Ocupação

Lagarto, pedra, lata, porcaria. Na ponta do lápis, o poeta Manoel de Barros (Cuiabá, MT, 1916 – Campo Grande, MS, 2014) exaltou a grandeza dos seres e objetos menos valorizados pela sociedade da máquina, do consumo e do descarte. Pente. Lesma. Caco. Traste. Brincando com as normas da língua, dando às palavras doses de delírio e infância – encolhendo o horizonte no olho de um inseto, por exemplo –, ele monumentou “as pobres coisas do chão mijadas de orvalho”. Os andarilhos. Os pobres-diabos. A poesia.

Embora um não deixasse o outro, Manoel definia a si mesmo como dois seres: um de osso, fazendeiro de gado por herança da família; e outro de linguagem, com vocação para fazer frases. Descobriu a paixão pelas palavras nos Sermões do padre Antônio Vieira, ainda na adolescência, época em que estudava em regime de internato no Rio de Janeiro (RJ), e dali em diante entrou em contato com grandes criações da humanidade: conheceu outros países, leu os clássicos e os modernos de diferentes línguas e culturas. No entanto, foi a infância, vivida no Pantanal Sul-mato-grossense de Corumbá, a fonte maior de todo o seu trabalho criativo. “Sou por isso Proust e sapo. Ou vice-versa”, disse uma vez.

A 43ª edição do programa Ocupação Itaú Cultural resgata a trajetória do artista por meio deste site, de uma publicação impressa – cuja versão on-line pode ser conferida nesta página – e de uma exposição, em cartaz na sede do instituto entre fevereiro e abril de 2019.

A Ocupação Manoel de Barros enfatiza o compromisso do Itaú Cultural em valorizar a literatura brasileira. Além de homenagear outros nomes desse meio de expressão em edições anteriores do programa, o instituto realiza, dentro e fora de sua sede, diversas atividades voltadas para a arte da linguagem.


Ficha técnica

Ocupação Manoel de Barros

Concepção e realização Itaú Cultural
Curadoria Itaú Cultural
Consultoria Martha Barros e Regina Ferraz
Assistente de pesquisa Leila Brandão
Projeto expográfico Adriana Yazbek
Assistentes Alexandre Lins e Luiza Ho

Itaú Cultural

Presidente Milú Villela
Diretor-superintendente Eduardo Saron
Superintendente administrativo Sérgio M. Miyazaki

Núcleo de Audiovisual e Literatura
Gerência Claudiney Ferreira
Coordenação Kety Fernandes Nassar
Produção-executiva e audiovisual Camila Fink e Roberta Roque
Captação de imagens, roteiro e edição Karina Fogaça
Motion designer Daniela Lima Seabra (terceirizada)
Captação de som André Bellentani, Raquel Vieira e Tomás Franco (terceirizados)

Núcleo de Enciclopédia
Gerência Tânia Rodrigues
Coordenação Glaucy Tudda
Produção-executiva Bruna Ferreira, Elaine Lino e Moisés Baião (estagiário)

Núcleo de Educação e Relacionamento
Gerência Valéria Toloi
Coordenação de atendimento e formação Samara Ferreira
Equipe Amanda Freitas, Andressa Santos Menezes, Antonio Tallys, Caroline Faro, Edinho dos Santos, Edson Bismark, Elissa Sanitá Silva, Gabriela Lourenzato Guarda, Livia Lima Moraes, Lucas Cardoso dos Santos, Monique Rocha dos Santos, Raphael Giannini (até dezembro de 2018), Roberta Suzi Correia, Sidnei Junior, Tayná Maria Santiago da Silva, Thiago Borazanian (até novembro de 2018), Victor Soriano, Vinicius Magnum e Vitor Luz

Núcleo de Comunicação e Relacionamento
Gerência Ana de Fátima Sousa
Coordenação Carlos Costa
Produção e edição de conteúdo Heloísa Iaconis (estagiária), Marcella Affonso (estagiária) e Thiago Rosenberg
Redes sociais Jullyanna Salles e Renato Corch
Supervisão de revisão Polyana Lima
Revisão de textos Rachel Reis (terceirizada)
Transcrição de fac-símile Martha Minozzo (terceirizada)
Produção editorial Luciana Araripe e Victória Pimentel
Identidade visual Guilherme Ferreira
Comunicação visual Arthur Costa, Estúdio Lumine (terceirizado) e Yoshiharu Arakaki
Captação de imagens André Seiti

Núcleo de Produção de Eventos
Gerência Gilberto Labor
Coordenação Vinícius Ramos
Produção Érica Pedrosa, Fabio Marotta e Natiely dos Santos (estagiária)

Agradecimentos
Bianca Ramoneda, Bruss Lima, Carlos Hotta, Cássia Kis, Claudio Savaget, Felipe Barros de Escobar, Folhapress, Hugo Aguilaniu, Instituto Serrapilheira, Ítalo Moriconi, Joel Pizzini, José Castello, Lucas Barros, Lucia Riff, Marcelino Freire, Marcelo Buainain, Marlui Miranda, Nurit Bensusan, ONG Papel de Mulher, Paulinho Lima, Retrato Espaço Cultural e TV Globo

Agradecimento especial a Martha Barros, filha e parceira artística de Manoel de Barros, que nos possibilitou entrar em contato com o acervo do poeta.