0 texto

A banda Quartabê – atualmente formada por Joana Queiroz (sax tenor, clarinete e clarone), Maria Beraldo (sax tenor, clarinete e clarone), Mariá Portugal (bateria e MPC) e Chicão (piano e teclado) – acaba de voltar de uma turnê pela Europa onde apresentou suas releituras contemporâneas para composições instrumentais e canções do repertório do mestre Moacir Santos (1926-2006). Agora, o quarteto sobe ao palco do Auditório, em um show que conta com a participação da cantora Juçara Marçal, para mostrar essas mesmas composições – presentes no disco Lição #1: Moacir Santos (2015) e no EP Depê (2017) –, além de algumas surpresas.

“Tocamos na Espanha (Madri), em Portugal (Porto e Coimbra), na Áustria (Salzburg), na França (Toulouse e Marciac) e na Alemanha (Berlim)”, conta Chicão, pianista da banda. “Ficamos impressionados com a recepção do público e a quantidade de pessoas. Acho que a cidade que mais nos surpreendeu foi Berlim [a banda tocou no A-Trane, tradicional casa de jazz, e no bar Barkett]”, diz. “Percebíamos que as pessoas estavam realmente dentro do som, conosco, entendendo os nossos arranjos mais loucos e vibrando a cada nota.”

O repertório do show traz, entre outras composições, “Maracatu Nação do Amor”, “Jequié”, “Coisa #5” e “Coisa #8”, em versões que transitam por diferentes sonoridades e referências musicais que vão do jazz ao afrobeat, passando pela eletrônica e pelo choro. “Essa turnê pela Europa trouxe uma inesperada surpresa”, acrescenta Chicão. “Conhecemos o baterista Tony Allen, inventor do afrobeat, e viramos amigos. Usamos um tema dele quando gravamos “Coisa #8” em nosso primeiro disco”.

Ainda de acordo com o pianista, a apresentação no Auditório será a segunda que a banda faz em São Paulo com a formação de quarteto. Originalmente, a Quartabê era um quinteto, composto dos quatro músicos mais a baixista Ana Karina Sebastião – que deixou o grupo este ano, após a gravação de Depê. “Será maravilhoso mostrar como estão as músicas, já que foi um desafio tocar nossos arranjos sem baixista”, fala o pianista. “Dividimos essa função entre todos os integrantes. Ora a Joana e a Maria faziam o baixo no clarone, ora eu no synth bass, ora a Mariá na MPC”, explica. “Os novos arranjos estão muito quentes e a música está ‘redondinha’. Também vamos mostrar um arranjo spoiler do nosso próximo professor: Dorival Caymmi.”

A Quartabê surgiu em 2014, a partir da banda Claras e Crocodilos (que se apresentava com Arrigo Barnabê), a convite da curadora do Festival Moacir Santos, Andrea Ernest Dias. “O projeto Claras e Crocodilos fez uma brilhante temporada na Audio Rebel [loja e espaço para shows, no Rio de Janeiro]. “A Andrea foi nos ver e, logo depois do concerto, surgiu o convite para as quatro meninas do grupo [Mariá Portugal, Maria Beraldo, Joana Queiroz e Ana Karina Sebastião] montarem um show só com músicas do Moacir. Mas um show que não fosse uma releitura clássica do maestro”, conta Chicão. “Faltava, no entanto, um instrumento harmônico – o piano. Então, fui convidado. Depois que fizemos o espetáculo de estreia, percebemos que tínhamos um belo material na mão e decidimos prosseguir. Desde então, viramos uma família.”

Sobre as diversas sonoridades e referências musicais utilizadas pela banda em suas releituras para a obra de Moacir Santos, Chicão conta que elas vêm das múltiplas bagagens de seus integrantes. “Nosso ponto de partida para fazer um arranjo é testar todas as ideias que surgirem”, diz. “No começo era bem difícil achar esse “ponto de anarquia”. Mas agora, com três anos de banda, chegamos a um raro entendimento entre nós, e as ideias e decisões fluem tranquilas”, explica. “Somos completamente sem preconceitos musicais. Qualquer “estilo” pode ser parte do arranjo. Então, vamos tendo as ideias mais malucas e sempre as testamos.”

A respeito da participação de Juçara Marçal no espetáculo e da relação da banda com a artista, Chicão conta que todos são fãs de seus trabalhos, tanto no grupo Metá Metá, quanto no Sambas do Absurdo (projeto da cantora em parceria com Rodrigo Campos e Gui Amabis). “A Juçara já participou de um show nosso muito importante, de comemoração de um ano da banda”, conta. “A Mariá também faz sub do Serginho Machado no Metá Metá. Então, tocam juntas algumas vezes”, explica. “Para esse show, faremos duas músicas do repertório da Juçara e ela cantará uma ou duas músicas do nosso repertório.”

Quartabê
domingo 26 de novembro de 2017
às 19h
[duração aproximada: 80 minutos]

ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia-entrada)

[livre para todos os públicos]

Os ingressos podem ser adquiridos pelo site Ingresso Rápido, em seus pontos de venda e pelo telefone 11 4003 1212. Também estão à venda na bilheteria do Auditório Ibirapuera, nos seguintes horários:
sexta e sábado das 13h às 22h
domingo das 13h às 20h

 

Veja também
Highlight large labaq rafamendes 1

LaBaq

A cantora, compositora e instrumentista apresenta o show Voa, com músicas do disco homônimo, o pr...
onde: Itaú Cultural
Highlight large poesiacontraviolencia

Rumos 2015-2016: Poesia Contra a Violência

No processo do projeto Poesia Contra a Violência, a literatura se transfigura: é pertencimento, é prática viva, é coisa cotidiana. Organizado pelo poeta Sérgio Vaz, consiste em levar saraus para escolas de áreas periféricas de São Paulo.