por Milena Buarque Lopes Bandeira

Ao lançar um álbum novo, Antonia Morais sente que se esvazia. O tempo passa e novos estímulos e impulsos a levam a outros projetos. “Faço uma colagem na minha cabeça de tudo que vejo, vivo, e do que não vivo também durante esse tempo. Transformo isso em música, imagens, estética e conceito”, diz a artista.

Em setembro deste ano, durante a desaceleração imposta pelo período de isolamento e distanciamento sociais durante a pandemia, a cantora lançou Luzia 20.20, seu segundo álbum, com canções em português, sons mais orgânicos e calmos. “Mais próximo da música do Brasil, porém com a minha personalidade”, explica.

Em entrevista ao Itaú Cultural (IC), Antonia falou sobre criação, caminhos e descobertas musicais. De Baco Exu do Blues a Beethoven, a artista compartilha quem foi e segue sendo marcante para a construção de seu som e de sua identidade musical. Confira a seleção afetuosa e melancólica – “Sou uma leonina com a casa em Peixes”, diz ela – e salve a playlist que montamos no Spotify.

Antonia Morais (imagem: Ludgero Paiva)

Você lançou Luzia 20.20 em setembro. Como foi o processo de elaboração do disco? E por que “Luzia”?

Eu vinha sentindo a vontade de fazer música novamente e já sabia que queria que meu segundo álbum fosse em português, com sons mais orgânicos, mais calmos e mais próximo da música do Brasil, porém com a minha personalidade. Comecei a compor em Bonito. Quando voltei para São Paulo, conheci a Barbara Ohana e expliquei a ela meus desejos. Ela foi fundamental na organização de todas as minhas vontades. Em duas semanas compus todas as letras e melodias e fizemos o álbum.

“Luzia” é uma homenagem ao primeiro fóssil encontrado na América do Sul, que, aparentemente, pertencia a uma mulher. Luzia 20.20 é um álbum feito por mulheres. Esse fóssil foi queimado no Museu Nacional e reconstruído depois. Achei isso simbólico, não só pelo fato em si, que foi um descaso com a nossa história, mas me identifiquei com esse movimento de renascer das cinzas, de me reconstruir. Acho que estou sempre fazendo isso na minha vida. Quando mudamos para o ano de 2020, achei que seria um contraste bonito unir um nome que representa a nossa ancestralidade com o ano de lançamento do álbum; 2020 foi um ano de desafios para o mundo, um número redondo que representa o futuro e a nova era.

Como criar em um período de isolamento? Como você costuma fazer nascer seus projetos?

Luzia 20.20 foi produzido antes da pandemia, mas, de fato, a quarentena foi fundamental para que eu tivesse um cuidado e um preciosismo com os detalhes da pós-produção, que no ritmo normal da vida talvez eu não tivesse tido. De qualquer forma, os meus projetos musicais sempre nascem de uma necessidade de expressão muito visceral, que vai se acumulando em mim. Por isso, inclusive, o espaço tão grande de tempo entre um e outro. Sinto que me esvazio depois de criar um álbum, preciso de um tempo para acumular novos estímulos e impulsos dentro de mim. Faço uma colagem na minha cabeça de tudo que vejo, vivo, e do que não vivo também durante esse tempo. Transformo isso em música, imagens, estética e conceito.

E como foi o caminho traçado por você do primeiro disco, Milagros, para o segundo. Quais são suas principais distâncias e aproximações?

Foi muito natural. Eu tinha meus desejos guardados dentro de mim, mas sabia que na hora certa as coisas resultariam de uma hora para outra. Meus processos são um pouco assim. De uma hora para outra surge um rompante e tudo resulta de forma inesperada e surpreendente.

Na música, quais são suas referências? Quais são suas outras inspirações na vida?

Eu me inspiro muito no meu pai [Orlando Morais], no Caetano Veloso, na Gal Costa, no João Gilberto, no Kanye West, no Baco Exu do Blues, no Michael Jackson, na Maria Bethânia, no Beethoven, no Marilyn Manson, no Kurt Cobain, em Crystal Castles e no Julian Casablancas, entre outros. Na vida, eu me inspiro muito na natureza, no próprio movimento da vida, na tecnologia, no avanço das coisas, na amplitude, no futuro.

Recentemente, você se deparou com algum artista que não conhecia e que tenha gostado da obra?

Sim, uma banda americana chamada The Symposium e uma banda bielorrussa chamada Molchat Doma.

Qual a melhor forma de desanuviar estando em casa? Como você tem estado nos últimos meses?

Fiz bastante exercícios físicos e escrevi bastante poesia, mas confesso que não foi fácil para mim a quarentena, embora eu seja grata por ter a situação mais privilegiada possível. Sou hiperativa e não morava com a minha família há muitos anos. Me gerou muitos conflitos internos e pessoais, mas sinto que foi um momento de muito aprendizado. Estou em outro lugar agora. Estou muito feliz de poder voltar a trabalhar e estar em atividade. Isso faz com que eu me sinta viva e realizada.

