eventos

Mostra Rumos Cinema e Vídeo

(Foto: frame de Já Visto Jamais Visto/Itaú Cultural)

Em 2012, a sétima edição do programa Rumos Cinema e Vídeo abriu inscrições para projetos de obras em três categorias: Documentários para Web, Filmes e Vídeos Experimentais e Espetáculos Multimídia. Vindos de todas as regiões do país, 401 trabalhos foram inscritos. E os 20 selecionados são agora apresentados ao público. A programação tem início no dia 7 de novembro e engloba exposição, performances ao vivo e mostra de filmes.

Contemplado na categoria Filmes e Vídeos Experimentais, o trabalho Já Visto Jamais Visto, de Andrea Tonacci, traz um diálogo entre as memórias de um autor e as imagens que filmou e guardou ao longo de sua atividade cinematográfica. Ao lado dele são apresentados permanentemente no espaço expositivo os espetáculos multimídia Entremeio, de Lea van Steen e Raquel Kogan –instalação que se utiliza do vídeo, da escultura e dos fenômenos ópticos de reflexão e refração – e Som e Chão, de Tiago Romagnani Silveira e Diogo de Haro, que propõe um diálogo entre intenção e acaso para investigar a natureza da luz, do corpo e do som.

Na exposição também é possível assistir aos documentários para web exibidos em terminais dispostos pelo piso. Uma novidade desta edição do programa foi o laboratório virtual que a roteirista, produtora e pesquisadora Daniela Capelato realizou com os artistas contemplados na carteira Documentários para Web – que explorou, em seis meses de diálogo, os diversos caminhos que a internet abriu para a criação de obras audiovisuais.

O evento conta ainda com uma mostra que exibirá os demais selecionados nas três categorias. Do dia 7 ao dia 10 de novembro você confere os trabalhos de Filmes e Vídeos Experimentais e Documentário para Web. São ao todo quatro dias de sessões com projeção de 15 obras. De 13 a 17 de novembro (exceto dia 14) é a vez dos espetáculos multimídia. Sempre às 20h as apresentações ocorrem na Sala Itaú Cultural com entrada gratuita. Para saber mais sobre os selecionados e a grade de horários acesse a aba Programação.

Mostra Rumos Cinema e Vídeos: Linguagens Expandidas
exposição
quinta 7 de novembro a domingo 22 de dezembro de 2013
piso -2
terça a sexta 9h às 20h [permanência até as 20h30]
sábado domingo e feriado 11h às 20h
Entrada franca

 

  • 07
    • /MOSTRA DE FILMES

      Quinta-Feira - 20:00

      O Ponto Cego
      Chico Bahia, São Paulo, 2013, 10 min
      Gregório é um técnico em sistemas de segurança que deve instalar câmeras nas principais ruas de Paraisópolis, bairro pobre de São Paulo. Em meio ao seu serviço, ele entra em contato com o local onde passou a infância.

      Chico Bahia iniciou sua produção audiovisual em viagens de trabalho de campo feitas durante o curso de graduação em geografia. Atualmente, faz mestrado sobre relatos de viagem e participa do Coletivo Sendero, com o qual realiza projetos audiovisuais fora da esfera acadêmica.

      [indicado para todos os públicos]

      Se Eu Demorar uns Meses
      Giovanni Francischelli e Lívia Perez, São Paulo, 2013, 10 min
      Um “k-filme” – ou seja, um documentário interativo e não linear desenvolvido por meio do software Korsakow – baseado nos relatos de presos políticos opositores ao regime militar brasileiro.

      Giovanni Francischelli é formado em midialogia e cinema. Arte-educador nas Oficinas Culturais do Estado de São Paulo e sócio fundador da produtora Doctela, participou de projetos pioneiros e premiados de web-documentários, como Petróleo – Combustível da Vida Moderna (2011), e dirigiu os projetos O Artista e a Praça (2011) e Webdoc Graffiti (2012).

      Lívia Perez é formada em midialogia e cinema. Sócia fundadora da produtora Doctela, atua em projetos educativos na área do audiovisual, possui ampla experiência em produção e edição de vídeos e dirigiu o documentário Lampião da Esquina (2012).

      [indicado para maiores de 12 anos]

      Sorria, É Sexta-Feira
      Luka Melero, Rio de Janeiro, 2013, 10 min
      Presos no congestionamento que toma a ponte Presidente Costa e Silva – ou Rio-Niterói – nas noites de sexta-feira, motoristas falam sobre questões como lazer e rotina.

