O forumdoc.bh – Festival do Filme Documentário e Etnográfico acontece anualmente em Belo Horizonte, em Minas Gerais, desde 1997. Em maio, o evento apresenta em São Paulo obras que se destacaram na sua edição mais recente, entre documentários, ficções e filmes híbridos – sempre às terças-feiras.

No dia 7 serão exibidos Encontro com Iemanjá: para Além dos Olhos (2018), de Ricardo Moura, e Orí (2009), de Raquel Gerber; no dia 14, Noir Blue – Deslocamentos de uma Dança (2018), de Ana Pi, Rapsódia para um Homem Negro, (2015), de Gabriel Martins, Nome de Batismo – Alice (2017), de Tila Chitunda e Parque Oeste (2018), de Fabiana Assis.

No dia 21 será a vez dos filmes Bimi, Shu Ikaya (2018), de Isaká Huni Kuin, Zezinho Yube e Siã Huni Kuin, e Deekeni – os Olhos de Wiyu (2018), de Júlio Yek'wana e José Cury. A programação se encerra com Maré (2018), de Amaranta Cesar, Terremoto Santo (2017), de Bárbara Wagner e Benjamin de Burca, e Inaudito (2017), de Gregorio Gananian, no dia 28.

Para saber mais sobre as obras exibidas, acesse a aba Programação.

O evento conta ainda com a oficina Cinema Brasileiro e Afro Religiões, que propõe um debate sobre diferentes modalidades de representação de formas de expressão afro religiosa no Brasil no documentário brasileiro moderno e contemporâneo. O curso acontece nos dias 8 e 9 de maio e as inscrições vão de 15 a 26 de abril. 

Janela forumdoc
terças 7, 14, 21 e 28 de maio de 2019
às 19h
Sala Itaú Cultural (piso térreo) – 224 lugares

[confira a classificação indicativa de cada sessão na aba Programação]

distribuição de ingressos
público preferencial: uma hora antes do espetáculo | com direito a um acompanhante – ingressos liberados apenas na presença do preferencial e do acompanhante
público não preferencial: uma hora antes do espetáculo | um ingresso por pessoa

Clique aqui para saber mais sobre a distribuição de ingressos.

Veja também

A senhora me viu, subiu o vidro e saiu correndo

Queria poder pensar em dias melhores. Queria que a consciência racial fosse presente e nós, a camada mais pobre, parasse de sofrer por tão pouco. Eu quero ir além da vida ou morte. Eu não quero ter medo de viver