A Pajé Filmes promove no dia 20 de julho o lançamento do curta-metragem de animação Mãtãnãg, a Encantada. O evento, realizado no MIS Cine, em Belo Horizonte (MG), contará com uma apresentação da trajetória da produtora – voltada para a criação de filmes indígenas – e do projeto Mãtãnãg, a Encantada, selecionado no edital 2017-2018 do Rumos Itaú Cultural.

Além do novo curta, serão exibidos na sequência outros dois trabalhos da Pajé Filmes, Xupapoynãg (2012) e Konãgxeka (2016). As ações acontecem durante a Virada Cultural de Belo Horizonte.

>> Conheça mais sobre o projeto Mãtãnãg, a Encantada

Cartaz de divulgação de "Mãtãnãg, a encantada" (imagem: divulgação)

Mãtãnãg, a Encantada acompanha a trajetória da índia Mãtãnãg, que segue o espírito de seu marido, morto por uma picada de cobra, até a aldeia dos mortos. Juntos eles superam os obstáculos que separam o mundo terreno do mundo espiritual.

Falado em língua Maxakali e legendado, o curta se baseia em uma história tradicional do povo indígena Maxakali. As ilustrações para o filme foram realizadas em oficina na Aldeia Verde, no município de Ladainha (MG).

Lançamento do curta-metragem Mãtãnãg, a Encantada
sábado 20 de julho de 2019
às 17h
MIS Cine – Santa Tereza | Rua Estrela do Sul, 89 – Belo Horizonte, MG
informações: 31 3277 4699

Entrada gratuita

Ficha técnica

Direção: Charles Bicalho e Shawara Maxakali
Pesquisa e roteiro: Charles Bicalho e Pajé Totó
Consultoria cultural: Isael Maxakali e Sueli Maxakali
Direção de animação: Jackson Abacatu
Ilustração: Alexandre Maxakali, Ariston Maxakali, Cassiano Maxakali, Eliana Maxakali, Erismar Maxakali, Evaldo Maxakali, Gerente Maxakali, Mamei Maxakali, Marcinho Maxakali, Marcos Maxakali, Paulinho Maxakali e Shawara Maxakali
Coordenação de oficina de ilustração: Jackson Abacatu
Storyboard: Jackson Abacatu
Montagem: Charles Bicalho, Jackson Abacatu e Marcos Henrique Coelho
Design de produção: Charles Bicalho, Jackson Abacatu e comunidade Maxakali da Aldeia Verde
Canto: Alexandre Maxakali, Ariston Maxakali, Cassiano Maxakali, Gerente Maxakali, Isael Maxakali, Pajé Mamei Maxakali e Shawara Maxakali
Vozes de diálogo: Alexandre Maxakali (pajé), Ariston Maxakali (esposo de Mãtãnãg), Eliane Maxakali (amiga de Mãtãnãg) e Shawara Maxakali (Mãtãnãg)
Tradução de maxakali para português: Charles Bicalho, Isael Maxakali e Sueli Maxakali
Tradução de português para espanhol e inglês: Charles Bicalho
Som direto: Guilherme Bahia
Design sonoro: Guilherme Bahia
Produção: Charles Bicalho, Cláudia Alves e Marcos Henrique Coelho
Produção de animação: Etama Produções
Animação adicional: Arlen Siqueira e Thiago Franco
Finalização de imagem: Jackson Abacatu
Finalização de áudio: Guilherme Bahia
Coordenação de pós-produção: Charles Bicalho
Arte gráfica: Charles Bicalho e Jackson Abacatu
Realização: Pajé Filmes

Veja também

Mekukradjá: ver com ouvidos atentos

Uma cobertura do Mekukradjá 2018: a importância da oralidade; saber acadêmico sobre o indígena versus saber acadêmico do indígena; e o uso das tecnologias para defender a cultura