Cabra Marcado para Morrer (1984) tem muito a dizer sobre o período em que foi produzido. Mas o que essa e outras obras de Eduardo Coutinho podem dizer – se é que podem – sobre o momento atual do Brasil?

Depoimentos de:

Beth Formaggini, diretora de produção em Babilônia 2000 (2001), Edifício Master (2002) e Peões (2004).

Cristiana Grumbach, diretora-assistente em Jogo de Cena (2007) e assistente de direção em Santo Forte (1999), Babilônia 2000 (2001), Edifício Master (2002), Peões (2004) e O Fim e o Princípio (2005).

Eduardo Escorel, diretor, montador e crítico de cinema, assinou a montagem de Cabra Marcado para Morrer (1984).

Eduardo Coutinho é o artista homenageado da 47ª edição do programa Ocupação Itaú Cultural, que desenvolve exposições, produtos e atividades ligadas a nomes fundamentais da arte e da cultura brasileiras.

Saiba mais sobre a Ocupação Eduardo Coutinho.

Créditos:
Presidente: Milú Villela
Diretor-superintendente: Eduardo Saron
Superintendente administrativo: Sérgio Miyazaki
Núcleo de Audiovisual e Literatura
Gerência: Claudiney Ferreira
Coordenação: Kety Fernandes Nassar
Pesquisa e produção-executiva da Ocupação Eduardo Coutinho: Ana Paula Fiorotto e Paula Bertola
Produção audiovisual: Paula Bertola
Captação, roteiro e edição: Karina Fogaça
Assistência de câmera: Cassandra Mello (terceirizada)
Som direto: Raquel Vieira (terceirizada)
Núcleo Memória e Pesquisa
Gerência: Tatiana Prado
Coordenação: Eneida Labaki
Pesquisa e produção-executiva da Ocupação Eduardo Coutinho: Fernando Galante
Digitalização de documentos: Fernando Galante e Talita Yokoyama
Núcleo de Comunicação e Relacionamento
Gerência: Ana de Fátima Sousa
Coordenação: Carlos Costa
Entrevistas: Thiago Rosenberg

Veja também

Versões do tempo – Jogo de Cena

A pesquisadora, crítica e ensaísta Ilana Feldman e o crítico, pesquisador de cinema e cocurador da Ocupação Eduardo Coutinho Carlos Alberto Mattos falam sobre a importância de Jogo de cena, de Eduardo Coutinho