      Luka Melero é formado em cinema. Estudou documentário em Cuba e na Argentina e trabalhou como repórter cinematográfico para a Rede Globo. Realizou três documentários independentes – um deles, O Povo Fala, premiado no festival Curta Criativo de 2011.

      Vinicius Vieira é estudante de jornalismo. Dirigiu o documentário Quebrando a Inércia (2010).

      [indicado para todos os públicos]

      Cine Penhor
      Guile Martins, São Paulo, 2013, 14 min
      Nelson possui um pequeno penhor de memórias, repleto de fitas e películas. O tédio de seu trabalho é subitamente interrompido pela aparição de Leontina, que vem determinada a resgatar suas memórias em fuga. Baseado no verso \”tudo que não invento é falso\”, de Manoel de Barros, o filme é uma colagem de lembranças e formatos.

      Guile Martins é formado em cinema, com especialização na área de som. Atualmente trabalha com captação e edição de áudio em longas e curtas-metragens, além de atuar como montador e diretor.

      [indicado para todos os públicos]

      Já Visto Jamais Visto
      Andrea Tonacci, São Paulo, 2013, 54 min
      Um diálogo entre as memórias de um autor e as imagens que filmou e guardou ao longo de sua atividade cinematográfica – segmentos de vida nunca exibidos, nunca revistos e nunca editados. Uma reflexão sobre imagens que permaneceram à margem da memória e de memórias à beira do esquecimento.

      Andrea Tonacci é cineasta. Dirigiu os longas-metragens Serras da Desordem (2006), Conversas no Maranhão (1977-1983), Jouez Encore, Payez Encore (1975) e Bang Bang (1971) e os curtas-metragens Blablablá (1968) e Olho por Olho (1966).

      [indicado para todos os públicos]

  • 08
    • /MOSTRA DE FILMES

      Sexta-Feira - 20:00

      Game What
      Fabio Alves, Paraná, 2013, 10 min
      Cem anos depois das primeiras descobertas cinematográficas, ainda testemunhamos a criação de novas formas de arte. Seria o video game uma delas?

      Fabio Alves é designer e artista multimídia. Formado em desenho industrial, cria obras que transitam entre as questões sociais e os campos da arte, da ciência e da tecnologia.

      [indicado para todos os públicos]

      Trans*lúcidx
      Tamíris Spinelli, Paraná, 2013, 10 min
      Ensaio cinematográfico baseado em autorretratos publicados on-line por indivíduos trans.

      Tamíris Spinelli é formada em cinema e vídeo. Artista multimídia, dirigiu os curtas-metragens Elegia (2010), Visita (2010) e Se Você Deixar o Coração Bater Sem Medo (2012). É fundadora e integrante do coletivo Água Viva Concentrado Artístico.

      [indicado para maiores de 14 anos]

      Osso da Fala
      Sheyla Smanioto e Raphael Picerni, São Paulo, 2013, 10 min
      Um documentário sobre os objetos deixados por aqueles que se vão e sobre o que se esconde na fala sobre a falta.

      Sheyla Smanioto é graduada em estudos literários. Autora da peça Cartas de Não Dizer, com a qual passou a fazer parte do Núcleo de Dramaturgia SESI-British Council, tem experiência em roteirização para web e organização de eventos.

      Raphael Picerni é graduando em midialogia. Participou da série de TV para web XavanteVê entre 2011 e 2012 e atuou na concepção, direção e fotografia do programa de esporte, para TV e WebTV, TIME B (ainda não lançado).

      [indicado para maiores de 12 anos]

      O Porto
      Clarissa Campolina, Julia de Simone, Luiz Pretti e Ricardo Pretti, Rio de Janeiro, 2013, 21 min
      As tensões entre o passado e o presente, entre a tradição e a modernidade no ambiente portuário do Rio de Janeiro.

      Clarissa Campolina é graduada em comunicação social e pós-graduada em artes plásticas. Sócia fundadora do centro de produção audiovisual TEIA, seus trabalhos foram premiados e exibidos no Brasil e no exterior. Girimunho (2011), seu primeiro longa-metragem, estreou no Festival Internacional de Cinema de Veneza e foi lançado comercialmente no Brasil, na Espanha e na França.

