A Orquestra Brasileira do Auditório (OBA) – composta de 25 jovens músicos, todos alunos da Escola do Auditório – sobe ao palco para mostrar um espetáculo com estilos diferenciados de ritmos na música popular brasileira, sob regência de seu maestro e arranjador, Edson José Alves, e de Nailor Proveta, maestro, arranjador, compositor e diretor artístico da Escola do Auditório. O Coro da Escola do Auditório participa da apresentação, regido pelo maestro Daniel Reginato.

O repertório é formado por composições de grandes autores – como Tom Jobim e Vinicius de Moraes (“Modinha”), Dona Ivone Lara (“Alvorecer”), Pixinguinha (“Choro Lamento”), e Dorival Caymmi (“O que É que a Baiana Tem”) – que refletem a filosofia de ensino da escola, dedicada exclusivamente à música brasileira, com especial atenção para o universo popular.

“Vamos apresentar e falar sobre uma variedade de ritmos, como samba, polca, maxixe, ijexá, choro e canção, incentivando a memória da música brasileira”, conta o maestro Edson José Alves. “Também vamos explicar como funciona cada naipe (cordas dedilhadas, madeira, percussão e metais) na orquestra e quais são as características de cada um deles.”

Nascida na Escola do Auditório Ibirapuera, a OBA é uma orquestra-escola na qual os seus integrantes aprendem a tocar músicas de diversas épocas, estilos e regiões do país. O grupo, que parte da formação tradicional de banda sinfônica, agrega ainda a dupla baixo e bateria, percussões e o regional dos grupos de choro.

A Escola do Auditório

A Escola do Auditório, sob a gestão do Itaú Cultural desde 2011, oferece cursos de música brasileira, com duração de cinco anos, a até 170 estudantes (a partir de 12 anos de idade) da rede pública de ensino que residam no município de São Paulo.

O objetivo é proporcionar uma sólida formação na área da música popular, unindo teoria e prática. Os estudantes aprendem a tocar um instrumento, desenvolvem a percepção musical e conhecem a história da música brasileira, seus estilos e seus personagens.

Desde o início das atividades, a Escola do Auditório, que tem direção artístico-pedagógica de Nailor Proveta, já formou cinco turmas (77 alunos), proporcionando a esses jovens a oportunidade de iniciar e desenvolver carreira na música.

O corpo docente da escola – que conta inclusive com alunos formados – é composto de 35 professores, que ministram aulas de percepção melódica e harmônica, percepção rítmica, harmonia, laboratório, prática de conjunto, instrumento e orquestra.

Orquestra Brasileira do Auditório (OBA)
sábado 23 de junho de 2018
às 21h
[duração aproximada: 90 minutos]

Entrada gratuita [os ingressos serão distribuídos na bilheteria do Auditório, uma hora e meia antes da apresentação. Limite de dois ingressos por pessoa. Sujeito à lotação da casa].

[livre para todos os públicos]

abertura da casa: 90 minutos antes do espetáculo

 

Veja também

A cena negra em foco

O chamado teatro negro brasileiro nasceu da conscientização de que a ausência de negros e negras nos palcos não era uma questão individual, pessoal, de incapacidade, mas estrutural e coletiva. Para problemas coletivos, soluções coletivas