por Amanda Rigamonti

O diálogo entre clima e ciclos naturais conduziu a artista visual Elisa Pessoa a pensar o projeto agroduração, selecionado pelo Rumos 2017-2018. Em 2015, quando gravava seu trabalho tempo de duração na fronteira entre Brasil e Uruguai, no Rio Grande do Sul, acompanhou parte do ciclo de cultura do arroz e desenvolveu assim o interesse em segui-lo por completo. “As pessoas só falam disso, tudo ali gira em torno desse ciclo, que por sua vez depende totalmente do clima, se choveu ou não, se está seco ou úmido, se tem vento. Vi ali uma relação com o que eu estava fazendo, ‘o quase não controle das imagens’ e o ‘não controle do clima’, que por fim me remetia ao não controle do tempo”, explica.

Decidiu então pensar esse novo projeto, no qual, para acompanhar a cultura do arroz, reproduz o formato de gravação utilizado em tempo de duração, em que há esse quase não controle das imagens: longas tomadas em plano fixo, realizadas a partir de três regras – escolher o quadro, fixar a câmera e deixar a gravação acontecer na extensão total da tomada, que dura de 11 a 13 minutos. “A ideia era não controlar, corrigir ou editar essas imagens – interessava-me ver e dar a ver o tempo passar numa imagem fixa e sem cena”, diz Elisa.

Assim, a artista desembarca neste mês no pampa gaúcho para iniciar o processo de produção do trabalho, que tem a proposta de acompanhar quatro culturas, ainda não definidas, e quatro métodos – o agronegócio, a agricultura familiar, o assentamento que trabalha em cooperativa e a permacultura –, registrando as seguintes etapas: a preparação da terra, o plantio, a manutenção/o controle (irrigação, adubação, uso de agrotóxicos ou não) e a colheita. Em entrevista, Elisa fala sobre sua relação com a região do pampa gaúcho e sobre os métodos e as culturas que pretende registrar.

Qual é o lugar escolhido para os registros? O que a movimenta a fazer essa pesquisa?
O lugar escolhido é o pampa gaúcho. São muitos os fatores que me fizeram optar por essa região, e vou tentar falar um pouco de cada um deles. A ideia surgiu desse outro projeto, tempo de duração, mas essa região me é muito familiar, por eu ter passado ali minhas férias de infância, nos anos 1970 e 1980, quando a cultura do arroz ainda não era o que se tornou hoje. Tenho toda uma história familiar com esse lugar, que se mistura com a história do Brasil: guerras, política, terras, comunismo. A região e suas contradições viraram meu material de trabalho.

Fazia uns 15 anos que eu não ia ao Sul, e o encontro com alguns aspectos da realidade local – a produção industrial de arroz mutagênico e soja transgênica, assim como a criação de gado em escala não menos industrial e a consequente diminuição de pequenos produtores rurais – foi o que deu início a essa pesquisa que intitulei agroduração. O Brasil estava em crise e se falava muito nas commodities. Ouvia dizer que a agricultura – essa de escala industrial – era o que sustentava a economia do país, a exportação. Ao mesmo tempo, eu queria saber onde estavam os pequenos produtores, se havia outras formas de cultivo de terra que não fossem com defensivos – os famosos agrotóxicos.

Por acaso encontrei dois assentados do Movimento Sem Terra (MST) numa fazenda do estado, cedida a eles por quatro anos para a criação de gado e na qual era usado o método André Voisin. Fiquei sabendo que havia três assentamentos no município. Fui até a Emater [Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural] de Dom Pedrito [município gaúcho], que me colocou em contato com pessoas da agricultura familiar e com assentados, os quais também praticam a agricultura chamada familiar, mas em cooperativa. Participei de um “dia de campo” numa propriedade de 4 hectares de um agricultor familiar.

A diferença de escala era impressionante. Eu havia visitado fazendas de arroz e soja que tinham 800, mil, 2 mil hectares... E ali, 4 hectares muito bem aproveitados e com uma cultura diversa, numa escala humana. Ainda não sabia o que iria fazer com isso, sentia uma urgência em trabalhar esse assunto. Há um pensamento hegemônico em relação ao agronegócio, mas também uma resistência. Parecia que ali, naquela pequena cidade, eu tinha um recorte exemplar da desigualdade e da contradição do país.