      Julia De Simone é realizadora e sócia da produtora Mirada Filmes. Pós-graduada em documentário de criação, dirigiu, roteirizou e produziu os curtas-metragens Estudo Para o Vento (2011), Sinfonia (2010) e Encanto (2007). Seu primeiro longa-metragem, Romance de Formação, foi lançado nos cinemas brasileiros em 2012.

      Luiz Pretti é cineasta e sócio da produtora/coletivo Alumbramento. Dirigiu oito curtas-metragens e, em parceria com Guto Parente, Pedro Diógenes e Ricardo Pretti, os longas Estrada para Ythaca (2010 – melhor filme na 13ª Mostra de Tiradentes), Os Monstros (2011 – menção honrosa no 13º Festival Internacional de Cinema Independente de Buenos Aires) e No Lugar Errado (2011 – prêmio especial do júri no 2º Festival Internacional Lume de Cinema).

      Ricardo Pretti é cineasta e integrante da produtora/coletivo Alumbramento. Com Luiz Pretti, Guto Parente e Pedro Diógenes, realizou os filmes Estrada para Ythaca, Os Monstros e No Lugar Errado. Com dois prêmios de melhor montador no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, é um dos idealizadores da série de longas-metragens Operação Sonia Silk, para a qual escreveu e dirigiu O Rio nos Pertence (2013 – projeto contemplado pelo Hubert Bals Fund, do Festival Internacional de Cinema de Roterdã).

      [indicado para todos os públicos]

      A Deusa Branca
      Alfeu França, Rio de Janeiro, 2013, 34 min
      Por meio de materiais de arquivo, o documentário narra a expedição que, em 1958, o artista Flávio de Carvalho e sua equipe realizaram para a região amazônica a fim de rodar um longa-metragem – que, por diversos motivos, jamais foi concluído.

      Alfeu França é diretor e produtor de documentários. Atuou como jurado em eventos como o Festival de Cinema de Gramado, o Vitória Cine Vídeo e o Festival Internacional de Curtas do Rio de Janeiro – do qual integra, hoje, o comitê de seleção e programação. Fortemente baseados em materiais de arquivo, seus filmes já foram exibidos em festivais nacionais e internacionais.

      [indicado para maiores de 12 anos]

  • 09
    • /MOSTRA DE FILMES

      Sábado - 16:00

      Cine Penhor
      Guile Martins, São Paulo, 2013, 14 min
      Nelson possui um pequeno penhor de memórias, repleto de fitas e películas. O tédio de seu trabalho é subitamente interrompido pela aparição de Leontina, que vem determinada a resgatar suas memórias em fuga. Baseado no verso\\\\\\\\\\\\\\\” tudo que não invento é falso\\\\\\\\\\\\\\\”, de Manoel de Barros, o filme é uma colagem de lembranças e formatos.

      Guile Martins é formado em cinema, com especialização na área de som. Atualmente trabalha com captação e edição de áudio em longas e curtas-metragens, além de atuar como montador e diretor.

      [indicado para todos os públicos]

      A Deusa Branca
      Alfeu França, Rio de Janeiro, 2013, 34 min
      Por meio de materiais de arquivo, o documentário narra a expedição que, em 1958, o artista Flávio de Carvalho e sua equipe realizaram para a região amazônica a fim de rodar um longa-metragem – que, por diversos motivos, jamais foi concluído.

      Alfeu França é diretor e produtor de documentários. Atuou como jurado em eventos como o Festival de Cinema de Gramado, o Vitória Cine Vídeo e o Festival Internacional de Curtas do Rio de Janeiro – do qual integra, hoje, o comitê de seleção e programação. Fortemente baseados em materiais de arquivo, seus filmes já foram exibidos em festivais nacionais e internacionais.

      [indicado para maiores de 12 anos]

  • 09
    • /MOSTRA DE FILMES

      Sábado - 18:00

      O Porto
      Clarissa Campolina, Julia de Simone, Luiz Pretti e Ricardo Pretti, Rio de Janeiro, 2013, 21 min
      As tensões entre o passado e o presente, entre a tradição e a modernidade no ambiente portuário do Rio de Janeiro.

      Clarissa Campolina é graduada em comunicação social e pós-graduada em artes plásticas. Sócia fundadora do centro de produção audiovisual TEIA, seus trabalhos foram premiados e exibidos no Brasil e no exterior. Girimunho (2011), seu primeiro longa-metragem, estreou no Festival Internacional de Cinema de Veneza e foi lançado comercialmente no Brasil, na Espanha e na França.

