Classificação indicativa: Livre

Na sexta-feira 5 de abril, às 15h, a Orquestra Furiosa do Auditório – formada por 37 jovens músicos e 3 cantores, todos alunos da escola de música do Auditório Ibirapuera – se apresenta no foyer da casa, sob a regência de Debora Gurgel.

“Para mim é uma honra e uma responsabilidade muito grande substituir o Nailor Proveta, regente titular da Furiosa, nesta apresentação. No linguajar dos músicos, dizemos que estou ‘fazendo sub dele’”, fala Debora Gurgel. “Ele é um músico e um ser humano que eu admiro demais. Espero cumprir esse papel com toda a categoria e da mesma maneira que ele faria.”

Composto exclusivamente de música brasileira, com especial atenção para o popular, o repertório da apresentação reflete a filosofia de ensino da Escola do Auditório. “O espetáculo traz obras de grandes artistas brasileiros e começa com uma suíte de canções paulistas. Passamos ainda por composições de Paulinho da Viola, Tom Jobim e Chico Buarque, Milton Nascimento e Dorival Caymmi, entre outros. Os arranjos são do Proveta e do Edson José Alves”, conta Debora.

Criada em 2010, a Orquestra Furiosa do Auditório parte da formação de big band com nuances de regional de choro, percussão sinfônica e banda de coreto. Seus integrantes são alunos que estão terminando os estudos na Escola do Auditório (que têm duração de cinco anos) e/ou recém-formados. Conforme explica a regente, nessa orquestra – último nível pelo qual os estudantes passam durante os anos de aprendizado – os desafios e possibilidades são maiores, exigindo-se mais de seus integrantes e proporcionando a eles uma experiência bem próxima a de uma orquestra profissional.

“Todas as orquestras da escola (Pré-Obinha, Obinha, Oba e Furiosa) estão na nossa grade curricular como prática de tocar em grupo. Ou seja, são uma disciplina obrigatória”, explica. “Os arranjos e repertórios de cada uma dessas formações são adequados ao nível que os alunos estão cursando. Para ter uma ideia de como isso funciona, para cada instrumento há a definição do que eles podem tocar em termos de notas que alcançam e em termos de rítmica”, fala Debora. “Discutimos termos artísticos e não só didáticos, sobre o que essa ou aquela música representa, sobre o que queremos apresentar com cada uma delas. É uma experiência muito interessante.”

Debora Gurgel acrescenta que, apesar do enorme prazer de poder participar da formação e orientação pessoal e artística desses e dos demais alunos da Escola do Auditório, sente quando eles terminam o curso e deixam a escola partindo para a vida profissional – mesmo sabendo que provavelmente encontrará muitos desses jovens instrumentistas nos palcos, país afora.

“É um misto de alegria, realização e tristeza. Todos os sentimentos vêm à tona, já que sabemos que não vamos vê-los mais (eu e os demais professores) com tanta frequência”, diz. “Nosso convívio com eles aqui é muito intenso. É um convívio humano e não só didático. Embora seja uma despedida da sala de aula, dos ensaios e das apresentações da escola, é um orgulho ver que eles já estão por aí tocando profissionalmente, muitas vezes, comigo. Eles já são colegas de profissão. É muito bonito isso.”

Música no Foyer | Orquestra Furiosa do Auditório
sexta 5 de abril de 2019
às 15h
[duração aproximada: 70 minutos]

Entrada gratuita [a apresentação será no foyer do Auditório Ibirapuera]

[livre para todos os públicos]

abertura da casa: 90 minutos antes do espetáculo

Veja também