Mineiro de Belo Horizonte, Ricardo Aleixo é poeta, performer, compositor e editor. Autodidata, ele transita com habilidade entre as poesias visual e oral, as escritas no livro e no corpo e as palavras grafadas no espaço de uma intervenção artística ou cantadas no bojo de uma canção. Neste depoimento, ele revela que cresceu numa família pobre, mas muito ligada à leitura, à música e à cultura em geral. Fala também das suas múltiplas influências, que vão do brasileiro Augusto de Campos ao russo Vladimir Maiakovski, e lê poemas do seu livro Extraquadro.

Depoimento gravado em 3 de setembro de 2021.

Veja também:
>>>
Ricardo Aleixo no Encontros de interrogação
>>> Ademir Assunção e Ricardo Aleixo no Jogo de ideiasa poesia na Idade “Mídia”
>>> Ricardo Aleixo em entrevista para a GIL70

Pedra de toque é publicado semanalmente, sempre às quartas-feiras. Ouça todos os episódios clicando aqui ou pesquisando o nome do programa em aplicativos especializados, como o Spotify, no celular ou no computador.

ITAÚ CULTURAL
Presidente: Alfredo Setubal
Diretor: Eduardo Saron
Gerente do Núcleo de Audiovisual e Literatura: Claudiney Ferreira
Coordenadora do Núcleo de Audiovisual e Literatura: Kety Fernandes Nassar
Apresentação: Ademir Assunção
Produção audiovisual: Amanda Lopes e Roberta Roque
Som: Cinemática Audiovisual (terceirizada)
Locução: Adriana Braga (terceirizada)
Trilha musical: “The heart knows”, de Idan Balas (Artlist)

Imagem do escritor e compositor Ricardo Aleixo com filtro rosa que caracteriza o podcast Pedra de Toque. O logo do programa está ao lado direito da imagem, na cor verde. Abaixo dele, está o logo do Itaú Cultural na cor branca. Ricardo Aleixo é um homem negro, está de perfil, veste boina, óculos de armação preta e jaqueta jeans.
Ricardo Aleixo – Pedra de toque (imagem: Itaú Cultural)
Veja também
Fotografia colorida do evento PerifaCon. Na imagem, três pessoas estão em frente a um computador.

Quem pode ser um "gamer"?

Em sua estreia na coluna Game Perifa, Andreza Delgado fala do consumo de "games" no Brasil e desconstrói o estereótipo do que é um "gamer"