A poeta e tradutora Angélica Freitas, natural de Pelotas (RS), aponta Ana Cristina Cesar e Ledusha como suas grandes influências. Ela fala sobre suas leituras de Manuel Bandeira, Mario Quintana e dos poetas da geração beat, além de afirmar que explicitar sua homossexualidade em sua poesia é uma questão política. O episódio também traz a poeta lendo poemas próprios.

Depoimento gravado em agosto de 2021.

Pedra de toque é publicado semanalmente, sempre às quartas-feiras. Ouça todos os episódios clicando aqui ou em aplicativos especializados, como o Spotify, no celular ou no computador – basta pesquisar o nome do programa.

ITAÚ CULTURAL

Presidente: Alfredo Setubal
Diretor: Eduardo Saron
Gerente do Núcleo de Audiovisual e Literatura: Claudiney Ferreira
Coordenadora do Núcleo de Audiovisual e Literatura: Kety Fernandes Nassar
Apresentação: Ademir Assunção
Produção audiovisual: Amanda Lopes e Roberta Roque
Som: Cinemática Audiovisual (terceirizada)
Locução: Adriana Braga (terceirizada)
Trilha musical: “The heart knows”, de Idan Balas (Artlist)

O Itaú Cultural (IC) integra a Fundação Itaú para Educação e Cultura. Saiba mais em fundacaoitau.org.br.

Fotografia de Angélica Freitas. Ela é uma mulher com cabelo curto, penteado com um grande topete. Ela usa óculos no formato redondo. Seu rosto está levemente inclinado para o lado direito da foto. A imagem está com um filtro rosa, além de contar o logo do podcast Pedra de Toque e do Itaú Cultural na parte inferior esquerda.
Angélica Freitas (imagem: Dirk Skiba)
Veja também