Aprovado pelo programa Rumos Itaú Cultural 2013-2014, o projeto Una Shubu Hiwea – Livro Escola Viva surgiu para difundir os conhecimentos dos Huni Kuin, maior população indígena do Acre. A publicação originária do projeto – organizada pela Dantes Editora, da proponente Anna Paula Martins – tem papel fundamental na preservação e na transmissão da sabedoria desse povo indígena.

Apresentado em versões em português e hatxa kuin (idioma Huni Kuin), o livro reúne anotações, desenhos e registros feitos pelos próprios pajés e por aprendizes de 36 aldeias Kaxinawá – como a população também é conhecida –, além de informações sobre plantas medicinais e tratamentos de cura conhecidos e utilizados por eles.

Agora, com o lançamento do site, todo o conteúdo oriundo da pesquisa realizada por Anna e uma equipe multidisciplinar está organizado em um único endereço e à disposição de quem quiser saber mais sobre a cultura dessa população indígena.

Clique aqui para ser redirecionado ao site Una Shubu Hiwea – Livro Escola Viva.

Processo de montagem da exposição Una Shubu Hiwea (imagem: André Seiti/Itaú Cultural)

Veja também:
>>
Rumos Itaú Cultural 2019-2020 teve mais de 11 mil projetos inscritos
>> Ouça os episódios do podcast Mekukradjá

Documentário

O projeto também ganhou a mostra Una Shubu Hiwea – Livro Escola Viva do Povo Huni Kuin do Rio Jordão, realizada no Itaú Cultural, em São Paulo, de 6 de dezembro de 2017 a 13 de fevereiro de 2018. Em dois pisos do instituto foram exibidas algumas facetas do conhecimento do povo Huni Kuin.

Como parte da exposição, um documentário foi produzido durante as viagens de elaboração do livro. No filme, o pajé Dua Busã, que vive na Aldeia Coração da Floresta, no Acre, conta um pouco de seu trabalho e de como vive o povo Huni Kuin, que habita 36 aldeias do Rio Jordão (AC), onde procura manter sua tradição viva.

Veja também

Luciano Ariabo Kezo – Mekukradjá

Luciano fala sobre as várias formas de existência da literatura em seu povo e reflete sobre o que seria uma literatura indígena. Além disso, comenta sobre as limitações da análise ocidental sobre as culturas indígenas