaú CulturalDelcio Carvalho e Dona Ivone Lara: parceria rendeu cerca de 150 composiçõesImersa no ambiente de samba desde a infância, Dona Ivone Lara começou a carreira artística apenas nos anos 70

Ancestrais, parceiros, composições, áudios, vídeos, fotos raras e alguns objetos pessoais são destaques da exposição. O público terá a liberdade de montar seu percurso, de acordo com o interesse que cada canto do espaço expositivo despertar. O espaço, aliás, oferece acessibilidade para surdos.

Aos 94 anos, recém-completados no dia 13 de abril, Dona Ivone Lara tem o pioneirismo como marca da sua trajetória musical. Com a carreira de sambista oficialmente iniciada apenas nos anos 1970, ela começou a escrever seu nome na história muito antes disso: em 1965, tornou-se a primeira mulher a entrar para a ala de compositores de uma escola de samba do grupo especial, no caso a Império Serrano, que defendeu naquele Carnaval o samba “Os Cinco Bailes da História do Rio”, composto por Ivone, Bacalhau e Silas de Oliveira.

Além da vida artística, Dona Ivone Lara – formada em serviço social – trabalhou no Instituto de Psiquiatria do Engenho de Dentro durante 30 anos, até se aposentar. Especializada em terapia ocupacional, foi assistente de Nise da Silveira, médica que revolucionou o tratamento psiquiátrico no Brasil.

Programação paralela

Em sinergia com a Ocupação, no dia 17 de maio, domingo, às 19h, o curador Tiganá Santana se apresenta na Sala Itaú Cultural com a cantora Fabiana Cozza. O show terá um repertório especial para a ocasião. “Mesclaremos músicas que estamos gravando para o nosso álbum juntos (em que Fabiana interpreta canções minhas) com composições de Dona Ivone – a grande homenageada da Ocupação – e outras que nunca cantamos juntos”, conta Tiganá. “Será uma celebração a Dona Ivone, à criação e à tradução mútua que existe entre mim, como compositor, e Fabiana, como intérprete”, completa o músico.

Já o Espaço Olavo Setubal terá um roteiro temático que propõe relações entre as obras expostas e a carreira de Dona Ivone Lara. Com duração aproximada de uma hora, o roteiro A Cultura Africana e o Nascimento do Samba será realizado em 16, 17, 30 e 31 de maio, às 17h.  Nos dias 30 e 31 a visita será em português com interpretação em Libras (Língua Brasileira de Sinais). Serão disponibilizadas 20 vagas e não é necessária inscrição prévia (o ponto de encontro é o Piso Térreo).

Nos dias 23 e 24 de maio, às 11h, também no Espaço Olavo Setubal, o público será convidado a participar de uma visita lúdica (Candeeiro da Vovó), seguida de uma oficina de criação de objetos, que se baseia nas letras das músicas compostas por Dona Ivone, com duração média de 90 minutos. Serão disponibilizadas 20 vagas e não é necessária inscrição prévia (o ponto de encontro é o Piso Térreo).

Dia 31 de maio, às 11h e às 15h30, integrando a programação do Se Essa Rua Fosse Nossa, o grupo Ilú Obá de Min faz apresentações de 40 minutos, cantando e tocando em harmonia com a Ocupação. Composto exclusivamente de mulheres, o bloco sai às ruas de São Paulo há 10 anos, celebrando a cultura afro-brasileira e destacando a participação das mulheres no mundo.

No final de semana de encerramento da exposição, dia 20 de junho, às 20h, uma homenagem a Dona Ivone Lara, com participação dela, acontecerá na plateia externa do Auditório Ibirapuera.

Publicação e site

A Ocupação Dona Ivone Lara gera também uma publicação impressa, a ser publicada aqui no site e no ISSUU, que explica especialmente quem são os ancestrais presentes no espaço expositivo, com textos do jornalista Lucas Nobile, da documentarista Susanna Lira e do compositor e instrumentista Pretinho da Serrinha.

O site da exposição, que será publicado no dia 16 de maio, também trará conteúdo exclusivo: uma árvore genealógica navegável, contando a história dos familiares de Dona Ivone Lara, além da discografia comentada da artista, com playlist temática. Entre as entrevistas, também exclusivas, nomes como Leci Brandão, Zélia Duncan, Fabiana Cozza, Hermínio Bello de Carvalho, Tia Maria do Jongo e Luiza Dionizio.


Visitação
sábado 16 de maio a domingo 28 de junho
terça a sexta
das 9h às 20h [permanência até 20h30]
sábado, domingo e feriado das 11h às 20h

Programação paralela detalhada na aba de Programação

Itaú Cultural – Piso Paulista