por Alexandre Ribeiro e Nayra Lays

Sankofa, essa que norteia nossas palavras, não só pode significar "volte e pegue", como também é o símbolo que voa sem esquecer o passado. Sankofa, essa que nomeia a coluna, foi-nos cervical para entender esse troço de ser nós. E é com calmaria no peito que vamos sendo no dia de hoje.

Pensar além do questionamento identitário e quebrar o local social. Ser melhor a cada dia e trilhar caminhos de liberdade. Florescer o plantio de nossos ancestrais. Atitudes essas que, a cada palavra semeada, nos entregaram o poder do conhecimento. Capazes de nos fazer entender que não inventamos a roda, mas que nossas ações podem reinventá-la.

A palavra encheu os olhos feito ribeira de vida. Escrever passou por descoberta e fez morada no ser. Nós escrevemos porque nos buscamos. Desde que aceitamos o convite para cocriar e alimentar uma coluna, no início de 2017 (como passa rápido!), precisamos conscientemente tomar a responsabilidade de reescrever o que tem sido escrito de formas limitadas e equivocadas. Não é sobre quem escreve melhor; é sobre a quantas versões da mesma história nossas filhas e nossos filhos terão acesso. É sobre possibilidades múltiplas, que não percam de vista as humanidades e que sejam validadas da mesma forma.

Sankofa: Se wo were fi na wo sankofa a yenkyi – Não é errado voltar atrás pelo que foi esquecido (imagem: divulgação)

É preciso entender a importância dos plurais ao falar de juventudes, periferias, pessoas negras. Pessoas. Dos lugares de onde viemos às conversas que antecederam a escrita dissemos muito. Mas, diante do cenário político que se estabelece, não temos dúvida de que precisaremos dizer ainda mais. E não só dizer. Quando olhamos outras versões de nossa história, encontramos pessoas que trabalharam por outras possibilidades de sociedade, desde a fundação deste país, como fizeram Zumbi, Beatriz Nascimento, Abdias Nascimento, Lélia Gonzalez, Conceição Evaristo e tantos outros. De fato, não existe nada de tão novo sob o nosso sol. Sigamos.

Para o porvir, pedimos força e esperança para seguir enxergando na palavra a oportunidade de ser portal. Sem esquecer que, mesmo após todas as tentativas de destruição pela raiz, ainda estamos aqui, propondo novos modelos mentais. Isso exige coragem. 

Vivos, potentes e criadores seguiremos. Que nunca nos falte força realizadora. Combinamos de não morrer. Axé.

Veja também

Agradecer por ter nascido pobre

Cada um tem sua experiência, sua vivência, seu sentido. Eu, no meio desta guerra em que vivemos, encontrei minha tática bélica na súplica: “Obrigado, vida, por eu ter nascido pobre”