      Julia De Simone é realizadora e sócia da produtora Mirada Filmes. Pós-graduada em documentário de criação, dirigiu, roteirizou e produziu os curtas-metragens Estudo Para o Vento (2011), Sinfonia (2010) e Encanto (2007). Seu primeiro longa-metragem, Romance de Formação, foi lançado nos cinemas brasileiros em 2012.

      Luiz Pretti é cineasta e sócio da produtora/coletivo Alumbramento. Dirigiu oito curtas-metragens e, em parceria com Guto Parente, Pedro Diógenes e Ricardo Pretti, os longas Estrada para Ythaca (2010 – melhor filme na 13ª Mostra de Tiradentes), Os Monstros (2011 – menção honrosa no 13º Festival Internacional de Cinema Independente de Buenos Aires) e No Lugar Errado (2011 – prêmio especial do júri no 2º Festival Internacional Lume de Cinema).

      [indicado para todos os públicos]

      Já Visto Jamais Visto
      Andrea Tonacci, São Paulo, 2013, 54 min
      Um diálogo entre as memórias de um autor e as imagens que filmou e guardou ao longo de sua atividade cinematográfica – segmentos de vida nunca exibidos, nunca revistos e nunca editados. Uma reflexão sobre imagens que permaneceram à margem da memória e de memórias à beira do esquecimento.

      Andrea Tonacci é cineasta. Dirigiu os longas-metragens Serras da Desordem (2006), Conversas no Maranhão (1977-1983), Jouez Encore, Payez Encore (1975) e Bang Bang (1971) e os curtas-metragens Blablablá (1968) e Olho por Olho (1966).

      [indicado para todos os públicos]

  • 09
    • /MOSTRA DE FILMES

      Sábado - 20:00

      Sinoâncias
      André N. P. Azevedo e Carol Argamim Gouvêa, Minas Gerais, 2013, 8m30s
      Documentário sensorial que retrata a musicalidade dos sinos das igrejas de São João del-Rei, Minas Gerais.

      André N. P. Azevedo é graduando em jornalismo. Fotógrafo, videomaker e produtor cultural, participou da primeira edição do projeto de residência fotográfica Inter Residências Ações, com orientação de Eustáquio Neves, Pedro Motta e Miguel Chikaoka. Participou de exposições coletivas de fotografia, como Estrada Real – Imagens e Poesias, que passou por cidades como Tiradentes, Diamantina, Ouro Preto e Belo Horizonte.

      Carol Argamim Gouvêa é graduada em jornalismo. Diretora de imagem na TV Campos de Minas, realizou, com Quéfrem Vieira, o documentário Fé na Festa – Retratos da Comunidade Quilombola da Jaguara (2013) e participou do projeto de web-documentários Poética dos Encontros, desenvolvido pelo Paralaxe Lab, da Fábrica do Futuro.

      [indicado para todos os públicos]

      Boca de Rua – Vozes de Uma Gente Invisível
      Marcelo Andrighetti, Rio Grande do Sul, 2013, 10 min
      A história e o cotidiano da equipe do jornal Boca de Rua, fundado em 2001 por cerca de 30 sem-teto de Porto Alegre. Vendida nas principais vias da capital gaúcha, a publicação trimestral estabeleceu-se como um canal de comunicação entre os moradores de rua e representantes de outras classes sociais.

      Marcelo Andrighetti é sócio fundador da Bigode de Gato Produções – Dança, Cinema e Poesia Visual, sediada em Porto Alegre. Graduado em jornalismo, atua como roteirista, diretor e produtor executivo. No campo das artes visuais, mantém o projeto Do Meio do Mundo [domeiodomundo.blogspot.com], no qual une a fotografia à poesia.

      [indicado para todos os públicos]

      O Centro Invisível
      Tiago Pedro, Ceará, 2013, 9 min
      Um vídeopoema afetivo sobre Fortaleza, uma divagação de quem ama a capital cearense e se sente amado – e às vezes maltratado – por ela.

      Tiago Pedro é formado em audiovisual. Diretor e diretor de fotografia de vários curtas-metragens, é autor de projetos selecionados por editais das secretarias de cultura do Ceará e de Fortaleza.

