“Eu não acredito que haja arte hermética. No fundo, se for arte, tem algo imediato, tem alguma coisa que se põe na sua frente. E a única arte morta é arte ruim, e ninguém sabe o que é arte ruim porque se soubesse era fácil saber o que é arte boa e ninguém sabe isso também.” Essa é uma das linhas de pensamento desdobradas por Nuno Ramos no podcast Paiol Literário. Ele fala ainda, por exemplo, da separação entre sua produção plástica e literária e da narrativa em literatura.

Entrevista realizada em 2011 pelo jornalista, editor e escritor Rogério Pereira.  

Saiba mais sobre Nuno Ramos na Enciclopédia Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras.

No canal do YouTube do Itaú Cultural (IC):

Encontros, de 2009

Investigações, de 2009

Rumos Itaú Cultural, de 2013-2014

Encontros de Interrogação, de 2016

Ouça todos os episódios já disponíveis do podcast Paiol Literário aqui no site ou em aplicativos especializados, como o Spotify e o Apple Podcasts, no celular ou no computador – basta pesquisar o nome dos programas.

ITAÚ CULTURAL

Presidente: Alfredo Setubal
Diretor: Eduardo Saron
Gerente do Núcleo de Audiovisual e Literatura: Claudiney Ferreira
Coordenadora do Núcleo de Audiovisual e Literatura: Kety Fernandes Nassar
Apresentação: Rogério Pereira
Produção audiovisual: Ana Paula Fiorotto
Roteiro: Rosani Madeira (terceirizada)
Som: Tomás Franco (terceirizado)
Locução: Adriana Braga (terceirizada)
Trilha musical: “Sala de leitura”, de Tomás Franco

O Itaú Cultural (IC), em 2019, passou a integrar a Fundação Itaú para Educação e Cultura, com o objetivo de garantir ainda mais perenidade às suas ações e o seu legado no mundo da cultura, ampliando e fortalecendo o seu propósito de inspirar o poder criativo para a transformação das pessoas.

Nuno Ramos (imagem: Matheus Dias)
Veja também
Homem de cabelo curto e preto está sentado olhando atento. Ele usa barba e está com um cachecol.

João Paulo Cuenca – Paiol Literário

“O livro é uma coisa maravilhosa, fascinante. Uma boa experiência de leitura não tem paralelo, não se parece com nada. É muito mais intensa do que a de ver um filme”, diz João Paulo Cuenca
Carlos de Brito e Mello é um homem branco, está sorrindo e com um microfone próximo à boca. Ele segura o microfone com a mão direita. A imagem está com um filtro lilás, do podcast Paiol Literário.

Carlos de Brito e Mello – Paiol Literário

“A literatura pode produzir uma interrupção da realidade. Um certo estado de suspensão em que as significações correntes, os consensos pouco questionados, o senso comum, tudo isso é suspenso”, disse o participante da vez