Carioca de Santa Teresa, a poeta e tradutora Marília Garcia surgiu no cenário literário na primeira década dos anos 2000. Faz parte da geração que exercitou bastante a criação por meio da internet (em blogs, revistas virtuais e audiovisuais veiculados pelo YouTube). A interseção entre poesia, cinema, prosa poética e ensaio em suas criações, as influências da música popular e os primeiros contatos com livros de Italo Calvino, Albert Camus e Machado de Assis são alguns dos temas deste depoimento ao Pedra de toque. Ela conta também da importância das revistas literárias na sua formação, lê poemas de Augusto de Campos, Anne Carson e Cacaso e termina declamando versos próprios.

Depoimento gravado em setembro de 2021.

Veja também:
>>Marília Garcia no podcast Paiol literário

Pedra de toque será semanal, sempre às quartas-feiras. Ouça todos os episódios clicando aqui ou em aplicativos especializados, como o Spotify, no celular ou no computador – basta pesquisar o nome do programa.

ITAÚ CULTURAL

Presidente: Alfredo Setubal
Diretor: Eduardo Saron
Gerente do Núcleo de Audiovisual e Literatura: Claudiney Ferreira
Coordenadora do Núcleo de Audiovisual e Literatura: Kety Fernandes Nassar
Apresentação: Ademir Assunção
Produção audiovisual: Amanda Lopes e Roberta Roque
Som: Cinemática Audiovisual (terceirizada)
Locução: Adriana Braga (terceirizada)
Trilha musical: “The heart knows”, de Idan Balas (Artlist)

O Itaú Cultural integra a Fundação Itaú para Educação e Cultura. Saiba mais em fundacaoitau.org.br.

Marília Garcia | crédito: divulgação

 

Veja também
Imagem do poeta Rodrigo Garcia Lopes com o filtro rosa que caracteriza o podcast Pedra de Toque. O logo do programa está ao lado esquerdo da imagem, na cor verde. Abaixo dele, está o logo do Itaú Cultural, na cor branca. Ele está encostado no tronco de uma árvore, usa uma camisa clara de botões e tem cabelos lisos e escuros.

Rodrigo Garcia Lopes – Pedra de toque

Neste episódio do podcast, Rodrigo Garcia Lopes fala sobre suas influências literárias e lê poemas de William Carlos Willians, Elizabeth Bishop e Carlos Drummond de Andrade