      [indicado para todos os públicos]

      Saltimbancos
      Camis Garcia, São Paulo, 2013, 9 min
      Uma investigação sobre as motivações pessoais que levam os artistas às ruas da cidade. Por meio de uma abordagem intimista, o trabalho discute as ressonâncias da presença da arte no espaço urbano.

      Camis Garcia é radialista e atriz. No segundo semestre de 2011, estudou direção de vídeo e narrativa visual nos Estados Unidos, onde realizou o documentário Antique Shops e o curta de ficção Green Garden – que participou, em 2012, do Festival Internacional de Filmes Curtíssimos, em Brasília.

      [indicado para todos os públicos]

      Origem: Destino
      Armando Praça, Ceará, 2013, 50 min
      Por meio de procedimentos ficcionais, documentais e experimentais, a obra explora o universo de imigrantes africanos no Brasil.

      Armando Praça é cientista social e possui formação em dramaturgia, cinema e televisão. Dirigiu, entre outros, os curtas-metragens Parque de Diversões (2002 – premiado no 13º Cine Ceará), O Amor do Palhaço (2005 – contemplado com o Prêmio Aquisição do Canal Brasil) e A Mulher Biônica (2008). Além de sua atuação em produções, leciona em cursos de audiovisual e organiza mostras em cineclubes.

      [indicado para maiores de 12 anos]

  • 10
    • /MOSTRA DE FILMES

      Domingo - 17:00

      Origem: Destino
      Armando Praça, Ceará, 2013, 50 min
      Por meio de procedimentos ficcionais, documentais e experimentais, a obra explora o universo de imigrantes africanos no Brasil.

      Armando Praça é cientista social e possui formação em dramaturgia, cinema e televisão. Dirigiu, entre outros, os curtas-metragens Parque de Diversões (2002 – premiado no 13º Cine Ceará), O Amor do Palhaço (2005 – contemplado com o Prêmio Aquisição do Canal Brasil) e A Mulher Biônica (2008). Além de sua atuação em produções, leciona em cursos de audiovisual e organiza mostras em cineclubes.

      [indicado para maiores de 12 anos]

  • 10
    • /MOSTRA DE FILMES

      Domingo - 18:00

      O Ponto Cego
      Chico Bahia, São Paulo, 2013, 10 min
      Gregório é um técnico em sistemas de segurança que deve instalar câmeras nas principais ruas de Paraisópolis, bairro pobre de São Paulo. Em meio ao seu serviço, ele entra em contato com o local onde passou a infância.

      Chico Bahia iniciou sua produção audiovisual em viagens de trabalho de campo feitas durante o curso de graduação em geografia. Atualmente, faz mestrado sobre relatos de viagem e participa do Coletivo Sendero, com o qual realiza projetos audiovisuais fora da esfera acadêmica.

      [indicado para todos os públicos]

      Se Eu Demorar uns Meses
      Giovanni Francischelli e Lívia Perez, São Paulo, 2013, 10 min
      Um “k-filme” – ou seja, um documentário interativo e não-linear desenvolvido por meio do software Korsakow – baseado nos relatos de presos políticos opositores ao regime militar brasileiro.

      Giovanni Francischelli é formado em midialogia e cinema. Arte-educador nas Oficinas Culturais do Estado de São Paulo e sócio fundador da produtora Doctela, participou de projetos pioneiros e premiados de web-documentários, como Petróleo – Combustível da Vida Moderna (2011), e dirigiu os projetos O Artista e a Praça (2011) e Webdoc Graffiti (2012).

      Lívia Perez é formada em midialogia e cinema. Sócia fundadora da produtora Doctela, atua em projetos educativos na área do audiovisual, possui ampla experiência em produção e edição de vídeos e dirigiu o documentário Lampião da Esquina (2012).

      [indicado para maiores de 12 anos]

      Sinoâncias
      André N. P. Azevedo e Carol Argamim Gouvêa, Minas Gerais, 2013, 8m30s
      Documentário sensorial que retrata a musicalidade dos sinos das igrejas de São João del-Rei, Minas Gerais.

      André N. P. Azevedo é graduando em jornalismo. Fotógrafo, videomaker e produtor cultural, participou da primeira edição do projeto de residência fotográfica Inter Residências Ações, com orientação de Eustáquio Neves, Pedro Motta e Miguel Chikaoka. Participou de exposições coletivas de fotografia, como Estrada Real – Imagens e Poesias, que passou por cidades como Tiradentes, Diamantina, Ouro Preto e Belo Horizonte.

