Dando continuidade às reflexões sobre o centenário da “Semana de arte moderna”, trazemos Amara Moira como terceira convidada da série. A escritora, doutora em teoria literária pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp/SP) e ativista, fala da sua percepção sobre a semana histórica, ressaltando que, para a analisarmos de forma mais ampla, temos que pensar nas dissidências. “Dissidências quando a gente pensa em questões de gênero, de raça, de orientação sexual”, afirma.

Veja também:
>>“Centenário da Semana de 22” – Heloisa Hariadne
>>
“Centenário da Semana de 22” – Luz Ribeiro
>>Série reflete sobre os 100 anos da “Semana de arte moderna” no site do Itaú Cultural
>>O que foi a “Semana de arte moderna”, segundo a “Enciclopédia Itaú Cultural

“Ela é um marco, mas apaga outras questões que consideramos como outros modernismos. Isso que a gente chama de modernismo não era entendido de forma unânime como o modernismo. Era colocado como o modernismo paulista. Pensar no novo modernismo é pensar em uma possibilidade de reinvenção que não apague a nossa história”, explica Amara.

A série segue até dezembro, com conteúdos publicados sempre na última quarta-feira do mês.

Mulher branca, com os cabelos castanhos e ondulados na altura dos ombros, aparece em frame de vídeo enquanto dá um depoimento. Ela está sentada, usa camiseta preta sem mangas e está diante de uma estante de livros. Na estante há também uma bandeira colorida, da causa LGBTQIA+.
Amara Moira é escritora e ativista (imagem: frame de vídeo)

ITAÚ CULTURAL

Presidente: Alfredo Setubal
Diretor: Eduardo Saron
Gerente do Núcleo de Comunicação e Relacionamento: Ana de Fátima Sousa
Coordenador do Núcleo de Comunicação e Relacionamento: Carlos Costa
Entrevista: William Nunes
Identidade visual: Guilherme Ferreira
Gerente do Núcleo de Audiovisual e Literatura: Claudiney Ferreira
Coordenadora do Núcleo de Audiovisual e Literatura: Kety Fernandes Nassar
Produção audiovisual: Roberta Roque
Captação de imagens remotas: WT1 (terceirizada)
Edição: Anna Lucchese (terceirizada)
Motion design: João Zanetti (terceirizado)
Interpretação de Libras: Ponte Acessibilidade (terceirizada)

O Itaú Cultural integra a Fundação Itaú para Educação e Cultura. Saiba mais em fundacaoitau.org.br.

Veja também
Frame do jogo Tunic. Na imagem, o personagem principal, uma raposa, está em frente a uma grande porta dourada. A porta está em uma grande estrutura que aparenta ser um templo, com duas grandes estátuas de cada lado da porta

Mistérios como antigamente

Jogo independente de aventura, “Tunic” se tornou um dos títulos mais comentados e aclamados dos últimos tempos.