Classificação indicativa: Livre

Segunda metade do século XVIII, Nordeste brasileiro, uma mulher branca e pobre. Esta é a tríade por meio da qual o novo título de Maria Valéria Rezende se constrói. Carta à Rainha Louca (2019), composto de uma pesquisa histórica e uma escrita ficcional, apresenta uma protagonista que não é senhora, tampouco escrava: trata-se de um não-lugar em um contexto colonial. Com a finalização contemplada pelo Rumos Itaú Cultural 2015-2016, o lançamento do volume acontece no dia 11 de abril, às 19h, na Biblioteca Mário de Andrade. O evento conta também com um bate-papo com a autora, com a escritora Paula Fábrio e com o jornalista Claudiney Ferreira, gerente do núcleo de Audiovisual e Literatura do Itaú Cultural.

Elaborado na forma de uma carta hipotética à rainha Maria I, de Portugal, a narrativa inspira-se em fragmentos de autos de um processo incompleto, encontrado por Maria Valéria no Arquivo Ultramarino de Lisboa, em 1982. O documento em questão acusa uma mulher de fundar um convento clandestino, na região das Minas Novas (MG), sem ordem da Coroa. Fundamentada em seu processo de estudo a respeito da história da vida religiosa feminina nessa época, a prosadora empenha-se também em trabalhar com uma linguagem plausível para o período antigo e, ao mesmo tempo, legível para o público de hoje. Um esforço duplo, portanto: recuperar a trajetória das mulheres religiosas e da língua portuguesa de outrora.
 

Lançamento de Carta à Rainha Louca, obra de Maria Valéria Rezende 
e bate-papo com Maria Valéria Rezende, Paula Fábrio e Claudiney Ferreira + sessão de autógrafos
quinta 11 de abril de 2019
às 19h
Auditório da Biblioteca Mário de Andrade – 224 lugares
Rua da Consolação, 94 – República

Entrada gratuita – Retirada de ingressos uma hora antes na recepção

Para mais informações, ligue (11) 3775-0002 ou acesse o site da biblioteca.

 

Veja também