Como você pensou as questões de local, escala e cultura?
A questão da escala foi determinante para o projeto, porque eu poderia abordar o assunto de forma concreta. De fato, a diferença aparece no quadro, se eu uso a mesma lente e uso a cerca que demarca a propriedade como limite para o meu quadro. Por exemplo, num latifúndio usando a lente de 50 milímetros, o plano é aberto e mostra um campo sem fim com máquinas passando ao longe. Numa pequena propriedade, o plano fica fechado e vemos uma pessoa plantando de perto. Então acho que estou falando de várias coisas, mas usando um dispositivo muito simples: máquinas/pessoas, pequena/grande escala. O projeto agroduração não é apenas, embora seja também, um registro de práticas humanas – ou não –, práticas essas totalmente vinculadas ao tempo, no sentido do clima. Todos os casos dependem de condições climáticas para trabalhar.

Já tinha definido que filmaria os campos do agronegócio, a agricultura familiar, o assentamento que trabalha em cooperativa, mas ainda ficava faltando o orgânico. Quem ali plantava completamente sem agrotóxicos? Um amigo me falou do Ipep [Instituto de Permacultura do Pampa], na cidade vizinha de Bagé, onde praticam a agricultura solar, que envolve diferentes técnicas para cada bioma, com base na permacultura. Assim, eu defini esses quatro quadros, quatro “casos”.

O interesse pela região também tem a ver com a ideia de fronteira, limite, delimitação. Com uma região periférica, longe dos centros. O isolamento contrastado com a extensão dos campos, as cercas tão presentes que demarcam áreas de cultivo e propriedades privadas. Tem a ver com as fronteiras como discursos de poder, a utilização das cercas como instrumentos de exclusão e inclusão, pertencimento e não pertencimento. Quando construímos um limite, representado aqui pela cerca, excluímos o outro, mas somos automaticamente excluídos também. O mundo, por essa perspectiva, é fragmentado em realidades concorrentes, com uma fraca esperança de compreensão entre elas.

Acho que agroduração é o meu trabalho mais político e, apesar de ele estar todo desenhado, projetado, ainda não sei exatamente no que vai dar. Vou encontrando no caminho muitas variantes, de diversas naturezas.

Como funciona a relação com o clima em cada um desses métodos?
A agricultura é um conjunto de técnicas de cultivo de plantas que usa a terra com o mesmo objetivo final, que é a produção de alimentos. Toda planta tem seu ciclo de vida. Portanto, existe uma questão climática que se aplica a todos os métodos. Cheguei a Dom Pedrito há uma semana para acompanhar a construção de taipas para o plantio de arroz (agronegócio) e o plantio de melão numa pequena propriedade. Mas chove há sete dias, logo nada acontece. Existe um tempo de espera, aflitivo para mim e comum para eles, mas que é interessante também, pois acaba fazendo parte do projeto. Não dá para controlar o tempo.

Existe outra coisa comum a todos, que é o risco. Ele pode até ser minimizado no agronegócio, mas, se chove muito na época de colheita do arroz ou da soja, por exemplo, mesmo usando muita química, a questão da produtividade é invariavelmente abalada.

Agora vou filmar ciclos de cultura diferentes com tempos diferentes. O arroz é plantado em outubro e colhido em abril, num ciclo de quase 6 meses; a alface tem um ciclo que varia de 35 a 60 dias; o milho, de 3 a 10 meses; a soja tem um ciclo de 5 meses; o feijão, de 80 a 100 dias; o melão é colhido entre 70 e 80 dias. Vou filmar o máximo possível de culturas e formas, para depois entender o que será exposto. Mas a ideia é que eu consiga dar conta de quatro culturas, quatro métodos em três ou quatro tempos diferentes: a preparação da terra, o plantio, a manutenção/o controle (irrigação, adubação, uso de agrotóxicos ou não) e a colheita.

Qual é a proposta de apresentação do trabalho?
Penso numa instalação com diferentes elementos: quatro projeções de vídeo em uma sala quadrada ocupam as quatro paredes. Cada projeção apresenta uma forma de cultivar a terra. Como disse antes, as imagens são longas tomadas em plano fixo. Cada projeção apresenta pelo menos três etapas de cultivo – plantação, manutenção da lavoura e colheita. No chão, mapas das propriedades que estão nas imagens, o georreferenciamento de cada uma, semicobertos de terra. Ao lado de uma das projeções, um pluviômetro usado para medir a chuva nos campos. Assim como em tempo de duração, em que coloquei ossos de bichos achados nos campos e colecionados ao longo do processo de gravação, penso que haverá outros objetos que surgirão durante a feitura do projeto e que serão incorporados à instalação.

Veja também