por Letícia de Castro

Foi em 2014 que os dançarinos mineiros Victor Alves e Oscar Capucho se uniram em torno de uma pesquisa sobre os sentidos físicos: tato, paladar, audição, olfato e visão. Desse encontro surgiu o espetáculo Sentidos, focado na representação coreográfica das sensações humanas.

Cego desde os 9 anos, Capucho desenvolve um trabalho de sensibilização corporal a partir da dança, enquanto Victor atua com dança urbana (ele é fundador da Laia Cia. de Danças Urbanas, de Belo Horizonte). Depois de Sentidos, o próximo passo da dupla foi a montagem de E a Cor a Gente Imagina, que dá continuidade às pesquisas iniciadas no primeiro espetáculo.

Nesse segundo projeto, a dupla explora as diferenças físicas e as experiências diversas que envolvem o cotidiano dos dois artistas. Em um mundo predominantemente visual, a performance mostra o que há de diferente entre o corpo do cego e aquele de quem enxerga e investiga a memória e a imaginação a partir da realidade da pessoa com deficiência visual.

A peça estreou em Belo Horizonte, em 2016, mas para os artistas não bastava apresentar o trabalho na capital mineira. Eles queriam fazê-lo circular em outras cidades e, para viabilizar isso, conseguiram o apoio do Rumos Itaú Cultural. Entre outubro e dezembro de 2018, Alves e Capucho viajaram por sete cidades com a peça: Viçosa, Ouro Preto, Tiradentes, Araxá, Diamantina (todas em Minas Gerais), São Paulo e Rio de Janeiro. “Para nós era fundamental que o espetáculo encontrasse seu público; por isso, em cada localidade, entramos em contato com instituições de apoio a deficientes para fazer parcerias”, conta Alves.

Todas as apresentações aconteceram em espaços acessíveis e contaram com audiodescrição e interpretação na Língua Brasileira de Sinais (Libras), além de um bate-papo com os artistas ao final do espetáculo. A dupla também ofereceu, em cada cidade por onde passou, oficinas a até 30 pessoas com idade a partir de 12 anos. Alves ministrava uma atividade de dança contemporânea e Capucho uma de sensibilização corporal. Um dos momentos mais interessantes, segundo Alves, foi a passagem por Viçosa, onde acontecia o Simpósio de Dança em Cadeira de Rodas, na universidade federal da cidade. As oficinais reuniram deficientes visuais, dançarinos, coreógrafos e cadeirantes.

Para elaborar o número, os artistas fizeram uma pesquisa minuciosa, que teve início em 2015 e contou com uma imersão no Instituto São Rafael, escola na capital mineira que é referência em educação para cegos. Lá, eles puderam acompanhar atividades dos estudantes e discutir as sensações que permeiam a vida sem visão: o medo, a afetividade, o amor, a solidão, as diversas texturas do dia a dia. “Na dança, isso foi construído por meio do tato, da memória fotográfica que cada corpo, o cego e o vidente, possui e das diferenças imagéticas e perceptivas em relação ao movimento. O espetáculo mostra como esses corpos se deslocam, lidam com os espaços e entendem a dança”, conclui Alves.

Veja também

Cinco livros publicados com apoio do Rumos

Pensando na vasta lista de projetos selecionados nas edições mais recentes do Rumos Itaú Cultural, preparamos uma relação com cinco obras que foram escritas e publicadas a partir de 2013. As HQs, sempre presentes, terão uma lista própria

Comunidade Carcará

Em seu terceiro vídeo feito especialmente para o site do Itaú Cultural, Filipe Alves visitou a comunidade quilombola do Caracará (CE)