      Carol Argamim Gouvêa é graduada em jornalismo. Diretora de imagem na TV Campos de Minas, realizou, com Quéfrem Vieira, o documentário Fé na Festa – Retratos da Comunidade Quilombola da Jaguara (2013) e participou do projeto de web-documentários Poética dos Encontros, desenvolvido pelo Paralaxe Lab, da Fábrica do Futuro.

      [indicado para todos os públicos]

      Boca de Rua – Vozes de Uma Gente Invisível
      Marcelo Andrighetti, Rio Grande do Sul, 2013, 10 min
      A história e o cotidiano da equipe do jornal Boca de Rua, fundado em 2001 por cerca de 30 sem-teto de Porto Alegre. Vendida nas principais vias da capital gaúcha, a publicação trimestral estabeleceu-se como um canal de comunicação entre os moradores de rua e representantes de outras classes sociais.

      Marcelo Andrighetti é sócio fundador da Bigode de Gato Produções – Dança, Cinema e Poesia Visual, sediada em Porto Alegre. Graduado em jornalismo, atua como roteirista, diretor e produtor executivo. No campo das artes visuais, mantém o projeto Do Meio do Mundo [domeiodomundo.blogspot.com], no qual une a fotografia à poesia.

      [indicado para todos os públicos]

      O Centro Invisível
      Tiago Pedro, Ceará, 2013, 9 min
      Um vídeopoema afetivo sobre Fortaleza, uma divagação de quem ama a capital cearense e se sente amado – e às vezes maltratado – por ela.

      Tiago Pedro é formado em audiovisual. Diretor e diretor de fotografia de vários curtas-metragens, é autor de projetos selecionados por editais das secretarias de cultura do Ceará e de Fortaleza.

      [indicado para todos os públicos]

      Saltimbancos
      Camis Garcia, São Paulo, 2013, 9 min
      Uma investigação sobre as motivações pessoais que levam os artistas às ruas da cidade. Por meio de uma abordagem intimista, o trabalho discute as ressonâncias da presença da arte no espaço urbano.

      Camis Garcia é radialista e atriz. No segundo semestre de 2011, estudou direção de vídeo e narrativa visual nos Estados Unidos, onde realizou o documentário Antique Shops e o curta de ficção Green Garden – que participou, em 2012, do Festival Internacional de Filmes Curtíssimos, em Brasília.

      [indicado para maiores de 14 anos]

      Game What
      Fabio Alves, Paraná, 2013, 10 min
      Cem anos depois das primeiras descobertas cinematográficas, ainda testemunhamos a criação de novas formas de arte. Seria o video game uma delas?

      Fabio Alves é designer e artista multimídia. Formado em desenho industrial, cria obras que transitam entre as questões sociais e os campos da arte, da ciência e da tecnologia.

      [indicado para todos os públicos]

      Trans*lúcidx
      Tamíris Spinelli, Paraná, 2013, 10 min
      Ensaio cinematográfico baseado em autorretratos publicados on-line por indivíduos trans.

      Tamíris Spinelli é formada em cinema e vídeo. Artista multimídia, dirigiu os curtas-metragens Elegia (2010), Visita (2010) e Se Você Deixar o Coração Bater Sem Medo (2012). É fundadora e integrante do coletivo Água Viva Concentrado Artístico.

      [indicado para maiores de 14 anos]

      Sorria, É Sexta-Feira
      Luka Melero, Rio de Janeiro, 2013, 10 min
      Presos no congestionamento que toma a ponte Presidente Costa e Silva – ou Rio-Niterói – nas noites de sexta-feira, motoristas falam sobre questões como lazer e rotina.

      Luka Melero é formado em cinema. Estudou documentário em Cuba e na Argentina e trabalhou como repórter cinematográfico para a Rede Globo. Realizou três documentários independentes – um deles, O Povo Fala, premiado no festival Curta Criativo de 2011.

      Vinicius Vieira é estudante de jornalismo. Dirigiu o documentário Quebrando a Inércia (2010).

      [indicado para todos os públicos]

      Osso da Fala
      Sheyla Smanioto e Raphael Picerni, São Paulo, 2013, 10 min
      Um documentário sobre os objetos deixados por aqueles que se vão e sobre o que se esconde na fala sobre a falta.

