* O material nnão está mais disponível para leitura.

Entregar-se ao exercício inventivo pode ser, entre vários caminhos, construir um depois em palavras. Em momentos de incerteza coletiva, então, a potência do amanhã se faz ainda mais presente. Pensando nisso, o edital Arte como Respiro (ação do Itaú Cultural para movimentar a economia criativa hoje) dedicado à literatura incentivou os participantes a imaginar a vida no pós-pandemia. De 12.982 inscritos, foram escolhidos 200 trabalhos, cujos autores representam 24 estados do país.

>> Festival Arte como Respiro 4ª edição exibe mais de 400 artistas

Dos selecionados, 25 são de Poesia Falada e 175 da categoria Escrita (minicontos e poemas) – sendo deste conjunto as obras que compõem este livro. Vale salientar ainda que este volume, intitulado Matéria de Falta, é o quarto de uma série de cinco compilações, as quais, a partir de prismas variados, convidam o leitor para o futuro. Ou melhor: para muitos futuros. 

O que se diz a seguir fica em suspenso. Não exatamente a frase ou o verso, mas aquilo que é carne do vazio. As próximas páginas são assim, 800 caracteres a costurar lacunas, memórias, gritos sussurrados,  abraços no ar.

Veja também

Leituras em tempos de pandemia

Em novo texto para a sua coluna, Ramon Vitral afirma: "Há tempos não lia tão pouco quadrinhos, há tempos não lia tão bem quadrinhos"