Temos uma coluna no site do IC na qual perguntamos aos artistas: como você se imagina amanhã? Aproveito e faço o mesmo questionamento a você.

As coisas são tão surpreendentes. A gente nunca sabe o que pode acontecer. Hoje em dia prefiro viver o momento, o agora. Tudo pode acontecer amanhã.

Confira as músicas escolhidas por Antonia Morais:

1. “Pode me Odiar”, de Giovani Cidreira

Descobri essa música na quarentena e ela é meio melancólica. Eu gosto da produção dela também. E, sei lá, acho que simplesmente gosto dela.

2. “Sudno”, de Molchat Doma

Essa canção é da banda bielorrussa Molchat Doma, que eu descobri na quarentena. Estou superviciada e simplesmente gosto muito. Também não tem muito um motivo específico.

3. “Human Sadness”, de The Voidz

Essa é uma canção que me deixa triste e, ao mesmo tempo... Sou uma leonina com a casa em Peixes, então acho que gosto de certa melancolia na minha vida.

4. “LA Who Am I to Love You”, de Lana Del Rey

É tipo um podcast que ela lançou agora e é superpoético. Uma música falada. Acho bonito isso. E tem uma melodia linda atrás. Acho muito contemplativo.

5. “The 80’s”, de The Symposium

É uma banda que eu descobri recentemente também, que eu gosto muito. É uma música que me lembra um pouco as bandas antigas. Mas ela não é de uma banda antiga. É de uma banda bem recente. E aí eu fui procurar um vídeo dessa banda no YouTube e parece uma banda de escola. É bem engraçado.

6. “Me Desculpa Jay-Z”, de Baco Exu do Blues

Essa música é uma das minhas preferidas do Baco. E eu amo o Baco. Eu simplesmente amo a letra. Acho muito incrível. Amo a melodia também.

7. “Drag Queen”, de The Strokes

Porque eu ouvi muito Strokes nesta quarentena. “Drag Queen” é simplesmente uma música deles que eu nunca tinha talvez parado para prestar muita atenção. E, durante este período atual, eu parei para prestar muita atenção nessa canção.

8. “Lagrimas Negras”, de Gal Costa

Quando eu estava fazendo meu clipe, sem querer caí nessa música. Ela me chamou muito atenção. E eu percebi como a letra é maravilhosa. E eu amo a Gal.

9. “Nine Out of Ten”, de Caetano Veloso

Eu amo Caetano, ele é um dos meus ídolos e essa música me dá muita coragem. É uma música que me incentiva, uma música que... Ela me motiva, ela me dá incentivo de ser quem eu sou. E me dá coragem de ir atrás dos meus sonhos.

10. “Guilty Conscience”, de 070 Shakes

Ela é uma das escolhidas porque ouvi muito antes de fazer meu clipe de “Xilíkis” e ela é melancólica e triste. Eu gosto disso porque tenho bastante coisas na casa de Peixes, então acho que isso acaba comigo.

11. “Bound”, de Ponderosa Twins plus One

Porque ela inspirou Kanye West a fazer “Bound 2”, que é uma das minhas músicas preferidas dele. Ela é antiga e meio vintage. Eu gosto dela. Ela é meio motown. Eu gosto dela. Acho que ela traz um tchan para as coisas.

12. “Reborn”, de Kids See Ghosts

Eu amo essa música, ela nunca sai da minha playlist. Eu amo o movimento dela. Ela é triste, melancólica, mas ao mesmo tempo ela não é uma música parada. Ela tem um movimento incrível.

13. “Oriental”, de Orlando Morais

Porque eu acho que sempre tem de ter uma música do meu pai nas minhas playlists. Essa música foi a última do Cazuza, que ele escreveu antes de ir embora, e ele deu para o meu pai. Meu pai gravou com a Bebel Gilberto e é uma gravação linda.

14. “Love/Paranoia”, de Tame Impala

Eu simplesmente amo essa gravação, amo essa música, amo esse nome “Love/Paranoia”. Acho que tem tudo a ver comigo, porque eu simplesmente acho que ainda não aprendi a amar sem ser uma pessoa paranoica. Não sei se eu quero falar sobre isso. Mas enfim.

15. “Gosto de Quero Mais”, de Hiram e Tom Veloso

Foi uma música que eu também descobri recentemente. Gosto da letra, acho visceral. E acho que o Tom no final cantando fica lindo. Acho que fica bem sexy.

(imagem: Ludgero Paiva)

O Som que Fez o Som é uma série publicada na primeira sexta-feira do mês e reúne as influências de diferentes artistas.

Veja também