Oráculo
Imagem de uma pessoa de costas, com uma sacola nas costas escrito Arte aqui eu mato.
imagem: Gervane de Paula

Arte que vem do mato

“Um conselho: carregue sempre um pedacinho de pau para, pelo menos, amaciar o mato e percorrer os caminhos”, escreve a colunista Naine Terena
Imagem da obra Quem roubou essas memórias, 2016, de Naine Terena. A foto mostra seis chinelos dispostos numa parede branca.
imagem: Naine Terena

Corpos dóceis

Naine Terena escreve sobre ancestralidade e resistência em um mundo que quer apagar sua história
Um grupo de pessoas indígenas estão reunidos, há pessoas filmando e alguns objetos pelo chão. Imagem do Coletivo Manoki.
imagem: Coletivo Manoki

Economia indígena (?)

Em seu segundo texto para a coluna Oráculo, Naine Terena pontua questões sobre a produção cultural e a economia que gira em torno das comunidades indígenas