Raquel Trindade relembra sua infância, a trajetória dos pais – os artistas Solano Trindade e Maria Margarida Trindade – e os primeiros contatos com a arte plástica e a dança. Ela fala da transformação de Embu das Artes, da criação do Teatro Popular Solano Trindade, do resgate de danças da cultura afro-brasileira e da participação de sua família na continuação do trabalho cultural. Ao fim, recita o poema Tem Gente com Fome, de seu pai.

Entrevista realizada para a série +70 do Álbum Itaú Cultural, site de música do Itaú Cultural, em julho de 2015, em São Paulo (SP).

Créditos
Gerente do Núcleo de Música: Edson Natale
Coordenadora do Núcleo de Música: Andreia Schinasi
Produção do Núcleo de Música: Bianca Costa
Gerente do Núcleo de Audiovisual e Literatura: Claudiney Ferreira
Coordenadora de conteúdo audiovisual: Kety Fernandes
Produção audiovisual: Roberta Roque
Entrevista: Itamar Dantas
Vídeo: Gasolina Filmes