      Sheyla Smanioto é graduada em estudos literários. Autora da peça Cartas de Não Dizer, com a qual passou a fazer parte do Núcleo de Dramaturgia Sesi-British Council, tem experiência em roteirização para web e organização de eventos.

      Raphael Picerni é graduando em midialogia. Participou da série de TV para web Xavante Vê entre 2011 e 2012 e atuou na concepção, direção e fotografia do programa de esporte, para TV e WebTV, TIME B (ainda não lançado).

      [indicado para maiores de 12 anos]

  • 13
    • /ESPETÁCULOS MULTIMÍDIA

      Quarta-Feira - 20:00

      Som e Chão
      Tiago Romagnani Silveira e Diogo de Haro, Santa Catarina, 2013

      O trabalho – que engloba uma intervenção no espaço público e performances no teatro e no espaço expositivo – propõe um diálogo entre intenção e acaso para investigar a natureza da luz, do corpo e do som.

      Tiago Romagnani Silveira é artista visual. Participa desde 2011 do Institüt für Raumexperimente, um projeto de Olafur Eliasson ligado à Universidade de Artes de Berlim. Contemplado na edição 2008-2009 do programa Rumos Itaú Cultural Artes Visuais, teve mostras individuais no Centro Cultural Arquipélago e no Museu Victor Meirelles, ambos em Florianópolis.

      Diogo de Haro é pianista e compositor. Faz há 18 anos apresentações de música experimental e composição instantânea. Em 2013, realizou o trabalho Piano e Bateria em Música Instantânea, em colaboração com Peter Gossweiller. Autor de trilhas sonoras para filmes, peças de teatro e espetáculos de dança, estudou piano e improvisação e música eletrônica em Colônia, Alemanha.

      [indicado para maiores de 12 anos]

  • 15
    • /ESPETÁCULOS MULTIMÍDIA

      Sexta-Feira - 20:00

      Branco
      Mirella Brandi e Muep Etmo, São Paulo, 2013
      Explorando o conceito de “cinema expandido”, espetáculo une elementos da música, das artes visuais e das artes cênicas para compor um ambiente audiovisual imersivo.

      Mirella Brandi e Muep Etmo criam projetos de experimentação audiovisual desde 2006, com os quais desenvolvem caminhos narrativos individualizados.

      [indicado para maiores de 12 anos]

  • 16
    • /ESPETÁCULOS MULTIMÍDIA

      Sábado - 20:00

      Armadilhas
      Grupo Mesa de Luz, São Paulo, 2013
      Por meio da captação e da manipulação em tempo real de imagens e sons, espetáculo de cinema ao vivo explora os fenômenos físicos. A apresentação é baseada no formato narrativo de um “livro-jogo” – que rende uma experiência diferente a cada “leitura”.

      O Grupo Mesa de Luz é formado pelos artistas plásticos Hieronimus do Vale, Marta Mencarini e Tomás Seferin. Vencedor do Prêmio Energisa Artes Visuais de 2012, o coletivo tem participado de diversos eventos pelo Brasil, como o Festival Internacional de Linguagem Eletrônica, em São Paulo, e o Festival de Arte Digital, em Belo Horizonte. Em parceria com a Companhia B de Teatro, montou em 2013 o espetáculo Havia.

      [indicado para maiores de 12 anos]

  • 17
    • /ESPETÁCULOS MULTIMÍDIA

      Domingo - 20:00

      Orquestra Vermelha
      Matheus Leston, São Paulo, 2013

      Com a popularização do computador como ferramenta de criação musical, como definir o que é um músico? O que significa “música ao vivo”, uma vez que, durante as apresentações, é cada vez mais comum a utilização de playbacks e samples? E por que vamos a um show? Apenas para ver pessoalmente um artista que admiramos? Questões como essas são expostas por uma banda de sombras.

      Matheus Leston é músico, produtor musical, artista e professor. Desenvolve há três anos o projeto Ré, com o qual já se apresentou no Sesc Belenzinho e na Mostra Live Cinema, e é membro da Patife Band, de Paulo Barnabé. Participou da exposição Caos e Efeito, no Itaú Cultural, do projeto Ao Redor de 4\\\\\\\\\\\\\\\’33\\\\\\\\\\\\\\\”, da 7ª Bienal do Mercosul, e da 4ª Jornada de Cinema Silencioso, na Cinemateca Brasileira.

      [indicado para maiores de 12 anos]